ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

O que temos no pós-greve?

POR VALTER BERTINI GALAN

PANORAMA DE MERCADO

EM 06/06/2018

7
6

A greve dos caminhoneiros trouxe e ainda tem trazido fortes efeitos na cadeia láctea brasileira. É possível perceber nesta primeira semana pós-greve:

Preços no atacado em alta

Apesar do aumento dos estoques de produtos na indústria (em função da interrupção da logística de vendas/entregas ao varejo), os preços dos derivados lácteos explodiram no atacado (preços de venda da indústria aos diferentes canais varejistas) e seguem subindo ao longo desta semana. O leite UHT chega próximo a R$ 3/litro e a muçarela, próxima aos R$ 20/kg. Este efeito (que já havia sido previsto e antecipado aos assinantes do MilkPoint Mercado, ainda durante a greve) vem da necessidade do “trade” (os diferentes canais de varejo) de recompor os seus estoques de produtos (que foram muito reduzidos em função da interrupção dos canais de abastecimento), além de atender à demanda normal de vendas – ou seja, as compras dos varejistas são, neste momento, bastante agressivas.

Difícil indicar até onde irá este efeito, mas é possível que um novo patamar de preços (mais elevado que o anterior) se estabeleça para as próximas semanas.

Oferta em baixa

Diferentes motivos (como o empobrecimento das dietas das vacas, a interrupção da sua curva normal de lactação e o difícil e demorado retorno às condições anteriores de produção) indicam que a produção de leite nas diferentes bacias leiteiras tenha uma substancial redução, em relação ao cenário anterior à greve. Ao mesmo tempo, a logística de importações (além da elevada taxa de câmbio) também reduz a “oferta” via importações.

Fretes em alta

Ainda em avaliação pelos diferentes setores da economia o impacto da nova tabela de preços de frete imposta pelo governo federal como parte do seu acordo com os caminhoneiros. No setor lácteo, a avaliação, ainda preliminar, de diferentes empresas é de aumentos substanciais, notadamente no T-2 (frete do leite fresco spot ou entre postos de resfriamento e fábricas ou entre fábricas) e no transporte de produtos finais (as principais bacias leiteiras do país estão a, pelo menos, 1.000 – 1.500 km de distância dos principais centros consumidores.

Neste cenário, os preços pagos aos produtores seguem subindo. O mais recente relatório do MilkPoint Radar (nosso aplicativo de mercado para produtores de leite) indica altas consecutivas nos valores pagos aos produtores nas diferentes bacias (observe o gráfico 1, que mostra as médias simples e ponderada pelo volume, para os últimos meses)

Gráfico 1. Preços do leite aos produtores – MilkPoint Radar. Fonte: MilkPoint Radar. 

Esta elevação de preços voltou a ser sentida no mercado do leite spot (negociado quinzenalmente entre empresas). Depois de algumas quinzenas de estabilidade, as negociações para a primeira quinzena de junho se arrastaram mais do que o normal no “pós- greve” e indicam retomada forte no spot, que também tenta “achar” nova referência de preços.

Importante observar a direção que tomará o mercado e os novos patamares de equilíbrio de preços. De qualquer forma, os efeitos da paralisação dos transportes parecem ainda não ter terminado.

VALTER BERTINI GALAN

Engenheiro agrônomo, mestre em Administração pela FEA/USP

7

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

VALDIR FERREIRA CAMPOS

BELÉM - PARÁ - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 25/06/2018

Acredito que o preço do leite neste momento está alto devido a efeitos da greve e que deverá ficar no mes de julho em entre 1,25 e 130 para o produtor. O consumo está muito baixo devido à queda de renda da população
VALTER BERTINI GALAN

SÃO PAULO - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA LATICÍNIOS

EM 25/06/2018

Olá Valdir,

Obrigado pelo comentário! Sem querer criar muitas expectativas (o ditado diz que "é melhor criar passarinhos do que expectativas"), o cenário é sim de subida de preços ao produtor. Quanto ao consumo, ele vinha em recuperação desde o final do ano passado, mas a deterioração da economia tende a ter freado (um pouco) esta recuperação .

Um abraço!

Valter
ADEMIR LUIZ TASSI

LONDRINA - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 07/06/2018

O leite está disparando para o consumidor (aqui em Londrina está R$ 3,09 na principal rede de mercado), mas excluindo o produtor, o reajuste está nos demais elos do mercado de lácteos. Os produtores mal conseguem cobrir os custos. Quando eu entregava o leite a R$0,78, no mercado achava em promoção leite a R$ 1,49....e hoje.... reflitam!!!
VALTER BERTINI GALAN

SÃO PAULO - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA LATICÍNIOS

EM 07/06/2018

Olá Ademir,

Nossa visão é de que, neste novo cenário de mercado, a alta de preços deve chegar até o preço pago ao produtor.

Abraço!

Valter
ZULMAR FALEIRO DE AMORIM

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 11/06/2018

Que isso Ademir , aqui em piracanjuba Goiás mês passado recebi o leite a R$1,08
FLAVIO SUGUIMOTO

GOIÂNIA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 07/06/2018

Valter, já tem números da captação pós greve?
VALTER BERTINI GALAN

SÃO PAULO - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA LATICÍNIOS

EM 07/06/2018

Olá Flávio!

Os números oficiais ainda não foram publicados, mas as informações de mercado são de que os volumes no pós-greve estão menores (cerca de 20% inferiores, segundo algumas empresas) do que no momento anterior à paralisação.

Grande abraço!

Valter