FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Momento das informações e expectativas no mercado lácteo

POR VALTER GALAN

PANORAMA DE MERCADO

EM 29/06/2017

2 MIN DE LEITURA

22
0
Esta época do ano é pródiga em informações e expectativas dissonantes na cadeia láctea brasileira. De um lado, há uma grande expectativa, por parte dos produtores, de uma subida nos preços pagos pelo leite, afinal estamos em plena entressafra do Sudeste e do Centro Oeste e apenas começando a safra dos estados do sul do país. Esta expectativa é reforçada pelo momento das informações do mercado: até que não se tenha o indicador de preços de junho, o mercado trabalha com a última informação disponível, que é de entressafra causando algum aumento de preços e expectativa de novas subidas.

Por outro lado, a indústria, “plugada” em negociações semanais que mostram preços em queda no atacado pelos seus principais produtos (principalmente o leite UHT, que teve pico de preços em abril e, desde então, vem caindo no atacado), quer, ao mesmo tempo, preservar volumes de compra de leite de produtores diretos e transferir aos fornecedores a baixa que vem tendo pelo seu produto há quase 2 meses.

Cria-se então um enorme desconforto entre indústrias e produtores: um está vendo o mercado subir, suportado pelo indicador de preços do mercado, que reflete um leite entregue no mês anterior. Para o outro, a realidade é bem diferente e os sinais são de claro enfraquecimento do mercado.

Este é um sério problema que ainda persiste na cadeia láctea brasileira: muitas vezes o fluxo e o “timing” das informações divulgadas são diferentes para os diferentes agentes. Este desalinho vem da própria estrutura de funcionamento do mercado: o leite fornecido durante o mês de maio (há quase 2 meses!) é pago durante o mês de junho (no início do mês para algumas empresas, mas no fim do mês para muitas delas). Em função deste prazo de pagamento (que pode chegar a quase “25 dias fora mês”, usando o linguajar do mercado), os indicadores de preço referentes ao leite fornecido no mês de maio só podem ser fechados e divulgados no final de junho/começo de julho. Está, portanto, estabelecida a confusão!

Neste ponto, é interessante observar o gráfico 1, que mostra a evolução dos preços do leite no mercado spot (média Brasil, segundo os dados apurados aqui pelo MilkPoint Mercado) e os preços brutos médios Brasil, divulgados pelo Cepea.

Gráfico 1. Preços de leite fresco médios Brasil – mercado spot e ao produtor.

Preços de leite fresco médios Brasil – mercado spot e ao produtor

Além de indicações interessantes como o fato do leite spot ter variações (para cima e para baixo!) muito mais fortes do que o leite ao produtor (quando baixa, o leite spot chega a ser mais barato do que o leite ao produtor, por mais estranho que isso possa parecer...!) e a constatação de que há uma correlação não desprezível entre estes preços ao longo do tempo, verifica-se que há um intervalo, de 1 a 2 meses, entre a queda no spot (que, via de regra, acontece antes) e o início da queda dos preços ao produtor.

Considerando que, segundo o levantamento do MilkPoint Mercado, o spot começou a cair na primeira quinzena de maio (há 4 quinzenas!), pode-se, então, considerar provável um início de recuo nos preços médios aos produtores no pagamento de junho (pelo leite fornecido em maio). Ou seja, a média Cepea de junho deve vir com uma baixa de preços ou, na melhor das hipóteses, com valores estáveis em relação a maio.

É claro que, como diz o ditado, “expectativa e time de futebol, cada um tem o seu”, mas é importante entender as informações do mercado e, principalmente, o seu “timing”. Certamente ajudará nas já não fáceis relações entre produtores de leite e indústrias processadoras.

 

VALTER GALAN

MilkPoint Mercado

22

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

SAVIO SANTIAGO

LAVRAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 05/07/2017

Bom dia Maurílio;



Longe de mim debochar rsrs. Só comentei porque achei que podia contribuir na sua visão;



Concordo plenamente que o produtor tem que saber tendências no tempo real como indústrias e defendo isso, por isso comentei;



Fique a vontade para discutir sempre que achar pertinente;



Abraço
MAURILIO REIS ARVELOS

SÃO JOÃO DEL REI - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 04/07/2017

Caro Sávio,

Concordo plenamente com vc quando diz:

"Qualquer retração de mercado é preocupante para uma cadeia produtiva, mas no leite em especial, o setor não consegue discutir de forma madura. Indústrias e produtores deviam estar sentados a mesa traçando estratégias de mercado e buscando saídas. Mas a cada movimento negativo o que se vê é uma discussão eterna, sem solução e sem utilidade."

O problema é exatamente esse quando vai cair ninguém aceita e nem tentamos (nós produtores) discutir com a indústria e buscar um modo de amenizar o momento ruim como vc mesmo disse e eu concordo plenamente. Só que falta cultura, apoio governamental para a gente, produtor, e sobra trabalho, porque produtor de leite é escravo da produção, é de domingo a domingo sem direito a feriado e com a mão de obra cada vez mais escassa, cara e não qualificada.

Bom gostei muito dos seus comentários, e a discussão construtiva faz a gente crescer na vida, apesar do primeiro eu ter achado que vc me atacou e me "zuou" kkkk. Mas eu só quis deixar uma pergunta no meu primeiro comentário que era só de já se saber o preço do leite antes de ir receber. Por exemplo eu estou pra receber por essa semana e não tenho nem ideia de quanto vou receber pelo litro e isso me incomoda e incomoda a muitos produtores.

Obrigado e um grande abraço.
SAVIO SANTIAGO

LAVRAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 04/07/2017

Caro Maurílio;



Só pontuando as suas respostas:



"Velocidade da informação é tudo. Mas a sensação de quase todos produtores de leite é que a velocidade pra descer é imediata já pra subir..." - Esse ano em que estamos, por exemplo, as industrias subiram preço no campo a partir de janeiro quando ainda não havia reflexo de alta nas gôndolas. Por outro lado, o leite SPOT, UHT e outros subprodutos já estão em queda a dois meses e a baixa efetiva ainda não chegou na mesma proporção ao campo. Para se ter uma ideia mais conclusiva, o leite SPOT está hoje 0,15 abaixo do preço médio brasil ao produtor;



"Quando digo propor isso é porque eu sei de lacticínio que já paga baseado pelo Cepea, mas isso igual vc falou depende de variações do mercado, mas porque não chegar no produtor no dia primeiro de cada mês e já anunciar o preço, este mês o preço base é 1,20, por exemplo" - Já existem muitas indústrias que passam projeções como a que represento por exemplo. Por incrível que pareça, muitas das vezes a notícia antecipada (quando é ruim) não é aceita pelo produtor. Muitos acreditam que a notícia influencia mercado, e sabemos que não existe isso.



"A sensação que eu tenho, é a que a porcentagem do lucro na alta é muito maior para indústria do que para o produtor já na baixa é o contrario". - Discordo da sua sensação: Fica muito claro nos dados históricos (inclusive do Milkpoint) que a indústria vem perdendo fatia de mercado para o produtor. Para se ter uma ideia, com leite UHT na faixa de 2,15 e mussarela por volta de 14,00 o preço médio do leite flutuava entre 1,18 a 1,25. Nesse exato momento estamos com esses preços médios no atacado e cepea médio a 1,38. Se você puxar dados de preços de UHT, mussarela e leite em pó dos últimos 4 anos e cruzar com preço médio do leite vai verificar isso, exceto em períodos muito curtos e pontuais do leite UHT como maio e junho de 16.



Qualquer retração de mercado é preocupante para uma cadeia produtiva, mas no leite em especial, o setor não consegue discutir de forma madura. Indústrias e produtores deviam estar sentados a mesa traçando estratégias de mercado e buscando saídas. Mas a cada movimento negativo o que se vê é uma discussão eterna, sem solução e sem utilidade.



Abraço





  
VAGNER ALVES GUIMARAES

VOTUPORANGA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 04/07/2017

Tema inesgotável,difícil de tecer alguns comentários, nem sempre as verdades de hoje , serão as verdades do amanhã, desde de 1974 quando trabalhei para Nestlé como supervisor levando assistência técnica aos produtores de leite os preços eram controlados pelo governo com desestímulo total e a produção estagnada era a grande queixa do setor leiteiro que precisava crescer não havia incentivos

Hoje com a liberdade de mercado os preços flutuam, porém nos falta competitividade com o mercado esterno,ampliação de tecnologias, que tornem atrativo o setor para crescer com custo viáveis,temos um baixo consumo e problemas econômicos para enfrentar, mesmo assim temos um crescimento anual de 3% isto nos da esperança de acreditar que podemos melhorar a produção de leite no Brasil .
MAURILIO REIS ARVELOS

SÃO JOÃO DEL REI - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 04/07/2017

Caro Sávio,

Eu respeito a sua opinião, e concordo plenamente com vc no seu primeiro comentário quando vc diz:

"Fica muito evidente que a relação conflituosa entre produtores e indústrias no que tange a mercado está totalmente relacionada a velocidade das informações que cada um recebe."

Velocidade da informação é tudo. Mas a sensação de quase todos produtores de leite é que a velocidade pra descer é imediata já pra subir...

Eu já estive do lado dos lacticínios porque já tivemos e não foi boa a experiência, no sentido financeiro à época mas isso foi há mais de 20 anos e nem vem ao caso.

Quando digo propor isso é porque eu sei de lacticínio que já paga baseado pelo Cepea, mas isso igual vc falou depende de variações do mercado, mas porque não chegar no produtor no dia primeiro de cada mês e já anunciar o preço, este mês o preço base é 1,20, por exemplo. Porque quando vc diz no seu segundo comentário:

"Tanto a indústria como o produtor ganham dinheiro em momentos aquecidos de mercado, de alta de preços, maior concorrência."

A sensação que eu tenho, é a que a porcentagem do lucro na alta é muito maior para indústria do que para o produtor já na baixa é o contrario.

Abraço
SAVIO SANTIAGO

LAVRAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 03/07/2017

Caro Murilo;



Tem ideia também de um indexador (cepea) para as indústrias venderem leite e produtos lácteos aos supermercados?



Em uma realidade de mercado aberto, quem põe o preço não é o vendedor nem o comprador, mas sim o consumidor final.



Indexadores são gerados do próprio preço do leite. Me parece confuso imaginar que toda a comercialização pode ser balizada em um indexador que é levantado com base nos preços do leite praticados. Portanto chegaria em um momento que o mercado simplesmente não iria variar nem para cima, muito menos para baixo uma vez que o índice gerado é o mesmo índice gerador.



Tanto a indústria como o produtor ganham dinheiro em momentos aquecidos de mercado, de alta de preços, maior concorrência. Sinceramente, não acredito nessas conjecturas de manipulação de mercado que se especulam a cada movimento negativo.



Abraço
FERNANDO ANTONIO DE AZEVEDO REIS

ITAJUBÁ - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 03/07/2017

Acredito que teremos um período difícil pela frente, quem estiver trabalhando em reduzir custo de produção e fazendo escala sobreviverá.

A situação econômica do país está refletindo em todos os setores, temos que nos reinventar a cada dia para suportar e sobreviver.
ELISEU NARDINO

MARIPÁ - PARANÁ

EM 01/07/2017

Olá, bom dia, aqui na região já teve baixa de maio pra junho, e junho pra julho vai ter baixa de novo
VALTER GALAN

PIRACICABA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 01/07/2017

Olá Paulo,



Obrigado pelo comentário e pelo elogio!



Sim, temos notícias, nas diferentes regiões, de baixas de preços mais fortes para o leite de junho (que será pago agora em julho). Estes 5 Centavos por litro que você menciona são também mencionados em outras regiões e há informações de algumas baixas até um pouco mais fortes,



Um ponto que talvez seja positivo é que, com a baixa de preços, o consumo de lácteos tem um cenário um pouco mais favorável para recuperar-se, o que talvez traga um "alento" no segundo semestre.



Forte abraço!



Valter
VALTER GALAN

PIRACICABA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 01/07/2017

Olá Elton,



Obrigado pelo comentário! Acho que parte da solução está no que comenta o Adilson, isto é, buscar a eficiência (em produção e gestão) dentro da fazenda. Momentos de subidas e descidas de preços são comuns no nosso mercado, e o sistema de produção deve estar preparado para eles.



A propósito, Adilson, sobre o cenário futuro de milho e soja, números recentes dos contratos futuros da BMF apontam cenário, para o segundo semestre, milho cerca de 35% mais barato (em termos reais, isto é, descontando a inflação) do que no segundo semestre do ano passado e soja 15% abaixo do ano passado (também nos mesmos termos deflacionados). Obviamente esta é uma visão de mercado que pode ser alterada por mudanças, principalmente no mercado internacional  (ambos tem preço bastante vinculado ao mercado internacional e à bolsa de Chicago).



Forte abraço a ambos!



Valter
VALTER GALAN

PIRACICABA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 01/07/2017

Olá Cleber, Olá Derlei,



Obrigado pelos comentários! Com o início da baixa de preços a situação realmente passará a exigir mais do produtor, que deve ter mais atenção a gestão de custos em sua fazenda.



Abraço,



Valter
DOUGLAS GEHRKE

EM 30/06/2017

Olha,  poderia entrar todo o leite do Uruguai que não faria a mínima diferença. O Uruguai é menor que o estado do Rio Grande do Sul,  e o leite que vem de lá é só uma porcentagem da produção deles.  O que vivemos e sempre vai ser assim e um mercado especulativo. Especialistas podem negar isso,  mas logo ali na frente isso vai se mostrar.
RONALDO PEIXOTO DE CASTRO JÚNIOR

ARAGUARI - MINAS GERAIS - DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS (CARNES, LÁCTEOS, CAFÉ)

EM 30/06/2017

Aqui no Triangulo Mineiro, região que moro, este é o período de entressafra, apesar de que o clima este ano está bem diferente do ano passado com umidade do ar ainda alta e chovendo bem até meados do mês de Junho, favorecendo as pastagens e consequentemente os produtores de leite. A expectativa era de que, pelo menos, a comercialização de queijos tivesse uma melhora não só em relação a preço mas também na procura, todavia está acontecendo o contrário, parece que a oferta de muçarela é maior e  com isso os preços trabalhados nos mercados estão bem abaixo do esperado, sendo que algumas marcas estão sendo vendidas em atacadistas, com preços bem baixos, incompatíveis com o de produção dos mesmos. A expectativa dos laticínios de minha região é que a oferta do produto diminua fazendo que melhore a comercialização dos mesmos.
PAULO CRUZ MARTINS JUNQUEIRA

LEOPOLDINA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 30/06/2017

Valter, tudo bem? Ótima análise, quero te dar a informação que acabo de receber.

Queda de R$ 0,05 no leite de junho, laticínio Lactalis, Zona da Mata Mineira.

Valor base: R$ 1,30
ADILSON EVANGELISTA SILVA

SETE LAGOAS - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 30/06/2017

Nossa situação é tão complexa, que nem os mais entendidos conseguem nos dar um NORTE. Nós temos é que na minha humilde opinião buscarmos sempre a eficiência da porteira para dentro. Aproveito para saber quais as previsões de preços de grãos para o próximo semestre.  
ELTON CARLOS BARCELOS

FRANCISCO BELTRÃO - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 30/06/2017

Olha....o que eu intendo é que o produtor vive trabalhando no escuro. Não tem como planejar investimentos com tantas mudanças de preços...esse é o Brasil onde só funciona a lei da oferta e procura . Parabéns para nós produtores que sobrevivemos a tudo isso e deixamos nosso país de pé. .
DERLEI JOSÉ BRANDÃO

BOM REPOUSO - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 30/06/2017

Segure-se quem puder.
CLEBER MANSUR

CARVALHOS - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 29/06/2017

Vamos para mais uma peneira.
VALTER BERTINI GALAN

SÃO PAULO - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA LATICÍNIOS

EM 29/06/2017

Olá Ronaldo,



Obrigado por seu comentário!



A perspectiva é de que as importações sejam menos competitivas no segundo semestre do que foram no primeiro, em função dos preços internacionais um pouco mais elevados e da taxa de câmbio um pouco menos vantajosa. Adicionalmente, se os preços internos começarem a recuar, isto também impacta na atratividade das importações.



Quanto aos preços da Muçarela, eles estão estabilizados no momento ao redor de R$ 16/kg (a faixa de preços hoje vai de 14 a 19, dependendo de marca, qualidade e outros fatores). Não vemos muito espaço para subida, dado que a oferta de leite começa a subir, notadamente no sul do país.



Forte abraço!



Valter
VALTER BERTINI GALAN

SÃO PAULO - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA LATICÍNIOS

EM 29/06/2017

Olá Sávio,



Obrigado pelos seus comentários! Abraço!



Valter
MilkPoint AgriPoint