ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Fertilizante nitrogenado. 3. Alternativas para uma melhor eficiência da adubação

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 17/08/2001

5 MIN DE LEITURA

3
0

Marco Antonio Alvares Balsalobre e Patrícia Menezes Santos

Por Patricia Menezes Santos e Marco Antonio Alvares Balsalobre

Nos primeiros artigos desta série, foi mostrado que o uso de fertilizantes nitrogenados é necessário, porém pode trazer problemas para o meio ambiente e para a saúde humana.

Atualmente, o consumo mundial de fertilizantes nitrogenados é da ordem de 80 milhões de toneladas por ano. Este consumo tem aumentado, principalmente nos países em desenvolvimento, e estima-se que em 2020 sejam consumidas cerca 134 milhões de toneladas.

No entanto, a eficiência de uso destes fertilizantes é baixa. Alguns trabalhos mostram que cerca da metade do adubo nitrogenado aplicado nos campos, anualmente, é perdido.

O aumento da eficiência da adubação é interessante tanto pelos prejuízos que este nitrogênio pode causar ao ambiente e ao homem quanto por razões financeiras. Uma melhor eficiência da adubação significa menores gastos com a compra e aplicação do produto, sem reduzir a produção. No Havaí, por exemplo, produtores têm conseguido reduzir o uso de fertilizantes em um terço e as perdas para a atmosfera em dez vezes aplicando o fertilizante nitrogenado junto com a água de irrigação e parcelando as adubações.

A adubação nitrogenada deve ser planejada levando-se em consideração, principalmente, o cálculo da quantidade de adubo e a escolha da época de aplicação, da forma do fertilizante e do equipamento para distribuição.

O cálculo da quantidade de adubo a ser aplicado talvez seja o passo mais importante e, ao mesmo tempo, o mais complexo. Para isto, é necessário se fazer uma estimativa do "estoque" de nitrogênio disponível no solo e da necessidade da cultura.

Os compostos nitrogenados se transformam, naturalmente, no ambiente através de processos bastante dinâmicos. Desta forma, a determinação da quantidade de nitrogênio disponível no solo através de análises químicas é bastante difícil. Normalmente, o que se faz é determinar o teor de matéria orgânica do solo e estimar a quantidade de nitrogênio que será mineralizado. Este processo, no entanto, depende de diversos fatores ligados ao solo (características físicas, umidade e aeração), as fertilizações prévias, ao clima (temperatura e pluviosidade) e à própria matéria orgânica. Diversos estudos têm sido realizados com o objetivo de se modelar estes processos e se obter estimativas mais confiáveis do "estoque" de nitrogênio no solo, no entanto, ainda não existem informações suficientes para isto.

A estimativa da necessidade da cultura vai depender, principalmente, do nível de produtividade que se deseja alcançar. No entanto, é importante lembrar que o nitrogênio interage com outros nutrientes do solo e que, em um solo com baixa fertilidade, a capacidade de resposta das plantas ao adubo nitrogenado é limitada.

Devido à dificuldade de se estimar a quantidade de nitrogênio disponível no solo, a melhor alternativa para se calcular a necessidade de adubo parece ser o acompanhamento, ao logo dos anos, dos teores de matéria orgânica, do histórico de adubações e da produtividade das áreas. Estes dados são valiosos no momento da tomada de decisão sobre a quantidade necessária de fertilizante para uma determinada produção.

A aplicação do nitrogênio deve ser feita quando as condições climáticas (pluviosidade e temperatura) forem favoráveis ao desenvolvimento da cultura. Neste período, a capacidade de absorção do nutriente por parte da planta é bastante elevada, o que reduz as chances de perdas por lixiviação.

Desta forma, no caso de gramíneas forrageira cultivadas em condições de sequeiro, a adubação deveria ser feita no período das águas e, no caso de áreas irrigadas, enquanto a temperatura estivesse acima de 15oC.

A adubação deve ser parcelada ao longo do período de crescimento, evitando-se assim um excesso de nitrogênio no solo que também poderia favorecer a lixiviação. Diversos trabalhos em áreas tropicais têm mostrado que, quando o ritmo de crescimento da cultura é elevado, as perdas de nitrogênio por lixiviação são desprezíveis. No entanto, se as condições forem favoráveis, estas podem ser significativas. Em um experimento com de cana-de-açúcar, onde foram aplicados 100 kg/ha de nitrogênio na forma de uréia, foi observada uma lixiviação de 28kg/ha do nitrogênio proveniente do adubo e de 22 kg/ha do nitrogênio proveniente da matéria orgânica. Neste caso, o processo de lixiviação foi favorecido pela elevada pluviosidade no período e pela textura do solo (média a arenosa) (Trivelin, 2000).

A época de aplicação em áreas de pastejo rotacionado também deve ser planejada com relação ao período de pastejo. O ideal é que as aplicações sejam feitas sempre após a saída dos animais, favorecendo uma rebrota rápida. Além disto, a competição entre as plantas logo após a saída dos animais é menor, favorecendo o perfilhamento, o desenvolvimento rápido e um melhor aproveitamento do adubo.

Em áreas irrigadas, também é interessante que a adubação seja feita pouco antes da irrigação. Deste modo, o adubo seria rapidamente incorporado ao solo, reduzindo as perdas por volatilização.

A escolha da forma do fertilizante vai depender do preço e das características de cada produto. No Brasil, o adubo nitrogenado mais utilizado é a uréia, devido ao seu custo por unidade de nitrogênio. No entanto, é preciso lembrar que esta é uma das formas mais sujeitas às perdas por volatilização. Em um experimento com capim elefante, onde se aplicou 100 kg/ha de nitrogênio, por exemplo, foi observada uma perda de 45 e 12 kg/ha de nitrogênio quando foi utilizado uréia e sulfato de amônio, respectivamente (Martha Júnior, 1999).

A escolha do equipamento utilizado para a distribuição do adubo deve ser baseada na uniformidade de distribuição, capacidade de calibração e autonomia. O uso de um equipamento adequado e em boas condições de conservação reduz o desperdício de adubo e o custo de aplicação, aumentando a eficiência da adubação.

Como foi visto, o uso de nitrogênio na agricultura é um assunto complexo. O objetivo desta série de artigos, portanto, não foi abordar todos os aspectos relacionados à adubação nitrogenada, mas sim alertar para o problema do uso indevido de fertilizantes nitrogenados e mostrar que existem alternativas para aumentar a eficiência da adubação.

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

RONALDO FREITAS

CEILANDIA - DISTRITO FEDERAL

EM 31/03/2015

O adubo nitrogenado tem eficiência em platio de melancias?

Obrigado.

Ronaldo Freitas
DUILIO MATA DE SOUZA LIMA

BOM SUCESSO - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 28/10/2007

Trabalho com pastejo rotacionado intensivo e no inverno por disponibilizar de irrigação, faço sobressemeadura de aveia e azévem em tifton e capim elefante na região Campo das Vertentes em MG onde a temperatura normalmente fica abaixo ou pouco superior a 15 graus durante o dia. Reduzo a adubação nitrogenada pela metade neste período e gostaria de saber se este nitrogênio estaria sendo totalmente perdido ou se as forrageiras de inverno o estariam utilizando? Está sendo eficiente esta adubação? Faço no periodo chuvoso uma utilização de 450 Kg de N porque trabalho em torno de 10 UA por ha.

<b>Resposta da autora:</b>

Prezado Duilio,

As temperaturas baixas, sem dúvida, restringem o desenvolvimento das forrageiras tropicias. No entanto, é muito difícil responder sua pergunta de forma direta, principalmente porque a matéria orgânica tem
grande efeito sobre a dinâmica do nitrogênio no solo.

Minha sugestão é que você faça algumas avaliações em sua região. Para isso, você deve demarcar alguns canteiros (3 x 4 m, por exemplo) no meio do pasto e
adubá-los com as doses de adubo que deseja testar (como se você estivesse adubando o pasto); deixe um canteiro sem adubo. Logo antes do pastejo, você corta o capim dos canteiros (pode cortar amostras de 1 x 1
m) e pesa.

Se conseguir determinar a matéria seca do capim é melhor (veja a descrição de um método simples utilizando forno de microndas nos artigos do radar Pastagens). Daí você pode estimar quanto teve de forragem a mais em virtude da adubação por meio da diferença entre a produção de capim nos canteiros com adubo e sem adubo.

Por favor, volte a entrar em contato conosco caso tenha ficado com alguma dúvida.

Atenciosamente,
Patricia Santos
Embrapa Pecuária Sudeste
EDINALDO BRASIL TEIXEIRA

SALVADOR - BAHIA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 04/06/2006

Caros autores,



Gostaria de saber se vocês sabem os limites e a eficiência da adubação nitrogenada em capim elefante.



Agradeço a atenção.





<b>Resposta da autora:</b>



Prezado Edinaldo,



A eficiência da adubação nitrogenada é muito variável e depende de fatores relacionados à planta, ao solo e ao ambiente. Na literatura são encontrados valores variando de 5 a 80 kg MS/kg N aplicado, sendo mais freqüentes valores por volta de 40 kg MS/kg N aplicado. Atualmente, as áreas mais intensificadas utilizam valores por volta de 100 kg N/ha por ciclo de pastejo. Valores desta magnitude, no entanto, devem ser utilizados com cautela para evitar desperdícios.



Atenciosamente,



Patricia Menezes Santos
MilkPoint AgriPoint