Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Radar Técnico > Pastagens

Sistemas de pastejo rotacionado. 1. Divisão da área.

Por Marco A. A. Balsalobre e Patricia Menezes Santos
postado em 23/03/2004

2 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

No pastejo rotacionado, as áreas são divididas em piquetes que são submetidos a períodos alternados de pastejo e descanso. A grande vantagem deste método de pastejo é proporcionar um maior controle sobre o pasto. Ele permite definir quando e por quanto tempo as plantas estarão sujeitas à desfolha, os pastejos tendem a ser mais uniformes e a eficiência de pastejo mais elevada.

A montagem de um sistema de pastejo rotacionado pode ser feita aproveitando-se apenas as divisões já existentes ou redividindo-se os pastos. No primeiro caso, deve-se começar reduzindo o número de lotes de pastejo da propriedade. Por exemplo, em uma fazenda com 6 divisões de 50 ha, onde cada uma é ocupada continuamente por lotes de 50 animais, o pastejo rotacionado deve ser iniciado reunindo-se os 300 animais em um só pasto, enquanto os outros ficam vedados. Após pastejar a primeira área, todo o lote deve ser transferido para a segunda, e assim sucessivamente, até retornar à primeira.

Apesar de ser uma medida simples e barata, geralmente há muita resistência à sua adoção devido à uma série de tabus que precisam ser quebrados. Por exemplo, o pecuarista acredita que se misturar os lotes de pastejo haverá competição entre os animais, o que irá reduzir seu desempenho. No entanto, para que os animais tenham um bom desempenho o mais importante é que a oferta de forragem esteja em níveis adequados.

Tendo a oferta de forragem em níveis adequados, deve-se tomar cuidado com o espaço de cocho de sal disponível por animal e também o espaço no bebedouro. É comum observar implantação de sistemas de pastejo rotacionado onde esses cuidados não foram observados, os animais reduzem o desempenho devido ao baixo consumo de sal e à competição por água, que nesse caso não é só em relação à quantidade, mas sim, também, devido à qualidade da água. Outro aspecto geralmente negligenciado na implantação dos sistemas de pastejo rotacionado é quanto ao manejo de animais no curral, corredor e até mesmo na porteira de entrada e saída dos piquetes. Esses espaços devem ser adequados ao tamanho dos lotes. O bom manejo dos funcionários que lidam com os animais reduzem o efeito negativo de instalações (porteira, corredor e curral).

O tamanho dos lotes vai depender muito do manejo na propriedade. Os lotes podem ser formados por até 1.000 cabeças, ou mais, entretanto, um tamanho que tem sido comum e com bom resultado é entre 400 e 600 animais. Vacas com bezerros, geralmente, devem ser manejadas em lotes menores.

No caso de se redividir as áreas, o primeiro passo deve ser definir os locais onde serão implantados os sistemas de pastejo rotacionado e as áreas de descanso. Em seguida, deve-se determinar o número de piquetes necessário e fazer as divisões. O número de piquetes depende do período de descanso e do período de ocupação indicados para a forrageira que se está trabalhando, deve ser calculado de acordo com a seguinte equação:

Número de piquetes = (período de descanso / período de ocupação) + 1

Sendo assim, quanto menor o período de ocupação para um mesmo período de descanso maior será a necessidade de número de piquetes (Tabela 1).

Tabela 1- Necessidade de piquetes para cada período de descanso e para cada período de ocupação.


Quanto maior a taxa de crescimento da planta forrageira (ex: área adubada), menor deve ser o período de ocupação. Da mesma forma, menor deve ser o período de ocupação para plantas de hábito cespitoso (Colonião, Tanzânia, etc.) e para plantas de ciclo precoce (Humidícola, etc.). Por outro lado, piquetes formados com forrageiras de hábito de crescimento prostrado (Braquiarão, Decumbens, Estrela, etc.) e sem adubação nitrogenada, podem ser ocupados por mais tempo. Entretanto, deve-se ter o conceito de que quanto menor o período de ocupação maior será a eficiência do pastejo e, portanto, maior será a lotação animal.

No primeiro pastejo, deve-se entrar nos piquetes antes do período de descanso estabelecido e fazer pastejos leves. Assim, evita-se que os últimos piquetes fiquem muito passados. Outra alternativa é de se colocar um número menor de animais e ir aumentando conforme a necessidade.

Saiba mais sobre os autores desse conteúdo

Patricia Menezes Santos    São Carlos - São Paulo

Pesquisa/ensino

Avalie esse conteúdo: (3 estrelas)

Comentários

Alexandre v moraes

Moji-Mirim - São Paulo - Consultoria/extensão
postado em 12/11/2008

Boa tarde,
Caros colegas, gostaria de saber se há algum conceito sobre metragem calculada por animal para pastejo rotacionado. Ex 8 m2/animal, para se dimensionar as areas dos piquetes.
Obrigado

Luiz Rodrigues Costa

Cuiabá - Mato Grosso - Instituições governamentais
postado em 20/06/2009

Como deve ser a área de descanso e o tamanho da mesma, no sistema de pastejo rotacionado?

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2014 AgriPoint Consultoria Ltda. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade