ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Exoesqueleto: ferramenta para aliviar o fardo nas tarefas agrícolas

POR MAYSA SERPA

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 17/02/2022

3 MIN DE LEITURA

2
6

O trabalho diário no campo é, muitas vezes, pesado e algumas soluções vêm sendo pensadas, para aliviar a vida dos trabalhadores rurais. Uma das propostas são os exoesqueletos, estruturas mecânicas que aliviam o fardo em tarefas rotineiras dos agricultores e pecuaristas, como retirada de grãos ou silagem, mistura de ração, reparo de equipamentos e, até o próprio ato de ordenhar ou colocar as ordenhadeiras mecânicas.

exoesqueleto produção de leite
Foto: reprodução PLM

O exoesqueleto visa reduzir a carga dos exercícios nos trabalhadores, além de evitar lesões nas costas e articulações, principalmente à medida que as pessoas envelhecem. Segundo Catherine Trask, presidente de pesquisa em ergonomia e saúde musculoesquelética da Universidade de Saskatchewan, no Canadá, “os produtores rurais têm taxas muito altas de lesões nas costas. Isso é ainda mais alto do que em algumas outras áreas da indústria pesada e certamente mais alto do que alguns tipos de profissões de escritório”.

“Se você se abaixar para pegar algo do chão, ele [o exoesqueleto] dá suporte às suas costas e seu corpo durante a curva e também quando você levanta e pega um objeto, ele fornece um pouco mais de apoio”, disse ela.

Nas fazendas leiteiras, o equipamento também já foi testado. Veja o vídeo: 

 

 

Os pesquisadores estão determinando como os exoesqueletos podem reduzir a carga postural e muscular durante a execução de tarefas agrícolas manuais. Além disso, estão avaliando as experiências e percepções do usuário, incluindo possíveis barreiras que podem os impedir de usar o exoesqueleto.

Vários modelos estão disponíveis comercialmente. Unidades menos complexas e mais baratas não requerem uma fonte de energia e são vendidas por cerca de US$ 1.000. Modelos mais caros têm uma bateria integrada e recursos motorizados, e custam até US$ 6.000.

exoesqueleto
Foto: William DeKay | Reprodução: The Western Producer

Além de medir a frequência cardíaca para determinar o esforço durante uma tarefa, cada exoesqueleto é equipado com sensores que monitoram especificamente a atividade dos músculos.

Os pesquisadores já obtiveram bons resultados com pessoas que testaram o equipamento. “Para minha surpresa, a experiência com o exoesqueleto me deu a capacidade de repetir [exercícios] por mais tempo e com mais peso. Eu diria 25% mais, sem fadiga”, disse Ron Swan, agricultor em Glenside, no Canadá. “Descobri que, sem o exoesqueleto, devo fazer pausas com bastante frequência para deixar os músculos relaxarem no centro das minhas costas. Percebi que minhas pernas fazem muito esse apoio para as costas, mas não percebi que estava tensionando esses músculos para isso. O exoesqueleto aliviou esse esforço e eu pude mover mais produto mais rápido e por mais tempo com o exoesqueleto ligado. Eu me esforcei muito só para ver o que o exoesqueleto faria por mim”, finalizou.

exoesqueleto
Foto: William DeKay | Reprodução: The Western Producer

De fato, o artefato parece promissor. Em uma pesquisa realizada com quinze trabalhadores também no Canadá, os pesquisadores observaram principalmente a associação do exoesqueleto com termos como: 'segurança', 'conforto', 'empregos e tempo', 'saúde', 'mobilidade', 'facilidade de uso' e 'produtividade'. Contudo, as entrevistas mostraram diversidade nas percepções dos agricultores sobre o desempenho do exoesqueleto, demonstrando que a implementação bem-sucedida nas fazendas exigirá alinhamento entre o design do exoesqueleto, os usuários e as tarefas que estão sendo executadas.

O exoesqueleto já vem sendo usado também em outras profissões com alta demanda dos músculos e de postura, como é o caso das indústrias, por exemplo. 

exoesqueleto industria
Foto: reprodução ProFood World

E aí, o que achou da ferramenta? Já viu algo parecido? Conta pra gente nos comentários! wink

MAYSA SERPA

Médica Veterinária, MSc. e doutoranda em Sanidade Animal pela UFLA, responsável pelo Conteúdo do MilkPoint.

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ARAL SALDANHA DE AQUINO

CURITIBA - PARANÁ - MÉDICO VETERINÁRIO

EM 22/03/2022

Creio que em pouco tempo esse equipamento fará parte dos equipamentos obrigatórios em várias atividades, com isso além da melhoria do rendimento dos trabalhadores, reduzirá muito despesas com saúde.
MAYSA SERPA

LAVRAS - MINAS GERAIS - MÍDIA ESPECIALIZADA/IMPRENSA

EM 22/03/2022

Olá, Aral, tudo bem?

Obrigada pelo seu comentário! Sem dúvidas é importante olhar para a saúde do pessoal e acho que no longo prazo vamos ter mais noção de como esse equipamento funciona e se pode trazer também malefícios (exemplo: atrofiamento de músculos).

Grande abraço e continue nos acompanhando!
MilkPoint AgriPoint