ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
FAÇA SEU LOGIN E ACESSE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Acesso a matérias, novidades por newsletter, interação com as notícias e muito mais.

ENTRAR SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Efeito da monensina na produção de vacas holandesas

POR JOSÉ ROBERTO PERES

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 08/12/2000

3 MIN DE LEITURA

8
1

José Roberto Peres

A monensina sódica é uma aditivo não alimentar que pode ser incluído em dietas de gado leiteiro. Ela provoca alterações na flora ruminal, resultando em maior produção de ácido propiônico, em detrimento do acético, e diminuição das perdas de fermentação (especialmente gás metano). Dessa forma a eficiência energética da dieta é aumentada.

Seu efeito já é bastante reconhecido em animais em crescimento e engorda e, recentemente, maior número de trabalhos vêm sendo realizados com vacas em lactação. Neste sentido, foram conduzidos dois experimentos de longa duração acompanhados pelo Centro de Pesquisas Leiteiras do Departamento de Agricultura da Inglaterra.

No primeiro, 60 vacas foram alimentadas individualmente durante uma lactação completa. A dieta era à base de silagem de milho (50%), silagem de capim (13,4%), concentrado (21,5%), grãos de trigo tratados com hidróxido de sódio (11,8%) e melaço (3%). Os tratamentos que iniciaram na 7a e se estenderam até a 20a semana de lactação foram: 0, 150, 300 e 450 mg de monensina por dia.

No segundo, 98 vacas alimentadas em grupos receberam 0 ou 300 mg de monensina por duas lactações consecutivas. Nas lactações 1 e 2, o tratamento iniciou-se respectivamente na 8a e 3a semanas antes do parto e se estendeu até a 32a semana de lactação.

Nos dois experimentos foram avaliados a produção de leite (médias semanais de pesagens diárias); teores de gordura, proteína e lactose além da condição corporal. No segundo experimento também foram avaliadas as concentrações sangüíneas de (-hidroxibutirato, acetoacetato e glucose antes do parto e nas semanas 2, 4, 6, 8 10 e 12 da lactação. Valores de energia líquida para o leite e manutenção foram estimados para calcular a eficiência energética.

Os principais resultados do experimento 1 encontram-se abaixo.

 

Tabela 1: Médias de consumo de matéria seca e dados produtivos - Experimento 1

 

Tabela 1



Como pode ser observado, houve um aumento significativo da produção de leite nos animais tratados com 150 e 300 mg de monensina, que produziram respectivamente 2,8 e 2,5 kg a mais de leite/dia. Os teores de gordura e proteína do leite caíram. Porém, em função do aumento da produção, a produção total destes componentes não apresentou diferença entre os tratamentos. Houve ainda diferença significativa na conversão alimentar (produção/ingestão de alimentos), com valores superiores para os animais tratados. Não houve diferença na eficiência energética.

A tabela 2 apresenta os principais resultados produtivos do segundo experimento.

 

Tabela 2: Resultados produtivos do uso da monensina - Experimento 2

 

Tabela 2




Neste segundo experimento houve um incremento apenas numérico na produção de leite (não significativo) da ordem de 0,8 e 1,1 kg de leite/dia, respectivamente nas lactações 1 e 2. Os teores de gordura e proteína tiveram um decréscimo como no primeiro experimento mas, novamente, não houve diferença significativa da produção total destes componentes.

No segundo experimento foram avaliados também os teores de b-hidroxiburirato, acetoacetato e acetoacetato sangüínea. Os resultados são apresentados na tabela 3.

 

Tabela 3: Valores médios de b-hidroxiburirato, acetoacetato e glucose

 

Tabela 3



Na segunda lactação do experimento 2, o uso da monensina antes do parto diminuiu a concentração de b-hidroxibutirato nas semanas 2 a 4 (P<0,001) e 6 a 8 (P<0,01) após o parto. A monensina também reduziu (P<0,05) os valores de acetoacetato nas semanas 2 a 4 após o parto e aumentou os valores de glucose nas semanas 2 a 4 (P<0,05) e 6 a 8 (P<0,001) após o parto. Todavia, nenhuma diferença foi observada nestes metabólitos nas semanas 10 a 12. Estes valores são indicativos de um melhor balanço energético para os animais tratados no início da lactação, sendo normalmente associados à diminuição na incidência de cetose clínica e sub-clínica.

Comentário MilkPoint: estes dados, obtidos através de experimentos de longa duração, apresentam resultados semelhantes a outros realizados em várias partes do mundo, com parâmetros sangüíneos indicando melhora no balanço energético do animal e respostas em produção de leite que, segundo revisão dos autores varia de 0,5 a 2,9 kg/dia. Também é consistente a diminuição dos teores de gordura e proteína do leite que, com freqüência são compensados por uma maior produção.

 

********



fonte: PHIPPS, R.H. et alii. 2000. Effect of Monensin on Milk Production of Holtein-Friesian Dairy Cows. J.Dairy Sci. 83(12): 2789-2794.

8

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ALAN PORTO AMARAL

WANDERLEY - BAHIA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 01/04/2019

Bom dia , qual a diferença da moneseina para virginiamicina ?
GABRIEL LOEBENS

VERA CRUZ - RIO GRANDE DO SUL

EM 03/09/2018

o que é mais importante para vacas em alta produção eu ter um núcleo mineral com maior teor de fosforo ou eu ter um núcleo mineral com monensina sodica e vitaminas ADE??
ADEMIR LACERDA

CATALÃO - GOIÁS - REVENDA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS

EM 21/09/2020

faltou ai o fosfato bicalcico.na prorprçao que o veterinario calcular pela alimentação
ROQUE KIRCHNER

PARANÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 30/07/2017

Tem muitos produtores que mal tem volumosos de qualidade e quantidades suficientes, debatendo o uso de aditivos mal conhecidos e nada necessários, como a monensina. São desordens de informações que chegam ao campo,  sem uso de mínimo de critérios. Onde está o verdadeiro benefício? Vive-se um grande festival da indúdtria de suplementos em um ambiente produtivo que deveria se ater na produção intensiva e manejo dos animais a pastagens em ambientes onde encontre verdadeiro bem estar.
FABRICIO

PORTO ALEGRE - RIO GRANDE DO SUL - INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS

EM 23/03/2016

Caro Sr José Roberto Peres, é preciso alertar os produtores e médicos veterinários que a Monensina é um antibiótico isolada de Streptomyces cinnamonensis. É um conhecido representante dos antibióticos ionóforos poliéteres naturais. Atualmente existe uma pressão (inter)nacional contra o uso de antibióticos na ração animal e a consequente proliferação de bactérias resistentes.
NEWTON JODAS GONÇALVES

TAPEJARA - PARANÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 17/05/2015

O uso de probióticos como a monensina sódica, pode deprimir o teor de gordura do leite!

Qual é o limite do consumo de monensina por kg de ingestão de matéria seca de boa qualidade?

Qual é a relação ideal de volumosos/concentrados nesta situação?

Devo usar monensina quando as vacas leiteiras estão submetidos apenas ao pastoreio de gramas como a tifton 85?
ANTONIO MUNIZ FILHO

ROLIM DE MOURA - RONDÔNIA - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 03/11/2014

MUITO BOM
SILMAR CARLOS SIMÕES

TABAPUÃ - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 26/09/2014

O acesso a informações solidas é de suma importância para um bom trabalho.

Ps: obrigado pelas informações obtidas.
MilkPoint Logo MilkPoint Ventures