ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Fornecimento forçado de colostro em situações estratégicas pode garantir a sobrevivência dos bezerros

POR JOSÉ ROBERTO PERES

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 07/06/2002

5 MIN DE LEITURA

9
1
É de conhecimento geral que o fornecimento de colostro na quantidade correta, imediatamente após o parto, é essencial para a saúde e sobrevivência do bezerro. Só assim se garante o suprimento de anticorpos antes que o intestino perca a capacidade de absorção (que diminui gradativamente até cessar totalmente aproximadamente ao final do primeiro dia de vida). Maiores informações sobre este tema podem ser encontradas em vários outros artigos nesta seção e, portanto, isto não será abordado neste texto.

Ocorre que, embora a ingestão do colostro seja essencial, muitos bezerros ao nascer são relutantes em mamar voluntariamente, seja na vaca ou na mamadeira, a quantidade de colostro necessária (cerca de 10% do peso vivo, nas primeiras 24 horas de vida, sendo, idealmente, pelo menos a metade nas primeiras 8 horas de vida). Lembre-se que o processo do parto pode ser bastante traumático para o bezerro. Em alguns casos, ele pode ficar sem oxigênio por algum tempo; outros bezerros podem até ter ossos quebrados ou órgãos injuriados. Esta relutância pode, portanto, não ser voluntária: simplesmente não há capacidade física de consumir o colostro nas primeiras horas de vida.

No intuito de maximizar a absorção de anticorpos (imunoglobulinas), tem se tornado prática cada vez mais comum em fazendas americanas, o fornecimento de grande quantidade de colostro (10% do peso vivo - cerca de 4 litros para bezerros holandeses), numa única mamada, logo após o nascimento. Em muitos casos os bezerros não têm vontade ou condições físicas para consumir todo este volume. Em função disso, associada a esta recomendação tem crescido o uso de sondas esofagianas para forçar este nível de ingestão.

Os defensores do uso da sonda argumentam que ela viabiliza o consumo de grandes quantidades de colostro em animais sem disposição para tal, o que seria uma vantagem, já que o criador, e não o bezerro, determina a quantidade a ser ingerida. Isto garantiria maior saúde ao animal.

O uso da sonda, porém, tem (várias) desvantagens. A primeira, e de grande importância, é que o uso da sonda para fornecimento de grandes quantidades de colostro tem sido associado a menor absorção e concentração de imunoglobulinas no soro, quando comparada ao fornecimento de colostro através da mamadeira.

A explicação para isto seria que o colostro administrado através da sonda esofagiana entra primeiramente no rúmen, para posteriormente chegar ao abomaso e intestino onde realmente ocorre a absorção. Estudos indicam que leva de 2 a 4 horas para o colostro deixar o rúmen. Este intervalo de tempo parece ser a razão da menor taxa de absorção, já que, com o passar do tempo o intestino "matura", reduzindo o número de células capazes de absorver os anticorpos intactos. Lembre-se que ao mamar na vaca ou na mamadeira há formação da "goteira esofagiana", estrutura que conduz o leite diretamente do esôfago ao abomaso, sem passar pelo rúmen. Com a sonda esta "ponte" não é formada. De qualquer maneira, o colostro administrado pela sonda também pode ser absorvido.

Uma segunda desvantagem da sonda é o risco que ela representa. Seu uso requer treinamento orientado pelo veterinário. Existem relatos de injúrias físicas na epiglote, laringe e outros órgãos da região oral, especialmente em bezerros de raças pequenas (por exemplo Jersey), decorrentes do uso inadequado ou até mesmo em função da conformação da sonda. Pontas cortantes ou até mesmo lisas mas de porte muito avantajado podem provocar traumas internos. A sonda precisa ser macia e mantida em boas condições (alguns usam uma borracha de teteira da ordenhadeira com a ponta mais fina cortada - dizem dar bom resultado por ser lisa, macia e de tamanho adequado). Troque-a quando começar a mostrar sinais de desgaste. Existem sondas de aço inox (provavelmente não em nosso mercado), que facilitam a limpeza, que é um problema à parte.

A má desinfecção da sonda, pode por a perder qualquer vantagem da administração de maior quantidade de colostro no momento correto. Uma sonda contaminada pode inocular bactérias diretamente no trato intestinal justamente no momento em que o bezerro está mais vulnerável a infecções. Lembre-se que o recém nascido está desprovido de anticorpos (é justamente esta a finalidade do fornecimento do colostro), além disso, outros mecanismos de defesa (acidez do estômago, enzimas digestivas, etc.) ainda não estão ativos no recém nascido. Sendo assim, bactérias "cultivadas" na sonda podem representar grande risco à vida dos bezerros.

Outro risco é o fornecimento de quantidade excessiva. A capacidade de ingestão de líquidos do recém nascido é limitada, pois especialmente o rúmen é bem pouco desenvolvido ao nascimento. O risco do fornecimento excessivo é o refluxo e aspiração do colostro para os pulmões, possivelmente causando pneumonia. A quantidade é bastante dependente, portanto, do tamanho do animal. Bezerros holandeses (40 kg), normalmente são capazes de ingerir 4 litros de colostro através da sonda esofagiana. Para animais menores é prudente diminuir a quantidade proporcionalmente ao peso (1 litro para cada 10 kg de peso vivo?).

Um último cuidado refere-se à técnica de aplicação da sonda. Para diminuir os riscos, o animal deve estar em pé, o que diminui a chance de aspiração do colostro para os pulmões. A ponta do sonda deve ser molhada no colostro para deslizar mais facilmente para, posteriormente, ser introduzida gentilmente pela boca até o esôfago. O tamanho do bezerro irá determinar o comprimento da sonda a ser inserida. Só então o colostro deve ser administrado, e irá entrar no rúmen.

Depois de tantos possíveis problemas, se você ainda não desistiu de ler o texto deve estar pensando: para que vou correr tantos riscos? O fato é que o uso da sonda estrategicamente, em bezerros com dificuldade para a ingestão "natural" do colostro, pode salvar algumas vidas, devido à importância do colostro na imunização do animal. Para que esta prática tenha sucesso, algumas recomendações básicas devem ser observadas:

1. Utilize a sonda quando necessário (o bezerro não mama na vaca ou na mamadeira);

2. Não forneça mais que 4 litros de uma vez, logo após o nascimento, para bezerros holandeses (diminua a quantidade para animais menores de 40 kg);

3. Aplique a sonda com o animal em pé para minimizar o risco de aspiração;

4. Seja meticuloso na desinfecção da sonda. Lembre-se que é preciso remover toda gordura e proteína da sonda. Para isso use uma solução forte de cloro e detergente em água quente;

5. Proporcione o treinamento dos funcionários com ajuda do veterinário;

6. Inspecione a sonda regularmente para a presença de pontas cortantes ou dobras e rachaduras que podem acumular sujeira. Substitua por uma nova sempre que necessário.

Comentário MilkPoint: o fornecimento do colostro nas primeiras horas de vida é crucial. A mamada diretamente na vaca é uma opção e, para aqueles que preferem certificar-se do volume consumido, a mamadeira (bem desinfetada) é a melhor opção. A sonda é um recurso adicional, para animais problemáticos, pois os riscos decorrentes de seu uso são grandes. Esta prática parece estar crescendo em grandes fazendas americanas em função de sua praticidade, já que não se "perde" muito tempo com o bezerro. Nas nossas condições, os rebanhos são menores e a mão-de-obra é mais disponível, favorecendo o fornecimento pelas vias "tradicionais", que apresentam menor risco e maior eficiência de absorção - o que pode compensar um eventual menor volume consumido.

Adaptado de: Quigley, J., 2002. Using the esophageal feeder to administer colostrum. Calfnotes.com.

9

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

RAIMUNDO AMARO DE ALENCAR

TOLEDO - MINAS GERAIS

EM 30/11/2020

Quando o bezerro si engasga com o leite da mamadeira depois fica triste so deitado e não quer mamar .o q devemos faser ?
DANIELA DOURADO

BOM JESUS DA LAPA - BAHIA - ESTUDANTE

EM 30/11/2020

O bezerro nasceu e n quer mamar nem no peito e nem na mamadeira..oq que eu faço pra ele mamar na vaca?
MARCIA MORAIS GOMES

PARACATU - MINAS GERAIS

EM 02/10/2019

Nossa meu irmao ajudou a vaca dele parir um bezerro enorme ela nao conseguia sozinha so que depois ela nao consegue se levantar come e bebe bem porem nao tem força pra levantar o que aconteceu e como ajudar ela a se levantar por favor alguem pode nos ajudar
RENAN RODRIGUES

EM 30/08/2018

Posso forçar o bezerro a mamar na mamadeira ou seja colocar um bico com o furo maior forçando assim ele a ingerir o leite despejado?
RAUL RODRIGO

S.FELIX DO XINGÚ - PARÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 21/12/2017

O bezerro girando nasceu i n quer mamar . Eu to dando leite na sonda ..mas n mama nem no peito i nem na mamadeira..oq qui eu faço PR ele mamar na vaca
ROGÉRIO CESAR DE OLIVEIRA

SÃO BENTO DO SAPUCAÍ - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 14/05/2017

Quando o bezerro não mama, a cuíca ronca pro lado do produtor.
FERNANDO GIORGETTI

RIO CLARO - SÃO PAULO

EM 30/08/2016

Interessante salientar que o uso da sonda se faz necessário nos casos que o reflexo da sucção não esta presente na sua plenitude e nas condições em que o recém nascido  e desproporcional em altura  para acessar a glândula  mamaria.
NILDA MARIA KRULL

CURITIBA - PARANÁ

EM 03/01/2015

Gostaria de saber : nasceu um Nelore,e a mae dele recusou e não deixa ele mamar de jeiro nenhum, nós pegamos leite de outra vaca comum, que deu cria uns cinco dias antes, o bezerrinho não consegue ficar em pé, O que fazer? e não mama muito não
EULER RABELO

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 17/06/2002

É importante ressaltar que deixar o bezerro mamar colostro da vaca não é uma prática recomendada por especialistas da área. As pesquisas têm demonstrado que 25 a 40% dos bezerros não consomem a quantidade necessária de colostro quando mamam na vaca. Além disso, as chances de ingestão de bactérias nocivas ao bezerro aumentam quando permitido mamar na vaca. O recomendado é separar o bezerro o mais rápido possível de sua mãe e fornecer o colostro de boa qualidade em mamadeiras limpas. Caso o consumo voluntário de colostro não seja atingido com o uso de mamadeiras, a sonda deve ser utilizada.
MilkPoint AgriPoint