Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Cadeia do leite > Giro Lácteo

Conseleite - PR: nova metodologia passará a vigorar a partir de junho de 2012

postado em 03/05/2012

16 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O Conseleite-PR foi constituído em 29 de outubro de 2002, com o objetivo de dar transparência ao setor agroindustrial do leite, divulgando preços de referência para a matéria-prima de acordo com a comercialização dos produtos lácteos industriais no atacado. Com a Instrução Normativa nº 62 (IN 62), houve a necessidade de adequação da metodologia do Conseleite-PR à nova instrução e será promovido a partir de junho próximo uma nova alteração no padrão do leite comercializado no Estado. "Quando há necessidade de alguma alteração em função de mudanças ocorridas no padrão de comercialização vigente, nova revisão é solicitada à Câmara Técnica do Conseleite", diz o superintentendente do SENAR-PR e vice-presidente do Conseleite- PR, Ronei Volpi.

"A mudança na metodologia ocorrerá para que haja adaptação do Leite Padrão à IN 62 e manter o Conseleite-PR em conformidade com a legislação vigente. Outro motivo, seria a ponderação do setor industrial quanto a dificuldade de levar adiante um programa de pagamento diferenciado por qualidade do leite, em função de ter-se fortalecido no campo o hábito de negociação de preço conforme o Maior Valor de Referência. Este hábito, fortalecido pela capacidade ociosa das indústrias, estava premiando o leite de baixa qualidade e penalizando o de boa qualidade, impedindo que se cumprisse uma premissa básica do Conseleite - que é valorizar o leite conforme sua qualidade", diz Ronei.

Buscando uma solução, os professores da Universidade Federal do Paraná coordenaram um processo minucioso e demorado de discussões na Câmara Técnica, no qual um elenco de propostas foram sugeridas e analisadas, até se chegar à conclusão que poderia ser mudado o padrão de divulgação dos valores de referência para a matéria-prima leite nas resoluções mensais, sem perder as referências básicas do Conseleite.

Os novos parâmetros passarão a ser utilizados a partir de junho de 2012, trazendo as seguintes mudanças:

1) O leite padrão será substituído por outro leite denominado Leite Conseleite IN 62, que tem as características de qualidade definidas pela Instrução Normativa 62 e será o novo valor base do Conseleite Paraná.

2) Nas resoluções dos meses de abril e maio, além dos 3 Valores de Referência habituais, foi acrescentado o Valor Referência do Leite Conseleite IN 62.

3) A partir do mês de junho, será divulgado apenas o Valor Referência do Leite Conseleite IN 62.

Com tais alterações o Conseleite-PR passará a precificar apenas os parâmetros de qualidade, sendo que a valorização para volume, além de outros itens como fidelidade, capacidade de armazenagem, etc, serão de livre negociação entre produtores e indústrias.

O quadro abaixo mostra as diferenças entre o Leite Padrão definido pela Câmara Técnica à época da implantação do Conseleite-PR e o Leite Conseleite IN 62:



Confira abaixo como ficarão as pontuações para ágios e deságios a partir do padrão Leite Conseleite IN 62:



"Um simulador de preços já está disponível e pode ser acessado no site www.sistemafaep.org.br/conseleite. O simulador permite ao produtor inserir os dados de qualidade da análise recebida do laboratório (células somáticas, unidades formadoras de colônias, gordura e proteína) e calcular o preço referência do leite", explica a engenheira agronôma, técnica do DTE-FAEP e secretária-executiva do Conseleite Maria Silvia Digiovani.

Ronei esclarece que o setor industrial assumiu oficialmente o compromisso de cumprir os seguintes aspectos em prol da manutenção da harmonia dos setores, da transparência e credibilidade do Conseleite: acordo de disponibilização do simulador de preços; acesso direto dos produtores aos resultados das análises laboratoriais; compromisso formal para implantação de sistemas de pagamento por qualidade e prazo de 60 dias de adaptação até a divulgação de um único Valor de Referência.

Aos produtores compete a responsabilidade de trabalhar continuamente para a melhoria da qualidade do leite, participando dos treinamentos e capacitação que são disponibilizados por instituições como o SENAR-PR, contribuindo para o aumento da qualidade dos produtos lácteos.

A matéria é da Equipe MilkPoint, com informações do Conseleite-PR.

Avalie esse conteúdo: (3 estrelas)

Comentários

Marcelo Vasconcelos Santana

Santa Fé do Sul - São Paulo - Indústria de laticínios
postado em 03/05/2012

Parabéns ao Estado do Paraná, pois com instituições sérias sai na frente de Estados tradicionais, direcionando e incentivando a produção do leite com qualidade.

André Gonçalves Andrade

Rolim de Moura - Rondônia - Indústria de laticínios
postado em 03/05/2012

Parabéns pela iniciativa.

Porém, há uma falha na proposta.

Penso que o conseleite não pode precificar leite fora dos padrões mínimos estabelecidos pela legislação. Aliás, pela legislação o "leite" que não apresenta os teores mínimos das tabelas I e II dos anexos da IN62, não poderia nem ser chamado de leite.

Então como precificar o leite que não poderia estar sendo recebido pelas indústrias?

Acreditamos que o maior deságio seria os padrões mínimos de qualidade da IN62. E os valores padrão para um leite mediano. Tendo como maior preço o leite de qualidade superior.

Miguel Andrade Domingues Neto

Extrema - Minas Gerais - Indústria de insumos para laticínios
postado em 04/05/2012

Acho muito bom essa iniciativa do conseleite- PR,  pois so assim teremos um leite de qualidade, fazendo com quem realmente quer tirar leite de qualidade fique por cima dos produtores que nao querem saber de qualidade, sendo assim esses sao obrigados a sairem do mercado ou se adequarem dentro de um novo regime, Minas precisaria ter um Conselho deste tipo para que todas as classes pudessem crescer produtor e industria, fica aqui meu apelo aos laticinistas de MG para nos unirmos e montarmos uma comissao tecnica igual ao Conseleite aqui em MG pois ta faltanto isso aqui principalmente no Sul de Minas Gerais.


Paulo Fernando Andrade Correa da Silva

São José dos Campos - São Paulo - Produção de leite (de vaca)
postado em 04/05/2012

Estas tabelas ficaram tanto tempo desatualizadas e agora vem com este trabalho, pelo menos , deficiente. Desculpem a sinceridade, mas vejam só um exemplo:ágio de 4% para cbt de 50000 é premiar leite sujo.

4% para ccs abaixo de 50000 é improvável. A dificuldade para se baixar ccs e cbt é completamente diferente. Portanto, estas duas características do leite não poderiam ter ágios e deságios iguais.

Proteina de 3,5 e gordura de 4,5????????? Valores altos demais, além do real.

Valores de referencia baixíssimos. Tenho minhas dúvidas se ajudam em alguma coisa.

Daniel Catuta de Rezende Ferreira

Frutal - Minas Gerais - Produção de leite (de vaca)
postado em 08/05/2012

Paulo concordo plenamente com você, os valores estão fora da realidade. Os parâmetros diferentes devem exigirem valores diferentes.

CBT < 25.000

CCS < 300.000

Prot. > 3,2

Gord. > 4,0

acredito que já seriam valores mais reais para um bonificação por qualidade.

Kélcio A. Salgado. Lemos

Cássia - Minas Gerais - Consultoria/extensão
postado em 09/05/2012

Para nós as mudanças devem ser utilizadas com cautela pois adotamos o conseleite Paraná como referência para pagamento do leite.

a bonificação de 4% para CBT é viável pois com referência a In 62, quer chegar a 100.000.em 4 anos.

Já a CCS 50.000 é inviável, pois esse valor significa baixa resistencia dos animais . Não seria abaixo de 500.000.

A bonificação para gordura e proteina não existiria valores intermediários para a bonificação, pois desta forma seria como lingua de formiga, a gente sabe que existe mas nunca vê.

romilda morello

Matelândia - Paraná - Produção de leite (de vaca)
postado em 04/06/2012

voces acham que fazendo uma vez por mes a CCS e a CBT vai resover para a qualidade do leite?

depois que o leite ta nas plataformas do laticinio nao importa mais nada, mais uma vez quem vai sair perdendo vai ser o produtor porque ate agora sabia mais ou menos o valor do leite.

e agora vai esperar pela boa vontade do laticinio pra mandar o resultado dos analises.

Leandro

Planalto - Paraná - Produção de leite (de vaca)
postado em 08/06/2012

É fácil acusar o produtor de ser culpado por qualidade deficiente, pois é uma classe desorganizada, o problema é a industria (os laticinios) que não olham nada a não ser dinheiro, quando ficam com pouco leite e tem mercado para bastante produto saem loucos da vida ofereçendo altos valores por qualquer tipo de leite. Por que não mantem seus produtores com respeito por quem produz o ano inteiro? quando passa a maré, que ficam com mercado restrito começam a sacanear o produtor pra baixar custo ou seja preço do leite, forçando assim o produtor a migrar para aqueles que tem mais mercado aberto. Preço de leite é oferta e procura senhores, o conseleite como tava ficava mais fácil. Tem é que bloquear leite do mercosul pra que possa haver equilibrio na produção, tem que dar um jeito em produtor que tem meses que produz quase nada de repente apareçe com um rio de leite na industria, os tais produtores de leite a pasto e os safristas. Instituição do sistema de cotas URGENTE, laboratórios de confiança urgente. Por fim digo: ficar inventando frescura mexendo na tabela do conseleite só piora senhores. QUANDO CAI A CAPTAÇÃO DAS INDUSTRIAS, SAEM PAGANDO ALTO PADRÃO ATÉ POR LEITE DE BAIXA QUALIDADE, não é o produtor o culpado, mas sim a industria que não faz dever de casa.

Kélcio A. Salgado. Lemos

Cássia - Minas Gerais - Consultoria/extensão
postado em 12/06/2012

Caro Leandro:

   Você está coberto de razão. É isto que acontece, e nós dirigentes de cooperativas que trabalhamos na educação e valorização do produtor e da produção agropecuária ficamos sem ação mesmo sabendo que a qualidade é a garantia de mercado e valor.

   Toda vez que aplicamos algum redutor para o leite de baixa qualidade sempre aparece alguém para levar o produtor dizendo que o leite dele é muito bom. principalmente se ele tiver volume e logística. Com esta política a cooperativa acaba ficando  com o leite de pior, qualidade, pior de logística de captação ou ambos.

  Acordamos tarde quando já havíamos perdido boa parte dos bons produtores que fazem diferença nos custos de captação do leite.

   Como a qualidade não é uma conta de 2+2=4, não adianta pagar e receber leite de boa qualidade se ele vai passar pela mesma mangueira que o leite pior, vai ser armazenado no mesmo balão de armazenagem ou vai ser misturado no ato da industrialização. É muita energia gasta para não agregar nada no final. A qualidade do leite tem que melhorar como um todo. Não adianta pagar qualidade e misturar o leite.

Por isso a qualidade de leite  no Brasil só vai acontecer quando a industria quiser, porém é muito mais fácil pois temos muito menos industrias que produtores.

Fabio Borges Camargo

Cianorte - Paraná - Produção de leite (de vaca)
postado em 22/06/2012

As mudanças aparentemente deve servir muito bem aos compradores do leite, pois terão a munição necessária para pagar o que quiserem.

O produtor que pelo menos tinha um parâmetro do valor a receber, agora esta totalmente  a mercê das definições dos parametros  de qualidade que será definido por quem?

Sr. Ronei o argumento de que o habito de se ter o preço do conseleite por base e todos produtores quererem o preço maior não é valido. Essas mudanças então servem para municiar os laticínios a não se constrangerem diante dos produtores quando esses quiserem pagar menos pela matéria prima, é simples é simplesmente diminuir os teores positivos e aumentar os negativos.

Os problemas quanto a qualidade continuarão na mesma.

Que tal um pouco de investimento por parte dos laticínios em uma assistência técnica junto ao produtor rural ?  

Ricardo Soares Coelho

Cascavel - Paraná - Consultoria/extensão
postado em 25/06/2012

Extranha-meu muito a nova legislação, sou M. Veterinário e meus clientes que recebiam entre 0,83 e 0,85 centavos por litro em Cascavel-PR terão uma redução de aproximadamente 10 centavos por litro de leite com a normativa-62, com uma qualidade média (ccs=300mil, 3,2-3,3 gord, 3,1-3,2 prot, nas holandesas).


No simulador do site do conseleite-PR o preço pago ao produtor seria de aprox. 0.7458, no entanto com todas bonificações o preço alcançado é inferior ao praticado anteriormente, SÓ QUEM PERDE É O PRODUTOR.


Na pratica já houve uma redução para maio em 6 centavos,  e para junho uma nova redução de 2 ou 3 cenetavos.


Acredito que a nova normativa só atenda os intereces dos laticinios como forma de reduzir a concorrencia (tabelando o preço pelo conseleite) e achatando o preço pago ao produtor.

renato hoffmann

Maringá - Paraná - Produção de leite (de vaca)
postado em 08/07/2012

ISSO É O FIM DA BASE DE PREÇO NO PARANÁ, ADEUS SOSSEGO, AGORA TUDO VAI SER DESCULPA PAR PAGAREM O QUE QUISEREM.

ADEUS CONSELEITE FOI BOM ENQUANTO DUROU.

Eliani pedroni

Planalto - Paraná - Produção de leite (de vaca)
postado em 08/07/2012

Quem garante que a coleta feita na minha casa sera a mesma que sera enviada para análise... Desta forma  continuamos  refens da honestidade dos donos dos láticinios. Quem vai se dar mal?
Adelar Sadi Johann Planalto Paraná produtor de leite.

renato hoffmann

Maringá - Paraná - Produção de leite (de vaca)
postado em 09/07/2012

O CONSELEITE ACABOU, O QUE MANDA É O PODER DE BARGANHA DE CADA PRODUTOR DAQUI PARA FRENTE.

A FALTA DE PREÇO LEITE ALTO PADRÃO, ACABA COM O PODER  DA COLETIVIDADE.

Jocemar Luiz Aguiar

Quedas do Iguaçu - Paraná - Produção de leite (de vaca)
postado em 26/07/2012

Jocemar Aguiar

Espigão alto do Iguaçu pr.

O que gostaria que os governantes adotasse para os pequenos produtores de leite, um preço mínimo razovél à R$ 1,00/ lt de leite com subisídio para a produção integrada, sendo assim o pequeno agricultor, que sustenta umas300 bocas ai das cidades seriam mais valorizados e assim poderiam investir mais no campo com novas tecnologias.

     Essa normativa 62 só favoresse os laticínios, deixando muitas dúvidas a respeito das análises, bem como manipulação de resultados para interferir nos preços, isto é reduzindo-os para baixo.

Adalberto Sanches Rodrigues

Santo Antônio do Caiuá - Paraná - Produção de leite (de vaca)
postado em 07/09/2012

Quem coleta o leite para análise é o laticínio , não ficamos nem com contraprova. Como podemos saber se a amostra é realmente representativa ? Sou produtor de leite Gersey, com ordenha canalizada .  O preço do meu leite atinge o limite máximo de ágio, ou seja R$0,78 e ainda desconta o FUNRURAL.  Não paga os custos de produção com o preço da ração na estratosfera. A nova sistemática de preços só veio para punir os produtores de leite de baixo padrão e para os que produzem o leite de qualidade não mudou nada.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário

Copyright © 2000 - 2014 AgriPoint Consultoria Ltda. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade