FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Mercado firme, com olhares atentos à safra sulista e importações

POR MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

E RODOLFO TRAMONTINA DE OLIVEIRA E CASTRO

PANORAMA DE MERCADO

EM 23/05/2011

5 MIN DE LEITURA

3
0
O mercado nacional de leite encontra-se altista, caminhando firme para entressafra no Sudeste e Centro-Oeste e para safra do Sul. A expectativa dos agentes de mercado é de que esse cenário favorável se sustente em curto prazo e de que em meados de junho em diante, o mercado responderá de acordo com a safra sulista e as importações.

As regiões Sudeste e Centro-Oeste começaram a apresentar decréscimos mais expressivos na produção. Com o "fim" dos pastos nas regiões e os insumos encarecendo, essa tendência deve acentuar-se ainda mais. Na comparação com o ano anterior os agentes de mercado consultados pelo MilkPoint apontaram uma safra para o sudeste bem próxima ou levemente acima da de 2010, mas bem abaixo no centro-oeste.

No Sul, a expectativa é de produção recorde, com incremento entre 8 a 12% sobre 2010. Em enquete sobre a expectativa para a safra na região, as respostas foram análogas em afirmar condições climáticas bastante favoráveis ao desenvolvimento de pastagens de inverno e milho (silagem), preços animadores ao produtor e rebanhos em condições melhores do que em outros anos. Vale completar que todo o Cone Sul está assim. Argentina e Uruguai estão com aumentos de 2 dígitos em 2011 versus 2010.

Nesse sentido, devemos observar incrementos crescentes já a partir dessa quarta semana de maio, com pico de produção em meados de junho e duração até setembro/outubro.

Demanda

No momento, a procura por leite por parte das empresas é alta, com o leite spot sendo comercializado entre 89-92 centavos de real/litro. O spot mais caro teve um leve recuo: "ninguém quer comprar spot muito caro, logo vem a safra do sul", explica um dos agentes. Mesmo assim, a média para o mês é superior a de abril e o preço está estável em interessante patamar, um importante indicativo de que os preços ao produtor devem sofrer expressivo ajuste para maio (até 3-4 centavos).

Os preços, principalmente de leite longa vida, seguiram comportamento do leite spot, crescendo no início de maio e estabilizando à medida que o mês chega ao fim, permanecendo também em interessante patamar. O mercado de UHT está firme, bons volumes de vendas e negócios no atacado variando de R$ 1,63 até 1,87/litro - São Paulo apresentando os maiores valores.

Leite em pó e queijos também tiveram leve reação no início do mês. As vendas de leite em pó estão girando bem e não há estoques do produto. Os preços têm variado no atacado entre R$ 8,00 e 8,40/kg, não muito atrativos para a indústria. O queijo (mussarela) ainda não atingiu o patamar do fim do ano anterior e está sendo negociado, em média, a R$ 9,00/kg. Contudo já existem negócios a R$ 10,00/kg. Alguns agentes de mercado acreditam que algum estoque de queijo começa a se formar com expectativa de um 2º semestre mais favorável, como o foi em 2010.

Em suma, a demanda por lácteos tem estado firme, maior em maio do que em abril. Porém, ha dúvidas a respeito dos possíveis efeitos do crescimento do endividamento da população, restrição de crédito, aliada a outras medidas de restrição de consumo (por conta da inflação), que podem fazer efeito. A situação econômica mundial (incluindo a brasileira) parece ter piorado nos últimos meses, por conta da inflação.

Mercado estável: até quando?

Os efeitos da safra recorde sulista e das importações (leia artigo relacionado às importações em abril), ainda mais atuando em conjunto, têm preocupado a grande maioria dos agentes de mercado consultados pelo MilkPoint. Alguns desses prevêem um ano similar ao anterior, com queda de preços ao produtor a partir de junho/julho.

A explicação reside no fato de que um incremento significativo da oferta não encontraria paralelo na demanda, ocasionando uma pressão baixista de preços por parte do atacado/varejo. O repasse encontraria uma indústria demandando menos leite (spot cairia) e com preços mais baratos (região sul e produto importado). As importações, apesar da briga aduaneira entre Brasil e Argentina devem ser fortes em maio, outra estratégia do governo para reduzir preço dos alimentos e, por consequência, a inflação. Nesse cenário a previsão de um ano semelhante a 2010 se confirmaria.

Contudo, outros fundamentos apontam um horizonte diferente ou pelo menos, de menor magnitude.

O preço do leite longa vida, destino de grande parte da produção, está em um patamar elevado e sinalizando leve alta em algumas regiões. Se o preço se sustentar nessa faixa, e a safra do sul atrasar um pouco, o mercado ainda terá gordura para queimar. Em nossa pesquisa no varejo de Piracicaba (SP), o longa vida valorizou cerca de 5% em maio sobre abril, para R$ 2,13/litro. Mas mais importante, o tempo de prateleira, um indicativo de como estão as vendas, reduziu 27,5% (gráfico 1).

Outro fator, mais delicado, é a renovação do acordo de limite de importação de leite em pó da Argentina, que vence no fim de maio. O acordo está sendo renegociado no momento e terá efeitos importantes em um cenário de aumento de produção deles.

Gráfico 1. Preço do leite longa vida (UHT) e dias de fabricação no varejo de Piracicaba-SP.



Em suma, ainda é cedo para falar de virada do mercado ou apontar o período exato que isto irá ocorrer. Em conversas com agentes, essa estabilidade em meados de junho será testada e os preços podem começar a sofrer reajustes.

Como ponto positivo o mercado "não quer outro 2010", e a estratégia e planejamento de produtores e indústria deve passar pela memória de um passado recente. Assim sendo, teríamos um ano de menor oscilação/maior estabilidade nos preços. Finalmente, vale lembrar que os custos estão pelo menos 10% mais altos do que em 2010, o que coloca em risco a oferta futura caso haja queda significativa nos preços.

Panorama Externo

O mercado externo está bem equilibrado, com preços caminhando de lado nos leilões da Fonterra (últimos três) e relatórios quinzenais de preços de exportação divulgados pelo USDA. O dólar permanece desvalorizado sobre outras moedas, o que tende a aumentar os preços das commodities denominados em dólar.

Do lado da oferta, Estados Unidos e Nova Zelândia têm reportado importantes incrementos na produção de leite. No hemisfério Sul, o clima tem ajudado; se estivesse pior teríamos preços mais firmes com a atual demanda, representada principalmente pelo efeito China.

MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

Engenheiro Agrônomo (ESALQ/USP), Mestre em Ciência Animal (ESALQ/USP), MBA Executivo Internacional (FIA/USP), diretor executivo da AgriPoint e coordenador do MilkPoint.

RODOLFO TRAMONTINA DE OLIVEIRA E CASTRO

Engenheiro Agrônomo formado pela Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz"-USP, e Analista de Mercado do MilkPoint.

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

EDUARDO AMORIM

PATOS DE MINAS - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 24/05/2011

Prezados Marcelo e Rodolfo,


 Fiz um levantamento dos preços pagos pela DPA/NESTLE referente ao adicional de mercado dos ultimos 12 meses (PATOS DE MINAS), e para o mês de abril, a diferença foi de R$ 0,09 a menos em relação ao mesmo mês do ano passado, e isto na segunda maior bacia de leite do país (Alto Paranaíba/MG). Se considerarmos o IGPM temos 10% de inflação no período, mas como lembrou o Amaurik os custos com insumos subiram acima deste percentual, o que faz com as margens sejam muito pequenas para os produtores.  A situação requer cautela e as importações neste cenário, não são bem vindas.
AMAURIK

PASSA TEMPO - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 24/05/2011

Vendo o artigo "O leite e a inflação" de Paulo Martins espero que William Bonner ou a Fátima Bernardes não comece com a noticiar que o leite esta puxando inflação no Jornal Nacional, Pois eles não falam que na safra o preço dos produtos lácteos seguram a infração, e que tanto a indústria como os produtores de leite sofrem mais com a inflação pois seus insumos subiram mais que o IGPM
ELISEU NARDINO

MARIPÁ - PARANÁ

EM 23/05/2011

O PROBLEMA DAQUI PARA FRENTE É A IMPORTAÇÃO, ESSE É E VAI CONTINUAR SENDO UM DOS NOSSOS MAIORES PROBLEMAS
MilkPoint AgriPoint