FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Breve histórico de deficiências minerais nos rebanhos leiteiros

POR LIBOVIS - UFRRJ

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 10/09/2020

10 MIN DE LEITURA

1
6

A bovinocultura é uma atividade complexa que envolve um grande número de variáveis. Dentre as decisões a tomar, destacam-se aquelas ligadas à nutrição. A otimização da eficiência produtiva em rebanhos bovinos pode ser obtida mediante a adoção de um sistema de manejo nutricional adequado, o qual deve suprir a necessidade de energia, conter níveis adequados de proteína e atingir as necessidades básicas de vitaminas e minerais, além da propriedade manter boas fontes de água. Qualquer desequilíbrio nesse sentido pode levar a baixos índices de desempenho produtivo e aumento nos custos de produção.

Uma das mais importantes causas de baixo desempenho produtivo em ruminantes é a deficiência ou desequilíbrio de nutrientes minerais na dieta. Os problemas relacionados variam desde deficiências ou toxicidade aguda, caracterizada por sinais clínicos marcantes e alterações metabólicas evidentes, até condições amenas e transitórias, difíceis de serem diagnosticadas e que se expressam por estado geral insatisfatório, desenvolvimento e produção reduzidos, com importante impacto econômico na produção.

Os minerais considerados essenciais, isto é, aqueles para os quais já se conhece pelo menos uma função essencial à vida animal, são classificados em função das necessidades quantitativas dos animais em macrominerais e oligoelementos. Hoje já se conhece a essencialidade de mais de 60 minerais.

Os macrominerais aparecem em maiores proporções e sua concentração no corpo dos animais varia, em média, de 0,04 a 1,5%, sendo os mais conhecidos o cálcio (Ca), fósforo (P), potássio (K), cloro (Cl), sódio (Na), enxofre (S) e magnésio (Mg). Oligoelementos como ferro (Fe), zinco (Zn), cobalto (Co), iodo (I), manganês (Mn), cobre (Cu), molibidênio (Mo), flúor (F) e selênio (Se) estão presentes no organismo em concentrações que variam de 0,02 a 80 partes por milhão (mg/kg) e por esse motivo são denominados microelementos, oligoelementos ou elementos traço (UNDERWOOD, 1981).

Outros minerais, como arsênio (As), boro (B), chumbo (Pb), silício (Si) e vanádio (Va), são essenciais para uma ou mais espécies de animais, mas não há evidências de que tenham importância prática para bovinos (NICODEMO; LAURA, 2001).

Por outro lado, deve-se levar em consideração que todos os elementos minerais ditos essenciais à saúde e à vida são também tóxicos e podem causar danos aos animais quando ingeridos em doses elevadas ou ligeiramente acima das recomendadas (LOBÃO, 1975). As interações entre os minerais podem tanto auxiliar (sinergismo) como atrapalhar (antagonismo) o desempenho na saúde dos animais.

As doenças causadas por deficiências minerais ocorrem desde a antiguidade. Entretanto, em meados do século XX, havia apenas suposições de que os minerais eram essenciais à dieta. A essencialidade de alguns minerais somente foi comprovada após serem criados métodos para avaliar a presença destes nos tecidos animais, nos alimentos, e também quando foi possível medir a resposta dos animais a uma suplementação específica de cada mineral (UNDERWOOD, 1981).

Atualmente deficiências e desequilíbrios minerais em bovinos são descritas em quase todas as regiões do mundo (SUTLE, 2010). As deficiências podem ocorrer sob diversos graus, indo de severas com complicações mais ou menos graves até leves com sintomatologia não específica resultando em desenvolvimento lento, problemas de fertilidade, baixo rendimento de carcaça e pouca produção de leite.

Muitos animais consomem dietas que não correspondem as suas necessidades minerais, e os alimentos podem ser pobres ou ricos em determinados elementos ou conterem proporções desequilibradas entre si. As deficiências menos severas assumem grande importância em bovinos, pois ocorrem em extensas áreas, acometem um grande número de animais e podem ser confundidas com outras causas de baixo desempenho. Podem causar prejuízos econômicos sérios por reduzirem à produtividade dos animais e constituírem obstáculos a melhora dos rebanhos (TOKARNIA et al., 2010).

No Brasil, os primeiros estudos sobre deficiências minerais em bovinos se referem à deficiência de fósforo (P) no Estado de Minas Gerais. Gióvine (1943) fez o diagnóstico clínico da deficiência em bovinos, que foi complementado por Menicucci (1943) com dosagens de P em amostras de sangue. A deficiência de iodo (I), sob a forma do bócio congênito em bezerros, foi mencionada, pela primeira vez por Megale (1949), no oeste e sul de Minas Gerais.

A deficiência de cobalto (Co) foi diagnosticada inicialmente em São Paulo (CORREA, 1955, 1957). Crendices nas regiões Norte e Nordeste do Brasil, após estudos mais aprofundados, foram associadas a deficiências alimentares, possivelmente minerais (TOKARNIA; DÖBEREINER; CANELLA, 1959). A deficiência de cobre (Cu) foi identificada como causa de mau estado nutricional em bovinos no Estado do Piauí (TOKARNIA; CANELLA; DÖBEREINER, 1960) e, em ovinos, como responsável pela ataxia enzoótica (TOKARNIA et al., 1966).

Em seguida a esses trabalhos pioneiros, foram realizados numerosos estudos sobre deficiências minerais, ficando estabelecida desde os primeiros estudos que a deficiência de sódio e fósforo são, destacadamente, as mais importantes para bovinos no Brasil, pois, além de serem amplamente carentes em todo o território, o fósforo é um mineral de custos elevados para suplementação. Observou-se que as deficiências de cobre e cobalto também ocorrem em amplas áreas e que a carência de iodo se limita a algumas poucas regiões, normalmente, distantes do litoral. Secundariamente à deficiência de fósforo foi diagnosticado o botulismo epizoótico (TOKARNIA et al., 1970), que provocou e, ainda provoca, consideráveis prejuízos para a pecuária.

Deficiências minerais, comuns em outros países, como as de zinco, manganês e selênio, bem como as de sódio e magnésio, também foram diagnosticadas em algumas regiões do Brasil sob condições específicas (TOKARNIA et al., 2010).

Deficiências de um ou mais elementos na dieta começam a ser suspeitas quando o desempenho produtivo e/ou reprodutivo do rebanho mostra-se abaixo do esperado. Um diagnóstico inicial pode ser feito utilizando o conhecimento da idade e categoria dos animais afetados, sintomatologia, tipo de solo e pastagem, análise das fontes de água, clima, época do ano, manejo e disponibilidade de alimentos entre outros.

A subnutrição proteica e energética é geralmente aceita como um dos mais importantes fatores limitantes da produção em bovinos sob pastejo, devido a sazonalidade influenciando nas pastagens, mas doenças caquetizantes, perda e despigmentação de pelos, anemia, perda de apetite, baixa fertilidade e apetite depravado, entre outros, são sinais relacionados a deficiências minerais (CONRAD, 1984).

Para o diagnóstico de deficiências minerais como em qualquer outro problema, deve-se considerar que é necessário o estudo de suas diversas manifestações e que se explore o problema sobre diversos ângulos para tirar as conclusões do conjunto de dados obtidos. Muito importante num primeiro momento é o exame do rebanho. Na maioria das deficiências o histórico, o exame clínico a realização de necropsias e estudos histopatológicos podem ajudar consideravelmente no estabelecimento do diagnóstico. Assim, a osteofagia, aliada ao raquitismo, osteomalácia e baixos índices reprodutivos podem indicar a deficiência de fósforo; a presença de bócio endêmico em bezerros indica deficiência de iodo; um histórico de animais que só sobrevivem se mudarem de pastos associado à perda de apetite e/ou perversão com anemia e emagrecimento progressivos são indicativos de deficiência de cobalto e hemossiderose acentuada em órgãos associada à anemia e descoloração de pelagens indicam deficiência de cobre (TOKARNIA, DÖBEREINER E MORAES, 1987).

Análises de componentes minerais no solo e nas pastagens também podem ser feitos. Contudo demandam elevados recursos humanos e materiais, são de difícil execução e os resultados não são de fácil interpretação. Segundo Underwood (1981), em amostras de pastagens, os valores de alguns elementos devem ser confrontados com os de outros minerais da mesma amostra, que podem produzir sinergismo ou antagonismo entre si. Além disso, em muitas regiões, a coleta da amostra representativa de forragem, ou seja, daquilo que os animais ingerem, muitas vezes é impossível. Há ainda que considerar as variações dos teores dos elementos nas amostras da mesma pastagem nas diferentes épocas do ano, pois há grande diferenças entre as estações chuvosas e secas. A interpretação dos resultados das análises do solo torna-se ainda mais difícil em relação à maioria dos elementos, visto que, além de interferências, deve ser considerado que nem todo o mineral existente no solo é assimilado pela planta e, por fim, pelo animal.

Após descartar outras causas que contribuem para os mesmos problemas, como doenças infecciosas, crônicas e parasitismos, o diagnóstico definitivo das deficiências minerais de um rebanho, fazenda ou região deve contemplar além do histórico do rebanho, também a determinação da concentração dos minerais em amostras de tecidos (sangue, fígado e osso) e sempre que possível, é recomendável, com o auxílio de um profissional, a confirmação por diagnóstico experimental, fazendo uma avaliação da resposta à suplementação do mineral(is) suspeito(s) como deficiente(s) (TOKARNIA et al., 2010).

O diagnóstico experimental consiste na administração do mineral que se suspeita deficiente em um grupo de animais mantido em pastagem suspeita de ser carente, em comparação a um grupo nas mesmas condições mantido como controle. O principal parâmetro para avaliação é a variação do peso durante a experimentação. Outros parâmetros, como o índice de fertilidade, podem também ser avaliados. Embora a experimentação seja um excelente meio de diagnóstico no estudo das deficiências minerais, fatores como custo, viabilidade e tempo devem ser levados em consideração.

Uma vez estabelecido o diagnóstico de deficiências minerais num rebanho ou numa região se faz necessário à adoção de medidas que visam tratar ou prevenir a sintomatologia da deficiência. Adubação do solo com os elementos deficientes ou a administração dos minerais deficientes, por via oral misturado ou não ao sal comum ou em condições especiais na água e ou por via parenteral são medidas possíveis segundo (TOKARNIA, DÖBEREINER E PEIXOTO, 2000).

O manejo geral com ênfase para a nutrição, principalmente a suplementação mineral adequada, considerada a base para a produção mais rentável, deve ser efetuado de maneira correta nas propriedades com o intuito de melhorar o desempenho da produção.

Referências

CONRAD, J.H. Administração racional de suplementos minerais em nível de fazenda. In: Simpósio sobre Nutrição Mineral, 1, 1984, São Paulo, BR. Anais... São Paulo: EDUSP, 1984. p.57-67.

CORRÊA, R. Carência de cobalto em bovinos no Estado de São Paulo. Revista Brasileira de Biologia, v.15, p.309-313, 1955.

CORRÊA, R. Carência de cobalto em bovinos. Arquivos do Instituto Biológico, v. 24, p.199-227, São Paulo, 1957.

GIÓVINE, N. 1943. Estudo clínico da deficiência de fósforo nos bovinos de Minas Gerais. In: TOKARNIA, C.H.; DÖBEREINER, J.; PEIXOTO, P.V. Deficiências minerais em animais de fazenda, principalmente bovinos em regime de campo. Pesquisa Veterinária Brasileira, v.20,  n.3, p.127-138, 2000.

LOBÃO, A.O. Deficiências minerais em bovinos. Jornal “O Estado de São Paulo”- SÃO PAULO/SP – Suplemento Agrícola 1073, em 21/12/1975, página 11. Inserido em 07/10/2008. Disponível em http://www.cesaho.com.br/biblioteca_virtual/index.aspx. Último acesso em: 06 de dezembro de 2010.

MEGALE, F. 1949. Contribuição ao estudo do bócio congênito nos bezerros no Estado de Minas Gerais. In: TOKARNIA, C.H.; DÖBEREINER, J.; PEIXOTO, P.V. Deficiências minerais em animais de fazenda, principalmente bovinos em regime de campo. Pesquisa Veterinária Brasileira, v.20, n.3, p.127-138, 2000.

MENICUCCI, L.S. 1943. Carência de fósforo e cálcio nos bovinos. In: TOKARNIA, C.H.; DÖBEREINER, J.; PEIXOTO, P.V. Deficiências minerais em animais de fazenda, principalmente bovinos em regime de campo. Pesquisa Veterinária Brasileira, v.20, n.3, p.127-138, 2000.

NICODEMO, M.L.F.; LAURA, V.A. Elementos minerais em forrageiras: forma química, distribuição e biodisponibilidade. Campo Grande: Embrapa Gado de Corte, Documentos, 115, 2001. 39 p. Disponível em: http://www.cnpgc.embrapa.br/publicacoes/doc/doc115/. Último acesso em: 02 de dezembro de 2010.

SUTTLE, N.F. Mineral nutrition of livestock. 4 ed. Oxfordshire: CABI. 2010.600p.

TOKARNIA, C.H.; CANELLA, C.F.C.; DÖBEREINER, J. Deficiência de cobre em bovinos no delta do Rio Parnaíba, nos Estados do Piauí e Maranhão. Arquivos do Instituto Biológico Animal, Rio de Janeiro, v.3, p.25-37, 1960.

TOKARNIA, C.H.; DÖBEREINER, J.; CANELLA, C.F. C. Sobre o mal dos chifres em gado no nordeste e norte do Brasil. Arquivos Instituto Biológico Animal, v.2, 1959.

TOKARNIA, C.H.; DÖBEREINER, J.; CANELLA, C.F.C.; GUIMARÃES, J.A. Ataxia enzoótica em cordeiros na costa do Piauí. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.1, p.357-382, 1966.

TOKARNIA, C.H.; DÖBEREINER, J.; MORAES, S.S. Diagnóstico de deficiência mineral em bovinos em regime de campo. Pesquisa Veterinária Brasileira, v.7, n.4, p.7-9, 1987.

TOKARNIA, C.H.; DÖBEREINER, J.; PEIXOTO, P.V. Deficiências minerais em animais de fazenda, principalmente bovinos em regime de campo. Pesquisa Veterinária Brasileira, v.20, n.3, 2000.

TOKARNIA, C.H.; LANGENEGGER, J.; LANGENEGGER, C.H.; CARVALHO, E.V. Botulismo em bovinos no Piauí, Brasil. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.5, p.465-472, 1970.

TOKARNIA, C.H.; PEIXOTO, P.V.; BARBOSA, J.D.; BRITO, M.F.; DÖBEREINER, J. Deficiências Minerais em Animais de Produção. 1 ed. Rio de Janeiro: Helianthus, 2010. 320 p.

UNDERWOOD, E. The Mineral Nutrition of Livestock. 2 ed. England: Commonwealth Agricultural Bureaux, Farnham Royal, 1981.

LIBOVIS - UFRRJ

A Liga de Bovinos, LiBovis, é um grupo de estudos constituído por alunos de graduação em Medicina Veterinária e áreas afins da UFRRJ. Tem como objetivos estudar, compreender e defender os interesses da bovinocultura contribuindo para sua valorização.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CLEIDIMAR BATISTA DE PAULA

GOIÂNIA - GOIÁS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 11/09/2020

Parabéns aos alunos pelo brilhante texto e pela iniciativa de criar o LIBOVIS. Muito louvável a propagação do conhecimento.
MilkPoint AgriPoint