ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Desinfetantes: ferramenta para a biosseguranca do rebanho

POR RENATA DE OLIVEIRA SOUZA DIAS

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 23/10/2007

3 MIN DE LEITURA

3
0

Como escolher adequadamente um desinfetante? Qual a diferença entre "desinfetar o umbigo dos bezerros" e "sanitizar os utensílios que entram em contato com o colostro"? Neste artigo serão abordadas informações sobre a escolha e o uso dos desinfetantes no dia-a-dia do rebanho leiteiro.

A biossegurança é um conjunto de medidas que buscam prevenir a introdução de doenças ou patógenos no rebanho e, paralelamente, controlar a disseminação dos patógenos já presentes na fazenda. Muitos artigos desta seção já enfatizaram a importância da correta higiene dos utensílios, equipamentos e instalações para a biossegurança do rebanho. O correto uso dos desinfetantes é uma das ferramentas para a biossegurança.

A seleção de um desinfetante deverá ser baseada no tipo de ação desejada (eliminação de bactérias, vírus, protozoários, etc.), no nível de irritação causada (segurança para as pessoas e para os animais), impacto no ambiente, impacto nos equipamentos utilizados (corrosivos) e no custo. Muitos fatores podem afetar a eficiência de um desinfetante, para isso, é importante observar os seguintes pontos:

- Tipo de microorganismo que deverá ser combatido (observe na Tabela 1 que existem diferentes tipos de desinfetantes).

- Nível de contaminação (isto irá influenciar o tempo necessário para a desinfecção e a quantidade necessária de produto).

- Quantidade de proteína presente no material (a proteína pode inativar alguns tipos de desinfetantes)
- Ação na presença de matéria orgânica.

- Concentração do produto.

- Tempo de contato e temperatura.

Tabela 1. Observe abaixo algumas definições.
 


O Hipoclorito e o Iodo são os desinfetantes mais utilizados no dia-a-dia dos rebanhos leiteiros. O Hipoclorito é capaz de eliminar vírus envelopados (ex: coronavírus, PI3, BVD) e não envelopados (ex: papilomavírus, rotavírus). Tem ainda ação efetiva contra fungos e bactérias. Os Hipocloritos corroem metais e destroem tecidos. A presença de matéria orgânica afeta seriamente, chegando a inativar sua ação. Apresenta baixa ação residual e baixo custo.

O Iodo é um germicida de ampla ação (bactericida, viricida, fungicida, afetando até esporos). Os Ionóforos podem ser formulados juntamente com sabões, resultando em produtos muito utilizados para limpeza cirúrgica. A ação do Iodo é também seriamente afetada com a presença de matéria orgânica. Podem ser utilizados em baixas concentrações para desinfetar objetos. Apresentam baixo custo, no entanto requerem aplicações freqüentes para a manutenção de sua ação.

A Clorexidina é um bom desinfetante, porém menos efetivo que o Iodo, Hipoclorito, Aldeídos, entre outros. É um produto que provoca pouca irritação aos tecidos e possui uma moderada ação na presença de matéria orgânica. O custo é baixo, mas necessita de aplicações freqüentes.

O Álcool é comumente utilizado como desinfetante tópico, mas não é efetivo contra esporos (de bactérias e fungos) e vírus não envelopados. Possui limitada ação na presença de matéria orgânica. O custo do álcool é mais alto, sendo limitante para usos gerais.

A Amônia Quaternária é um germicida de ampla ação, mas também não age sobre os esporos e sobre os vírus não envelopados. Sua ação é afetada com a presença de matéria orgânica e sabões. Por isso, a área onde a Amônia Quaternária será utilizada devera ser bem enxaguada. Apresenta baixa toxidade, baixo custo e é um bom desinfetante para superfícies.

Os Aldeídos são também germicidas de ampla ação. Os glutaraldeídos são bactericidas, viricidas, fungicidas, esporicidas e parasiticidas. São razoavelmente efetivos mesmo na presença de matéria orgânica. O formoldeído é um germicida muito potente, porém é altamente tóxico, devendo ser utilizado somente sobre orientação e em ambientes ventilados.

Tabela 2. Características de alguns importantes desinfetantes.

 


Em última análise, os desinfetantes são freqüentemente utilizados na rotina de um rebanho leiteiro. O uso vai desde a limpeza do material utilizado em partos difíceis, desinfecção do umbigo, higiene do material utilizado após a vacinação, higiene da ordenha, produtos para o pedilúvio, produtos para a desinfecção de caminhões que transportam animais à exposições, até a desinfecção dos carros que entram na propriedade (este último exemplo, nos casos de surtos de doenças infecciosas).

Fonte:

Gardner, J.F. Antiseptics and Disinfectants. 1993.

McCluggage, Dave. A practical guide to disinfectants. 1991.

RENATA DE OLIVEIRA SOUZA DIAS

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ADELINO RENUNCIO

FLORIANÓPOLIS - SANTA CATARINA - INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS

EM 23/08/2008

Como médico veterinário, Msc em Ciencia dos Alimentos, ministro muitos treinamentos de manipuladores de alimentos e sempre alerto para a prévia higienização do objeto a ser desinfetado. Lavar utensilios e até as mãos, é uma atividade que pouca gente realiza corretamente. O tempo de exposição ao detergente quase nunca é respeitado. O povo pensa que detergente age como água benta.

É preciso dar tempo para que o mesmo manifeste sua ação descolando a sujidade. A ação mecânica de esfregar mãos ou utensilios é de importância capital.
Quero agradecer o trabalho de todas as pessoas que se dedicam a ensinar o bom uso dos desinfetantes, pois estamos protegendo o meio ambiente ao indicar o produto correto e a dose certa. Eliana, fiquei muito feliz em saber onde você está. Renata, prazer em conhece-la.
ELIANA CANSIAN

CHAPECÓ - SANTA CATARINA

EM 27/10/2007

Prezada Renata,

Apenas para contirbuir em seu artigo, ressalvo dois pontos:

1 - Para ocorrer a sanitização, que é a mesma coisa que higienização, e inclusive ocorre o uso incorreto da palavra, são realizadas duas etapas. A primeira é a limpeza, que tem como objetivo eliminar as sujidades, usando-se uma solução detergente e água (e em caso de superficíes inertes uso de abrasivo), após deve ser feito a sanificação ou desinfecção, através do uso de um desinfetante, conforme exposto em seu artigo, para redução de microrganismos ou mesmo sua eliminação. Antes de usar qualquer detergente ou sanificante é importante primeiramente conhcer a base dos resíduos geradores no processo em questão , isto é, proteínas, gorduras, etc, para depois escolher o produto mais eficiente;

2- Clorexidina é o desinfetante mais eficiente que há, isto já comprado, por vários artigos científicos, e verficando pela tabela que apresentou dá para observar que é um excelente bactercida, mais eficiente que o Iodo e o Hipoclorito. A Amônia Quaternária, ou melhor dizendo, Quaternário de Amônia, é mais eficiente para bolores e leveduras. E por fim o Álcool, que seria neste caso o de 70%, conhecido como álcool gel, é eficiente para mãos também compravado cientificamente.

Espero realmente ter contribuido para alguns esclarecimentos.

Obrigada.

Eliana Aparecida Cansian - M. Eng. de Alimentos
Consultora em Segurança Alimentar, professora universitária na Disciplina de Higiene e Legislação, e franqueada de uma empresa de Produtos Químicos para Higienização.

<b>Resposta da autora:</b>

Prezada Eliana,

Muito obrigada pelas suas informações. A abordagem de quem trabalha com o assunto é, sem dúvida, uma fonte segura e mais esclarecedora sobre o tema.

Com atenção,

Renata Souza Dias
ADRIANI SANTINNI

RECIFE - PERNAMBUCO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 24/10/2007

Dr. Renata.

Muito bem elaborada a matéria e é de pessoas como você que precisamos melhorar a qualidade não só do nosso rebanho como a nossa qualidade de vida.

Entretanto gostaria que na próxima matéria acrescente que existe produtos orgânicos no mercado que substitui em potencial duas vezes mais alguns biocidas e sanitizantes, é o caso especificamante do Dióxido de Cloro Estabilizado.

Se você puder, dê uma pesquisada sobre este produto e divulgue em qualquer comunidade do ramo e verá que não estou mentindo. Quero deixar claro que meu comentário é particular e não tenho o interesse de ofender, mas sim de esclarecer.

Um abraço.
Adriani Costa Santos
MilkPoint AgriPoint