ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Atenção: não esqueça a Tricomonose Bovina!

POR RENATA DE OLIVEIRA SOUZA DIAS

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 22/08/2002

3 MIN DE LEITURA

3
0

Na ultima década, com o crescente uso da inseminação artificial a tricomonose tornou-se uma doença cada vez menos enfatizada na pecuária de leite. Entretanto, não se pode esquecer que muitos rebanhos, que utilizam a inseminação artificial, possuem ainda um touro para repasse das fêmeas repetidoras de cio, e que também existem rebanhos que compram tourinhos de fazendas produtoras de genética e os utilizam como reprodutores do rebanho. Rebanhos tais como os citados anteriormente, não podem negligenciar o controle desta importante doença que compromete sobremaneira os índices reprodutivos e a lucratividade do rebanho.

A tricomonose bovina está presente em muitas propriedades com problemas de infertilidade. É uma doença venérea causada pelo protozoário Tritrichomonas foetus (figura 1). As perdas causadas pela doença envolvem morte embrionária, infertilidade temporária e aumento do intervalo entre partos. Além disso, podem também ocorrer perdas decorrentes de aborto e piometra, causando um profundo impacto na lucratividade. A tricomonose é uma doença que afeta rebanhos em todo o mundo. A execução de um programa para o controle e prevenção da tricomonose requer o conhecimento da patogenia, dos sinais clínicos e dos métodos de diagnóstico da doença.
 

 


A tricomonose pode ser transmitida do touro infectado para a vaca susceptível ou da vaca infectada para o touro susceptível durante a cobertura. Nos machos a T. Faetus é encontrada no pênis e na membrana prepucial, na maioria das vezes o touro infectado não apresenta sintomas. Touros mais velhos infectados tornam-se portadores permanentes. Trabalhos de pesquisa já comprovaram que é possível encontrar touros novos, que realizaram poucas coberturas, já com cultura positiva para o T. Faetus.

Na fêmea o T. Faetus coloniza a vagina, o útero e o oviduto, mas o protozoário não impede a concepção. Cerca de 2 a 5% das vacas infectadas apresentam piometra ou uma infecção crônica no útero. A resposta inflamatória do útero ao organismo invasor ocorre dentro de 6 a 8 semanas e muitas vezes é responsável pela morte embrionária. As vacas infectadas mantêm o parasita durante muitos ciclos após a infecção ou após a perda da gestação. Em média, as vacas permanecem infectadas durante 6 meses. Todavia, esta é uma doença autolimitante, sendo o T. Faetus eliminado do trato reprodutivo após alguns meses devido a uma resposta imune específica induzida pela infecção. No entanto, esta imunidade não é permanente, estando a vaca susceptível a uma nova infecção na próxima lactação. Existem ainda vacas portadoras permanentes, nas quais ocorre aparentemente uma falha no mecanismo imune; estes animais continuam infectados durante toda a gestação e no período após o parto, mantendo assim a doença no rebanho.

Estratégias de manejo que procuram manter as vacas infectadas em repouso sexual não são suficientes para controlar a doença. As vacas portadoras permanentes representam um entrave no controle da doença, e explicam, em parte, o fato da permanência da doença no rebanho quando todas as medidas de controle são concentradas na eliminação dos touros portadores. Vacas infectadas podem apresentar vaginite e endometrite com descarga mucopurulenta; todavia, o sinal mais comum decorrente da tricomonose é a perda embrionária.

Como nenhum sinal clínico consistente e determinante pode ser observado nos touros e nas vacas infectadas, os veterinários devem sempre recorrer aos exames laboratoriais. Nas vacas infectadas a secreção uterina contém o T. Faetus; amostras do muco cervical devem ser enviadas para cultura. Nos touros o parasita localiza-se no fluido prepucial.(veja na figura 2 como deve ser retirada uma amostra do fluido). A confiabilidade dos exames irá depender da adequada coleta e envio do material.

Para evitar um resultado falso-negativo, os touros devem permanecer em repouso sexual durante uma semana antes da coleta da amostra. Além disso, é necessário a realização de três testes negativos para confirmar que o touro não está infectado com o T. Faetus.

 

 



Medidas práticas de controle:

- Substitua touros velhos por touros novos e mantenha a média de idade dos touros a menor possível;
- Faça exames laboratoriais de todos os touros que iniciem a cobertura, independente da idade;
- Se possível, utilize apenas inseminação artificial;
- Controle as demais doenças associadas à reprodução, tais como a Leptospirose, BVD, IBR e Campilobacter.

RENATA DE OLIVEIRA SOUZA DIAS

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ALINE MENDES LUCIANO

CAÇADOR - SANTA CATARINA - MÉDICO VETERINÁRIO

EM 07/07/2020

Se a vaca tem essa doença e está prenha qual o antibiótico de eleição que não cause aborto?
FELCIO MANOEL ARAUJO

CARIACICA - ESPÍRITO SANTO - ESTUDANTE

EM 26/05/2017

a materia foi de exelente aprendizado,mais deveria ser relatado qual é a vacina da profilaxia da Triconomose?

obrigado !!
GUIDO FONTGALLAND COELHO LINHARES

OUTRO - GOIÁS - PESQUISA/ENSINO

EM 10/04/2003

O nome científico correto para o agente etiológico da Tricomonose Bovina é Tritrichomonas foetus, não Tritrichomonas faetus como consta no artigo intitulado "Atenção!: não se esqueça a Tricomonose Bovina", de 22/8/2002 neste site.

<b>Resposta:</b>

O leitor tem razão; o texto já foi corrigido, obrigado.
MilkPoint AgriPoint