ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Mercado em ebulição

POR VALTER BERTINI GALAN

PANORAMA DE MERCADO

EM 29/06/2018

10
4

A produção de leite, que vinha em desaceleração desde meados do ano passado (forte queda de preços e aumento dos preços dos concentrados), seguiu na mesma “toada” neste início de ano. Segundo o IBGE, o volume captado pelas empresas (leite formal) cresceu 2,4% no primeiro trimestre em relação ao mesmo período de 2017 (para se ter ideia da desaceleração dos volumes, em junho/2017 o crescimento foi de 11,6% em relação ao mesmo mês de 2016).

No final de maio, em função da greve dos caminhoneiros, houve significativa redução dos volumes disponíveis para as empresas: além da perda dos volumes já coletados (caminhões presos nas barreiras), não foi realizada a coleta do leite produzido em parte significativa das principais bacias leiteiras. Adicionalmente, empobreceu-se a dieta das vacas em produção (efeito que ainda impacta a retomada da produção em algumas bacias leiteiras).

Para se ter uma ideia da ruptura ocorrida, avaliando os volumes comercializados pelos produtores participantes do MilkPoint Radar, entre os meses de abril e maio do ano passado houve crescimento da ordem de 8%; neste ano, entre os dois meses, a queda nos volumes foi de 16,7% (avaliando somente os volumes dos produtores que inseriram suas informações nos dois períodos); o mercado estima que a perda de volumes de leite fresco com a greve foi de 350 a 450 milhões de litros em maio, algo entre 19% e 22% da produção do mês (considerando, em abril, crescimento de volume de 1,5% em relação a abril/2017).

Agrega-se, neste cenário, a queda do volume de importações lácteas – entre janeiro e maio deste ano, foram cerca de 220 milhões de litros de leite equivalente a menos de “oferta” externa no nosso mercado. Como resultado deste cenário de oferta, a disponibilidade per capita que vinha razoavelmente equilibrada até abril (-0,6% em relação a 2017), teve uma forte queda em maio – o gráfico 1 mostra os dados mensais.

Gráfico 1. Brasil - Disponibilidade per capita mensal de leite e variação 2018 vs 2017. Fonte: elaborado pelo MilkPoint Mercado com dados do IBGE e do MDIC.

Observações:

  • Disponibilidade per capita = (Produção + Importações – Exportações)/População;
  • Estimado crescimento da produção de leite de 1,5% em abril e maio (em relação a abril e maio de 2017);
  • Perda estimada de leite em maio no mercado formal em função da greve: 400 milhões de litros.

Em função desta ruptura, no acumulado janeiro a maio, estima-se uma disponibilidade 4,4% menor que no mesmo período de 2017 e, em maio, quase 20% menor. Com uma demanda que, apesar da cambaleante situação econômica, vem em recuperação, este desequilíbrio bastou para “acender” o estopim e fazer “explodir” o mercado.

Assim, desde o final da greve e do retorno das negociações no mercado, o atacado do leite UHT subiu R$ 0,92/litro e a muçarela cerca de R$ 2,9/kg. Como consequência, o leite spot também foi às nuvens, acumulando alta de R$ 0,54/litro nas duas últimas quinzenas (média Brasil). E, em relação ao leite ao produtor, borbulham especulações, mensagens em redes sociais relatando promessas de preços recebidas e especulações de que a subida nos preços pagos deve ser grande pelo leite fornecido em junho.

Alguns fatores reforçam este cenário altista. O principal deles diz respeito à safra do sul do país, que já viria atrasada em função do atraso das chuvas e o plantio tardio das forrageiras de inverno. Como efeito da greve, o cenário mais provável é de que efetivamente atrasará e virá menor do que a projeção anterior. Outros fatores sugerem cautela no curto prazo. O principal deles vem da ponta consumidora, onde não se sabe exatamente qual será a reação do consumo e dos volumes comprados quando estes fortes aumentos chegarem às gôndolas dos supermercados.

Ao mesmo tempo e, apesar da desvalorização da taxa de câmbio, o aumento de preços internos “renova” a competitividade das importações lácteas – é melhor comprar um leite spot a R$ 2,25/litro ou um importado a, equivalente, R$ 1,40/litro?

Valter Galan, analista do MilkPoint Mercado e sócio do MilkPoint Inteligência, será um dos palestrantes do Interleite Brasil 2018 no painel "Mercado de Leite e Organização da Cadeia Produtiva". A sua palestra abordará o seguinte tema: "Uma visão sobre 2017 e 2018: o que esperar pela frente". Confira a programação completa do evento aqui e participe conosco do melhor evento sobre leite do Brasil!

VALTER BERTINI GALAN

Engenheiro agrônomo, mestre em Administração pela FEA/USP

10

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MARCELLO DE MOURA CAMPOS FILHO

CAMPINAS - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 04/07/2018

Valter

Leite importado a R$ 1,40/litro é FOB ou já internalizado no Brasil? Qual a cotação do dólar para essa importação? Quanto está recebendo o produtor em US$/litro no país de origem desse leite importado?

Abraço

Marcello de Moura campos Filho
VALDIR FERREIRA CAMPOS

BELÉM - PARÁ - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 03/07/2018

So no começo deste mes(julho) que os novos preços estão chegando às gôndolas aqui na região norte do país, a perspectiva é de uma grande queda de consumo .para os preços de maio se sustentarem só uma grande queda da produção. Mas não voltará em curto prazo para os preços março e abril
ANDRÉ L.C.CABRAL

ITAPERUNA - RIO DE JANEIRO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 29/06/2018

Na verdade o produtor só fica no prejuizo, quando os preços começam a subir recuperar a defasagem vem o tal do leite importado. Temos que parar mesmo e deixar a indústria compra leite adulterado ai sim vai ficar bom. E apoiar os veganos para de consumir produtos de origem animal.
VALTER BERTINI GALAN

SÃO PAULO - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA LATICÍNIOS

EM 02/07/2018

Olá André,

Obrigado pelo comentário! Não tenho certeza de que o caminho é exatamente esse, principalmente aí no Rio de Janeiro, estado que tem muita demanda de leite e uma produção insuficiente para atendê-la.

Um abraço!

Valter
NELSON JESUS SABOIA RIBAS

GUARACI - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 29/06/2018

Olá, favor explicar o último paragrafo da sua analise. Esse leite spot, é o mesmo que os laticinios compram , in natura para completar suas necessidade?
JHONATAN ORSOLIN

PALMITOS - SANTA CATARINA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 02/07/2018

Achei esse parágrafo um absurdo. O mesmo leite in natura que sai do produtor e não passa por beneficiamento já vale 60% ( R$ 2,25/1,40 que foi o valor que recebi do leite em maio) a mais só por estar nas mãos das indústrias?
Creio que isso venha a ser o cúmulo!
Essa cadeia láctea brasileira é uma vergonha!
VALTER BERTINI GALAN

SÃO PAULO - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA LATICÍNIOS

EM 02/07/2018

Olá Nelson,

Obrigado pela participação! Sim, o leite spot é o leite comprador/vendido entre empresas e negociado quinzenalmente.

Um abraço!

Valter
EM RESPOSTA A JHONATAN ORSOLIN
VALTER BERTINI GALAN

SÃO PAULO - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA LATICÍNIOS

EM 02/07/2018

Olá Jhonatan,

Obrigado pelo comentário.

É este sim o funcionamento do mercado. O leite spot é negociado quinzenalmente, a oscilação de preços é quinzenal e bastante forte entre quinzenas. Neste momento do ano (entressafra) o leite spot tem uma forte variação para cima mas, na safra do leite, o spot normalmente tem preços menores do que os valores médios pagos a produtores.

Um abraço,

Valter
SERGIO HAGEMANN

TÉCNICO

EM 29/06/2018

Bom dia

Na cadeia da produção, ate o momento o produtor foi o menos favorecido. Só há promessas com aumentos tímidos, alias as promessas de preço não acenam para o mercado pouco ofertado como o citado na reportagem. Se fizermos a correção do nível de preço atual em 11%, como anunciado por um conseleite ainda estaremos em um patamar inferior aos preços praticados em 2009. Corrigindo pelo menor índice de tantos que temos, o preço minimo para o produtor deveria ser superior a 1,73 a 1,93 na media. E com o custo de produção em alta em todos os componentes
VALTER BERTINI GALAN

SÃO PAULO - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA LATICÍNIOS

EM 02/07/2018

Olá Sérgio,

Obrigado pelo comentário! Realmente as variações de preços chegam mais lentamente ao produtor (há 1 mês de defasagem entre fornecimento e pagamento). No entanto, temos vistos comunicações de diferentes empresas com bonificações aos produtores para volumes extras, o que pode aumentar bastante o valor final pago.

Um abraço,

Valter