ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Herpesvírus bovino tipo - 1 (Parte 1)

POR RENATA DE OLIVEIRA SOUZA DIAS

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 13/12/2002

3 MIN DE LEITURA

1
0

Muitas pessoas têm enviado perguntas sobre a IBR, sem sombra de dúvida, um sério problema e tema de muita controvérsia em nosso meio. Desta forma, os próximos artigos abordarão a IBR, suas principais características, índices no território nacional, formas clínicas, diagnóstico e controle.

Entretanto, antes de aprofundarmos o assunto é importante "dar nome aos bois". Apesar de muitas vezes utilizarmos apenas o termo IBR (rinotraqueíte infecciosa bovina), é importante determinar que esta sigla refere-se apenas a uma das manifestações clínicas do herpesvírus bovino tipo 1 (BHV-1).

Na realidade, a infecção determinada pelo herpesvírus bovino tipo 1 (BHV-1) está associada com diferentes formas clínicas. O trato respiratório, genital e o reprodutivo são os mais afetados, determinando os maiores prejuízos; mas o BHV-1 também pode estar envolvido com problemas no sistema nervoso, conjuntiva ocular e moléstias sistêmicas. Esta diversidade de sinais clínicos, que muitas vezes, são semelhantes aos sintomas de outras doenças infecciosas e parasitárias, impede a elaboração de um diagnóstico exclusivamente clínico, exigindo para uma determinação conclusiva o diagnóstico laboratorial.

O BHV-1 é classificado em sub-tipos, esta classificação pode parecer um pouco confusa, mas é muito importante que o técnico tenha conhecimento que existem diferentes sub-tipos da doença, sendo eles:

- BHV-1.1 (IBR-like) --> relacionado com problemas respiratórios, reprodutivos e casos de conjuntivite.

- BHV-1.2A e BHV-1.2B (IPV-like) --> são mais freqüentes em infecções relacionadas com o trato genital.

- BHV-1.3A e BHV-1.2B (atualmente reclassificado como BHV-5) --> determina sintomatologia nervosa em bezerros e animais adultos, sendo responsável pelo quadro clínico de meningo-encefalite.

O BHV-1 é facilmente disseminado pelas secreções respiratórias, oculares e reprodutivas provenientes de bovinos infectados, permanecendo nos animais, após a primo-infecção, na forma latente no gânglio trigêmeo. Desta forma, os bovinos, uma vez infectados, tornam-se portadores do vírus, que pode ser reativado quando ocorre uma queda da resistência (parto, doenças, estresse). O estabelecimento de imunidade celular e humoral, pós-infecção ou pós-vacinação, não elimina o estado de latência, persistindo esta condição por toda a vida produtiva do animal. A introdução de um portador latente em um rebanho livre é a forma mais freqüente de disseminação do BHV-1.

O herpesvírus bovino tipo 1 encontra-se amplamente disseminado em rebanhos de leite e corte . A infecção apresenta caráter endêmico na América do Norte e na maioria dos países europeus. No Brasil, dados de várias pesquisas revelam uma expressiva disseminação do vírus (Tabela 1).
 

 


Recentemente, pesquisadores da Universidade Estadual de Londrina - PR, publicaram os dados obtidos com testes sorológicos para diagnóstico da infecção pelo BHV-1. Foram avaliadas 26.441 amostras de soro sanguíneo de rebanhos bovinos de corte e leite não vacinados contra IBR e com histórico de problemas reprodutivos. A Tabela 2 apresenta a freqüência de ocorrência de animais soropositivos distribuída de acordo com o Estado de onde as amostras foram provenientes.

 

 



No próximo artigo serão abordadas as principais manifestações do Herpesvírus bovino tipo - 1, seus sinais clínicos, diagnóstico e controle.

Fonte:

Alfieri, A.A. Consequências da infecção pelo Herpesvirus Bovino Tipo 1 sobre o sistema reprodutivo de bovinos. Semina: Ci. Agr. Londrina, v.19, p. 86-93, 1998.

Bradford, S.P. Tratado de Medicina Interna de Grandes Animais. 1ed. Saunders: Manole, 1993. 1661p.

Takiuchi, E.; Alfieri, A.F.; Alfieri, A.A. Herpesvírus bovino tipo 1: Tópicos sobre a infecção e métodos de diagnóstico. Semina: Ci. Agr. Londrina, v.22, p. 203-209, 2001.

Kahrs, R.F. Infectious bovine rhinotracheitis: a review and update, J. Am. Vet. Assoc., v.171, p.1055-1064, 1977.

Roehe, P.M. et al. Diferenciação entre o vírus da Rinotraqueíte Infecciosa Bobina (BHV-1) e herpesvírus da encefalite bovina (BHV-5) com anticorpos monoclonais. Pesq. Vet. Bras., v.17, n.1, p.41-44, 1997.

Sampaio, S. Rinotraqueíte infecciosa dos Bovinos. Biológico, São Paulo, 47:107-114, 1981.

Weblein, R. Agentes virais presentes no Sêmen bovino. A hora veterinária, 9 (50): 43-47, 1989.

RENATA DE OLIVEIRA SOUZA DIAS

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MARCELO ALVES FERREIRA

BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL

EM 09/10/2012

Bom dia, Dra Renata!
Excelente artigo. Preciso também saber tudo sobre Papilomatose Bovina, principalmente sobre tratamento. Este é um assunto que comenta-se pouco, mas é muito frenquente no mundo das novilhas. Por favor, caso tenha alguma orientação sobre tratamento efetivo, me envie. OK. Muito obrigado. Marcelo MKf.
MilkPoint AgriPoint