FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Gato por lebre - a rastreabilidade em questão

POR SYLVIA SAES

E BRUNO VARELLA MIRANDA

PANORAMA DE MERCADO

EM 04/03/2013

12
0
O “escândalo da carne de cavalo” nos convida à reflexão. Nas últimas semanas, temos assistido à divulgação de uma série de notícias mostrando que empresas europeias utilizaram carne equina em suas linhas de produção. Em alguns casos, a carne de cavalo estava misturada com a bovina; houve análises, porém, em que 100% da carne encontrada em comidas congeladas era equina. Duas coisas chamam a atenção nessa história: em primeiro lugar, a revelação da prática ocorre após ao menos uma década de constante discussão acerca da importância da rastreabilidade para as cadeias da indústria de alimentos. Ademais, a procedência do escândalo surpreende, já que as sociedades da Europa Ocidental são habituais líderes no debate de tais questões.

O mais interessante no “escândalo da carne de cavalo” é que o caso nos traz de volta à realidade. Nela, é bem provável que as empresas, que investiram milhões de euros para explicar aos seus consumidores a atenção dispensada no processamento dos alimentos vendidos, tenham evitado gastos da mesma magnitude para que a propaganda se traduzisse em protocolos sérios de controle de qualidade. Não sejamos injustos, entretanto: em grande medida, deslizes como o escândalo na Europa derivam de uma abordagem irrealista para a questão da rastreabilidade. Vendendo a ilusão de que tudo estava sendo vigiado, as empresas evitaram discutir o estabelecimento de sistemas realistas de controle daquilo que processavam, o que levou a um erro tão primário, e que representa um duro golpe a diversas marcas.

Mais especificamente, é evidente que uma empresa dedicada aos mercados de massa é incapaz de explicar aos seus consumidores com exatidão de onde veio aquilo que consomem. A ideia idílica de que um dia seremos capazes de saber exatamente de onde saiu cada alimento que consumimos é algo que, atualmente, somente habita as cabeças de quem não calcula custos. Em determinados nichos, a iniciativa é capaz de render bons frutos – e o café oferece os seus exemplos – mas imaginemos uma empresa que vende lasanha congelada em hipermercados do Primeiro Mundo especificando em cada embalagem a procedência exata da carne ali contida e a data de abate do animal, para citar apenas dois exemplos. Os custos de tal nível de controle seriam enormes, e provavelmente inviabilizariam a venda de linhas de produto com uma vocação pelo preço baixo.

Não raramente, porém, passou-se a impressão de que as empresas eram capazes de mais do que, na prática, podiam – ou estavam dispostas – a fazer. Diante da impossibilidade de estabelecimento de um sistema que controlasse cada detalhe da produção, muitas organizações optaram pelo pior caminho: ao invés de contar a verdade, e discutir alternativas e limites, preferiram vender um mundo de sonhos, em que tudo estava sendo mensurado, algo inviável. Os consumidores, claro, acreditaram. Afinal, não nos enganemos: as pesquisas demonstram que o tempo gasto por cada indivíduo para escolher um produto em uma gôndola de supermercado está na casa dos segundos. Por mais que acrescentemos informação às embalagens, chegaremos a um ponto em que a taxa de absorção de tais dados já não valerá o investimento em sua produção.

Para finalizar, tanto consumidores quanto empresas, por mais preocupações que tenham, caracterizam-se pelo comportamento maximizador na esfera econômica. Exceções existem, é bem verdade, mas o estereótipo comum é o do comprador que busca barganhas e o da organização que quer aumentar os lucros para beneficiar acionistas e o bônus dos funcionários. Se grupos europeus viam na importação de carne do Leste Europeu um excelente negócio, é porque tal opção ia ao encontro da enorme demanda por alimentos prontos baratos. Sacrificariam uma parcela maior de seu orçamento os consumidores em nome da garantia efetiva de que escândalos como o da carne de cavalo não ocorrerão mais? Na teoria, a resposta de boa parte dos analistas é um sim; na prática, porém, todo cuidado é pouco antes de respostas taxativas.

Em resumo, para que sistemas efetivos de rastreabilidade surjam, um requisito é necessário: caso não sejam capazes de estabelecer de maneira clara os limites para a mensuração dos atributos negociados na cadeia, os promotores da iniciativa correm o risco de montar uma estrutura alimentada por discursos vazios. O lado bom de escândalos como o da carne de cavalo é que podem motivar agentes econômicos, consultores e academia a amadurecerem o discurso. Em lugar das promessas de um mundo em que todos sabem tudo, por que não trabalharmos pelo reconhecimento dos custos envolvidos na materialização de tal realidade e a proposição de alternativas econômica viáveis? Para tanto, estamos diante de um enorme desafio, já que grupos com interesses conflitantes teriam que sentar à mesa e negociar parâmetros para o seu relacionamento. Este, por sinal, será o tema de nosso próximo texto.
 
Esta matéria é de uso exclusivo da AgriPoint, não sendo permitida a cópia e réplica de seu conteúdo sem prévia autorização do portal e de seus autores.

SYLVIA SAES

Professora do Departamento de Administração da USP e coordenadora do Center for Organization Studies (CORS)

BRUNO VARELLA MIRANDA

Professor Assistente do Insper e Doutor em Economia Aplicada pela Universidade de Missouri

12

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

BRUNO VARELLA MIRANDA

SÃO PAULO - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 07/05/2013

Prezado Daniel,



Obrigado pelo comentário. O progresso tecnológico certamente contribui para a queda dos custos. Ainda assim, é preciso lembrar: custo baixo não significa ausência de custo. Mais especificamente, alguém tem que pagar por isso, e não está claro atualmente quem deveria pagar: o consumidor, já que exige o máximo de informação? Ou seria o produtor rural? Ou a empresa que produz, por exemplo, as refeições congeladas citadas no artigo?



Da mesma forma, de que forma a expansão desses sistemas seria garantida: é porque os consumidores o exigem ou devido a uma regulação estatal? Enfim, são questões que merecem reflexão.



Atenciosamente



Bruno Miranda
DANIEL FERNANDEZ

SÃO PAULO - SÃO PAULO

EM 07/05/2013

E se desenvolvermos uma tecnologia acessível, que atenda pelo menos o mercado in natura? Não seria interessante rastrearmos para garantir não só a qualidade mas a procedência também?
BRUNO VARELLA MIRANDA

SÃO PAULO - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 19/03/2013

Prezada Fabiana,



De fato, estamos diante de um excelente tema para pesquisas! Há uma série de aspectos envolvidos na questão da rastreabilidade que merecem maior atenção, por exemplo: i) custos e benefícios de mensuração de cada atributo; ii) caracteristicas dos processos de construção dos padrões; iii) características das organizações que asseguram que a tarefa seja levada a cabo (e, aí, acredito que a análise das formas plurais pode ser esclarecedora), entre outros.



Atenciosamente



Bruno Miranda
FABIANA LEONELLI

PIRASSUNUNGA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 19/03/2013

Brilhante observação, Sylvia e Bruno! Este é um ótimo tema para investigarmos, inclusive, se há formas plurais para atributos específicos na carne bovina, onde a rastreabilidade passa a ter outra conotação. Abraços!
MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

PIRACICABA - SÃO PAULO

EM 14/03/2013

Ótimo artigo!
BRUNO VARELLA MIRANDA

SÃO PAULO - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 11/03/2013

Prezado Marcos,



Agradecemos o comentário. Sempre que tiver sugestões de pauta, críticas ou contribuições para o debate, este espaço é seu.



Atenciosamente



Bruno Miranda
MARCOS GOULART PEREIRA (MARKITO.'.)

POUSO ALEGRE - MINAS GERAIS - TÉCNICO

EM 09/03/2013



Parafraseando o Douto Rui Barbosa:

"De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto."




BRUNO VARELLA MIRANDA

SÃO PAULO - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 07/03/2013

Prezado Edilson,



Agradecemos o comentário. Acredito que, do ponto de vista do artigo, uma discussão relevante é: na prática, qual a função dos sistemas de rastreabilidade nas cadeias agroindustriais? Já há algum tempo convivemos com um discurso exageradamente otimista, de que o consumidor terá pleno controle daquilo que compra, e de que mais rastreabilidade é sempre melhor. Por outro lado, isso custo caro, e talvez ninguém queira pagar por essa informação perfeita...



Logo, quais as vantagens, desvantagens (custos, mais especificamente) de mensurarmos cada atributo da carne que vendemos, para citar um exemplo?



Atenciosamente



Bruno Miranda
EDILSON FERREIRA DA COSTA

LIMOEIRO DO NORTE - CEARÁ - PESQUISA/ENSINO

EM 06/03/2013

Epa Senhores, boa noite! Muito oportuno a posição dos senhores.

Estou hoje em um grupo de estudo "GEPLAN" GERENCIAMENTO E GESTÃO AGROPECUARIO -  e por conhecidêcia na reunião de hoje compartilhamos esta discursão e debates. Muito bom o assunto! Pergunto aos senhores: Aqui no Brasil está sobrando carne rastreada ( bovina é claro!)?
BRUNO VARELLA MIRANDA

SÃO PAULO - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 06/03/2013

Prezados José e Aurélio,



Agradecemos o comentário. Aproveitamos para deixar um convite: usem este espaço sempre que quiserem, para fazer sugestões, críticas ou indicar temas para o debate.



Atenciosamente



Bruno Miranda
AURÉLIO LUIZ SANTOS

SOROCABA - SÃO PAULO - FOOD SERVICE

EM 06/03/2013

Boa tarde!! concordo com o José.



Parabens. Cade sistema de Rastreabilidade da UE? exigiram tanto do Brasil, o controle...Que nossos Pecuáristas acordem  SISBOV tem que ser usado não só para mercado externo... É um vale td para aumentar, quem é o Ministro da agricultura e Pecuária mesmo?



http://www.animalltag.com.br
JOSÉ RODRIGUES BEZERRA

ESTÂNCIA - SERGIPE

EM 06/03/2013

Excelente matéria. A realidade é que na prática a teoria é outra para todos os ramos.