FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Leite UHT: a necessidade de diferenciar para ter resultado positivo

POR VALTER BERTINI GALAN

PANORAMA DE MERCADO

EM 01/08/2014

6
0
O leite UHT absorve cerca de 20% do leite fresco produzido no Brasil e certamente representou uma das mais relevantes mudanças estruturais do mercado lácteo brasileiro no passado recente.

Hoje boa parte das empresas do setor possui sua marca de leite UHT. Dentre às top 12 do ranking elaborado pela Leite Brasil, todas elas, à exceção da Centroleite, estão neste mercado. A ABLV, segundo seu site, possui 38 associadas que, se respondessem sozinhas por todo o volume de leite UHT vendido no mercado, produziriam, em média, com 550 mil litros diários do produto (sabemos que provavelmente há mais que 38 marcas de leite UHT no mercado...).

Mas, quão atrativo é o negócio do leite UHT? Buscamos, com o auxílio de diferentes agentes deste setor, calcular a margem aparente de uma indústria de leite UHT branco (isto é, sem nenhuma adição de saborizantes ou diferenciação de fórmula). Foi considerado o produto em embalagem padrão, sem tampa plástica – esta análise não é válida para produtos UHT sachet ou garrafa. Também foram desconsideradas eventuais diferenciações de preço obtidas em função da marca do produto. A margem é dita “aparente” porque considera valores estimados de custos para cada etapa do processo produtivo e desconsidera eventuais benefícios fiscais incidentes.

Os parâmetros utilizados nesta avaliação são os seguintes:

Preços do leite na fazenda: foram usados os valores publicados mensalmente pelo CEPEA. Ainda que a metodologia do CEPEA indique que os valores incluem frete até fábrica e Funrural, os preços foram tomados como livres ao produtor e na fazenda – aparentemente, muitos agentes do mercado adotam este referencial de preços na negociação com os produtores. Não foram considerados nesta análise benefícios fiscais relacionados a PIS/COFINS.

(+) Frete do leite da fazenda até a fábrica: assumido o valor médio de R$ 0,05/litro. Este valor pode variar bastante em função da região onde está a indústria e de sua maior/menor expertise na gestão logística da matéria-prima.

(-) Estandardização da gordura: considerou-se um teor médio de 3,55% de Gordura no leite matéria-prima (valor médio apurado no ano de 2013 pela Clínica do Leite da ESALQ/USP) e um padrão de 3,15% no produto final. Este excedente de Gordura gera uma redução de custo de aproximadamente R$ 0,036 por litro.

(+) Custo de captação: todos os custos que a empresa tem no processo de compra de leite e adicionais ao preço ao produtor e ao frete. Este é um valor que também pode variar bastante, em função da capacidade gerencial de cada empresa, da existência ou não de postos de resfriamento de leite, da escala de compra da empresa, entre outros fatores. Assumimos nesta simulação o valor de R$ 0,025 por litro.

(+) Processamento industrial: usamos o valor de R$ 0,15 por litro como custo do processamento industrial na planta de UHT. A pesquisa realizada junto a diferentes indústrias e técnicos do setor indica que este valor refere-se a uma operação conduzida de forma bastante eficiente e pode chegar a R$ 0,20 por litro em casos de menor eficiência operacional e/ou escala de produção.

(+) Embalagem: usado o valor de R$ 0,45 por unidade de 1 litro. Este valor refere-se à embalagem individual (caixa de 1 litro, sem tampa plástica) somada aos valores proporcionais da caixa de papelão e do filme plástico que a envolve (shrink).

(+) Frete da fábrica até o centro consumidor: assumiu-se um valor de R$ 0,15 por litro, que corresponde a produtos fabricados a cerca de 950 km da cidade de São Paulo, estabelecida como centro consumidor final.

Não foram considerados os custos de estrutura administrativa, marketing e outras despesas chamadas de “overhead”.

Com relação ao preço pago à indústria pelo produto final, foi também assumido o preço mensal do leite UHT publicado pela CEPEA, e dele foi subtraída valor equivalente a uma alíquota média de 7% de ICMS.

Com base nestes parâmetros, foi realizada análise mensal da margem “aparente” da indústria, desde janeiro de 2007 (os resultados são apresentados no gráfico 01).

Gráfico 01. Margem aparente do leite UHT (R$/litro)
Fonte: Elaboração do MilkPoint Inteligência, a partir de dados do CEPEA e de diferentes fontes

O que podemos observar?

- A margem aparente média da indústria no período analisado e utilizando os parâmetros acima detalhados é de R$ 0,115 por litro de leite UHT, o que corresponde a aproximadamente 5,0% em média, no período analisado;

- A margem do produto é fortemente sazonal, sendo muito maior nos meses de entressafra do leite matéria-prima (entre abril e agosto) e apresentando forte queda (podendo atingir valores bastante negativos) nos meses de safra do leite (outubro a janeiro).

- De forma geral, e considerando-se que esta margem “aparente” não considera custos administrativos, marketing e overhead, pode-se dizer que é um negócio que, em média, tem baixa atratividade.

- Custos de transporte do produto final: provavelmente foi considerada aqui uma situação de limite de custo, sendo o valor de frete considerado equivalente ao transporte do produto de bacias como o Noroeste do Rio Grande do Sul ou Goiás até o mercado consumidor da cidade de São Paulo. Isto significa que o atendimento a mercados regionais, com menor custo de distribuição de produto acabado e, provavelmente, carga tributária menor, tende a propiciar margens mais elevadas. Além disso, muda bastante a competição entre empresas nestes mercados regionais – a tendência é de um número bem menor de marcas e menor competição via preço.

- Os níveis de eficiência operacional da empresa processadora, seja no frete do leite fresco, na sua estrutura de captação ou no processamento industrial, têm de ser extremamente controlados e, se possível, melhores do que aqueles aqui utilizados. Como exemplo, simulamos o resultado de margem “aparente” com um custo de processamento de R$ 0,20 por litro, ao invés dos R$ 0,15 originalmente considerados. Os resultados desta nova simulação podem ser observados no gráfico 02.

Gráfico 02. Simulação da margem aparente do leite UHT (R$/litro)
Fonte: Elaboração do MilkPoint Inteligência, a partir de dados do CEPEA e de diferentes fontes

Neste novo cenário, as margens “aparentes” médias caem para cerca de 2,4% sobre o preço de venda. Com este nível de eficiência industrial, o processador passa boa parte do tempo operando bastante próximo do zero ou abaixo dele. O risco da operação torna-se enorme porque qualquer sobrecusto conduzirá o negócio a resultados negativos.

Assim, algumas indicações podem sair desta análise:

• O UHT “branco” é um produto commoditizado, com rentabilidade baixa, oscilante e fortemente associada a elevados standares de performance e escala de produção, tanto na originação da matéria-prima quanto nos processos industriais;

• Claramente deve haver oportunidade de arbitragem entre o UHT e outros produtos (leites UHT diferenciados, queijos, leite em pó) ao longo do ano, com objetivo de redução de riscos do “mono-produto” e melhoria das margens da indústria;

• Pode ser ainda mais crítica a situação de empresas médias ou pequenas empresas, com baixo volume de leite processado, que enveredam por projetos de investimento em unidades de processamento de leite branco UHT buscando a agregação de valor. É boa chance de estarem agregando apenas custos...

Em função disso, é perceptível a busca por diferenciação, com embalagens mais práticas (e que permitem preços mais altos), investimentos em marketing e diferenciação de produtos, inclusive com lançamentos recentes envolvendo pedaços de frutas. Esse é sem dúvida um possível caminho para que o UHT, produto de extrema importância em volume de mercado e penetração nas residências, tenha margens mais atrativas.


Outros conteúdos exclusivos e o mais completo banco de informações sobre o mercado lácteo brasileiro e mundial, podem ser encontrados no novo serviço de inteligência para o mercado de leite, o MilkPoint Mercado (www.milkpoint.com.br/mercado).

Caso tenha interesse em conhecer e interagir com a plataforma, podemos disponibilizar gratuitamente uma senha temporária para um período de “degustação”. Acesse www.milkpoint.com.br/mercado e preencha o formulário “Assine aqui” ou envie um email para inteligencia@milkpoint.com.br

ARTIGO EXCLUSIVO | Este artigo é de uso exclusivo do MilkPoint, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem prévia autorização do portal e do(s) autor(es) do artigo.

VALTER BERTINI GALAN

MilkPoint Mercado

6

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOSE WILKER DE PAIVA BEZERRA

SÃO PAULO - SÃO PAULO - ESTUDANTE

EM 01/10/2014

A bem da verdade, resta a máxima de que "quem não pode não se estabelece"! Ou seja, o número de novas marcas nas prateleiras dos Supermercados, deverá ou pelo menos deveria ser reduzido, restando apenas aquelas marcas cuja produção seja realmente levada a sério e com respeito ao consumidor final. Evitando assim os escândalos envolvendo fraudes na produção de leite como temos visto corriqueiramente nos noticiários de tv. Seria interessante que o corpo governamental e os órgãos de fiscalização federais e regionais, intensifiquem a fiscalização destas marcas que simplesmente surgem do nada, fazendo frente a produtores e industrias sérias. Fica a pergunta: com margens tão pequenas, como empresas sem tradição conseguem se manter no mercado? (isto não é um indicativo de possíveis fraudes no produto final ofertado ao consumidor?) Quem nos livrará de dados tão alarmantes que para um futuro bem próximo poderá levar a uma queda no consumo, prejudicando todo uma cadeia de valores envolvidos, desde o produtor até industrias.
DAVID BROAD

SÃO PAULO - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 05/08/2014

Muito bom Walter.  O que ficou marcante no seu gráfico é que, em vez da margem média estar fixa em 11,5c durante o período, aparentemente ela está diminuindo. De 2012 para cá, por exemplo, ela foi zero. Devido aos efeitos de inflação sobre custos operacionais, a tendência deveria ser de aumento (para manter margem em termos reais). Este ponto levanta uma serie de perguntas sobre a viabilidade do setor... e vai forçar mudanças importantes.  
RAMOM LUCAS

DIVINÓPOLIS - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 04/08/2014

Excelente a pesquisa de custos, porém quem trabalha com UHT sabe perfeitamente que esta  margem é extremamente inviável, daí recorrerem a velha pratica de adicionar água e soro, na proporção de 15 a 20 %. Tem duvidas? entao some todos estes custos apresentados e confronte com o preço vendido ao consumidor! Só nao vê, quem nao sabe matemática!
JOSE ROGÉRIO REIS JUNQUEIRA

MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 04/08/2014

Excelente artigo, mostra que nós estamos sendo remunerados pelo menos eficientes dos produtos que é o leite UHT, após ser retirados parte da gordura para produzir os demais produtos (queijo, manteiga, iogurte, soro em pó etc) que apresentam grande margem de lucro, identificando que os laticínios estão muito bem remunerados, que nós produtores teríamos que ganhar parte desta industrialização. O que não ocorre.
ELVIS LUÍS BASSO

SANTO ÂNGELO - RIO GRANDE DO SUL - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 04/08/2014

Muito bom artigo, já comentei várias vezes sobre esse assunto, onde quem é eficiente na produção de UHT e leite em pó pode ter margens interessantes, mas depende muito de escala de produção (margem pequena). Já industrias que agregam valor aos seus produtos (queijos, iogurtes), tem no UHT e leite em pó alternativas para determinados momentos de safra e entressafra.

Desta forma acho que fica evidente a necessidade de empresas eficientes e com um Portfólio de produtos amplo.

Essa eficiência deve ser apresentada em toda a cadeia. Produtor ineficiente também terá seu futuro de sua empresa condenada.
ROELOF H. RABBERS

CASTRO - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 03/08/2014

Excelente artigo, raio X do custo do longa vida, para acrescentar se posso, de quanto  é a margem do atacado e ou do varejo.