FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Entre a cruz e a espada

POR BRUNO VARELLA MIRANDA

PANORAMA DE MERCADO

EM 27/09/2013

0
0
Imaginem uma eleição em que o único resultado possível é o consenso absoluto. Estranho, não? Mesmo em países em que a democracia não é um valor prioritário, seria difícil encontrar um ditador que se sentisse confortável ao anunciar a vitória com 100% dos votos - embora, acreditem, isso ocorre na Coreia do Norte, por exemplo. A razão é simples: em qualquer grupo de pessoas, matizes existem. Sejam interesses ou ideologia, é normal haver certa discordância. Dito de outra forma, podemos dizer que os agentes possuem preferências distintas, e a democracia é, entre outras coisas, uma forma de promover a competição entre distintas visões de mundo sem que as minorias sejam marginalizadas.

Pensemos agora nos países do mundo. É possível pensar em um consenso entre todos? Poderiam unidades tão distintas como Estados Unidos, Índia e Venezuela, apenas para citar alguns exemplos, concordar facilmente com os rumos dados para o comércio mundial? Correndo o risco de uma generalização grosseira, é isso o que ocorre na Organização Mundial do Comércio (OMC). Lá, o fechamento de um acordo amplo, nas chamadas Rodadas de Negociação, exige o consenso entre todos os que dela participam. Logo, não é de se estranhar a paralisia sofrida por um regime tão importante para os rumos da economia mundial.

Comércio é bom e todo mundo quer mais – com pouco honrosas exceções, como a Coreia do Norte, sempre ela. Ocorre que, entre o querer e o poder, há uma distância enorme. A razão: cada país do mundo, com sua estrutura produtiva peculiar, tem preferências, relações idiossincráticas com os habitantes, etc. Por isso, é possível que algum tempo decorra até que a comunidade internacional colha algum resultado palpável na OMC. A resistência existente para uma discussão aberta na questão agrícola oferece uma clara evidência dessa realidade.

Restaria, então, correr por fora e buscar acordos regionais, certo? O que parece uma boa opção, ao menos a princípio, corre o risco de ser uma enorme dor de cabeça. Desde o início dos anos 1990, inúmeros países implementaram programas de liberalização em seus mercados, apostando na assinatura desses acordos. Os resultados, porém, são heterogêneos. Há os casos de êxito, é bem verdade, mas naqueles casos em que predominou a pressa ou a assimetria de poder entre os países que deixaram a sua assinatura no tratado, o desfecho é, no mínimo, cheio de controvérsia.

Em diálogo recente com a pesquisadora Gloria Carrión, que trabalha na Nicarágua, aprendi um pouco mais sobre o CAFTA-DR, acordo de livre comércio que aproxima os Estados Unidos de diversos países da América Central. Há um exemplo interessante derivado dessa experiência: na Costa Rica, estudos estimam a capacidade de exportação de leite do país em torno de 953.000 toneladas métricas por ano. Por se tratar de um país pequeno, e com um setor relativamente competitivo, valeria a pena explorar essa potencialidade e vender o excedente para um mercado maior.

Não havendo nenhum mercado mais pujante que o estadunidense deste lado do globo, um acordo de livre comércio daria aos produtores da Costa Rica uma posição privilegiada, certo? Errado. Após árduas negociações, o país não conseguiu mais do que uma quota de exportação de 1.050 toneladas métricas por ano, com um aumento anual posterior de 5%. Em troca, teve que fazer uma série de concessões em outras áreas, perdendo cartas cuja utilidade na hora de barganhar fazem a diferença.

Embora o Brasil não seja a Costa Rica, o exemplo acima demonstra a dimensão do desafio. Ao negociar com países mais poderosos, a pressa é o nosso maior inimigo. A falta de acordo é péssimo, mas um mau acordo é catastrófico. Precisamos nos conectar ao mundo, mas é preciso que tal passo seja dado tendo em conta o devido valor de nossas concessões e potencialidades. Contentar-nos com pouco é a receita para o fracasso, principalmente porque nos tira um dos principais ativos que possuímos: um mercado em franca expansão, importante “carta na manga” para atrair propostas atraentes de associação comercial.

Qual o papel do abalado Mercosul nessa história? Conforme argumentei em artigo recente – que gerou interessante debate, por sinal –, a pressa por mais exposição à economia mundial não deveria pressupor o abandono de um projeto de longo prazo, cujas conquistas colhidas em seus primeiros anos transcendem a área comercial. Talvez seja preciso reformá-lo, concedendo um pouco mais de flexibilidade aos seus membros sem dinamitar as pontes já construídas. Acreditem, é mais fácil do que parece. Ao menos, é menos complexo do que fazer com que um acordo amplo seja obtido na OMC, encolhida diante de sua rigidez.

ARTIGO EXCLUSIVO | Este artigo é de uso exclusivo do MilkPoint, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem prévia autorização do portal e do(s) autor(es) do artigo.

BRUNO VARELLA MIRANDA

Professor Assistente do Insper e Doutor em Economia Aplicada pela Universidade de Missouri

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.