FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Quanto maior, melhor

POR VALTER BERTINI GALAN

PANORAMA DE MERCADO

EM 28/12/2018

2
5

Ainda que esta afirmação não seja exatamente uma novidade quando falamos no leite, a escala de produção na fazenda, ou o volume diário de leite comercializado, tem efeito significativo nos custos de produção e nos resultados da atividade leiteira no Brasil.

Do lado do custo, há vários itens fixos na atividade leiteira que são diluídos em volumes maiores de leite produzido e, portanto, custam menos por litro. O próprio valor de venda de alguns equipamentos carrega já um ganho de escala, como fica claro no gráfico 1, que apresenta diferentes capacidades de tanques de resfriamento de leite e o seu preço de venda aos produtores (apresentado em R$ por litro de leite de capacidade do equipamento).

Gráfico 1. Tanques de resfriamento de leite – Capacidades e preços de venda por litro de leite de capacidade (R$/litro de capacidade). 


Fonte: tabela de venda de empresa do setor

O efeito da escala de produção aparece mais claramente quando avaliamos os resultados de Custo Operacional Efetivo (COT - desembolsos + depreciações + pro labore do fazendeiro) e de Custo Total (COT + remuneração do capital investido + custo de oportunidade da terra). Para esta avaliação, usamos os dados de um grupo de 305 produtores de leite no estado do Rio Grande do Sul, atendidos e monitorados pela Transpondo (www.transpondo.com.br). No gráfico 2 aparecem os dados de Custo Total (CT) de produção das 305 fazendas e o volume diário de leite de cada uma delas.

Gráfico 2. Custo Total (CT) e volume diário de produção de 305 fazendas leiteiras no Rio Grande do Sul – 2017 (ano fechado). 


Fonte: elaborado pelo MilkPoint Mercado com base em dados cedidos pela Transpondo (www.transpondo.com.br) 

Na amostra de 305 propriedades leiteiras no Rio Grande do Sul, há uma relação bastante razoável (R2 = 0,66) entre o volume diário de produção de leite e o Custo Total – quanto maior o volume de leite, menor o custo. Na mesma direção, a lucratividade deste grupo de fazendas está bastante associada ao tamanho (volume) da produção; o gráfico 3 associa as duas variáveis:

Gráfico 3. Resultado Líquido do Exercício (REL) e volume diário de produção de 305 fazendas leiteiras no Rio Grande do Sul – 2017 (ano fechado).


Fonte: elaborado pelo MilkPoint Mercado com base em dados cedidos pela Transpondo (www.transpondo.com.br)

No gráfico 3, quanto maior o volume de produção, maior o retorno da atividade, com correlação de quase 0,80. Nele, vemos dois efeitos atuando em conjunto: a diluição do custo fixo por maiores volumes de produção e os preços mais elevados pagos aos maiores produtores de leite (bonificação por volume).

Sobre esta diferenciação de preços, que vem gerando vários comentários no artigo “Estamos sendo justos com os produtores pequenos?”, do Sávio Santiago, publicado recentemente no MilkPoint (para ler o artigo, clique aqui), ela vem aparecendo mensalmente, há mais de 2 anos, nos relatórios divulgados aos produtores participantes do MilkPoint Radar – veja, no gráfico 4, a parcial de preços pagos por faixa de produção agora no mês de dezembro/2018 pelo leite fornecido em novembro/2018, para os produtores participantes do MilkPoint Radar:

Gráfico 4. MilkPoint Radar – Preço líquido por faixa de produção (mês de pagamento). 


Fonte: relatório parcial do MilkPoint Radar, dez/2018

Assim, parafraseando o Sávio, se o mercado não é justo com o pequeno produtor de leite, via bonificações por volume no preço do leite, os ganhos em escala de produção reforçam a situação. Então, a alternativa para o pequeno produtor é crescer e diluir seus custos, com o cuidado de não “estacionar” na faixa dos médios produtores que, em minha humilde opinião, são aqueles que mais risco sofrem de sair do mercado. Mas, esta é conversa para um outro artigo...

VALTER BERTINI GALAN

MilkPoint Mercado

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

RODRIGO VARIZA

EM 08/01/2019

https://www.comprerural.com/a-cada-onze-minutos-um-produtor-de-leite-deixa-atividade/

"Aqui deve ser tudo produtor que desistiu da atividade que não sabe nem o que é gestão"
Penso que é triste ver notícias que produtor não sabe fazer gestão, é meio irônico isso. Aparece que o produtor tem que esquecer politicas públicas voltadas ao leite, os outros sim podem ter beneficios que vão além dessas políticas. Produtor precisa saber trabalhar custo baixo isso não tenho dúvidas, mas muitos acham que vem de graça as coisas, fertilizantes é de graça, horas máquina pra reformar pastagem é de graça, tudo isso deve cair do céu. Não morre nenhum animal , não precisa medicar, acham que só brigamos por preço do leite, não é bem assim temos muitas coisas que vão além disso . Um dia que o produtor parar de produzir vão começar a dar valor e correr atrás. Quanto maior melhor ? Se não formos valorizados isso vai cada vez mais na contramão.
VALTER BERTINI GALAN

SÃO PAULO - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA LATICÍNIOS

EM 09/01/2019

Olá Rodrigo,

Obrigado pela participação

O artigo busca mostrar que, apesar do cenário desafiador, há muitos produtores ganhando dinheiro com o leite e, de certa forma, este sucesso está associado a maiores volumes de produção, que ajudam a diluir custos fixos, melhoram o rendimento da mão-de-obra e, até mesmo, melhoram a competitividade na compra de equipamentos que, proporcionalmente, são mais baratos para produtores maiores.

Os desafios de variações de preços do leite, preços de insumos, horas máquina, etc. me parecem semelhantes para todos.

Abraço!

Valter