ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Como anda o leite no Mercosul?

POR VALTER BERTINI GALAN

PANORAMA DE MERCADO

EM 05/10/2018

2
3

Uruguai e Argentina são nossos principais “parceiros” comerciais quando falamos do mercado lácteo e vêm passando por alterações importantes em seus mercados neste ano. Dada a situação atual do mercado brasileiro e do grande fluxo de lácteos vindos dos dois vizinhos do Mercosul, vale a pena analisar em mais detalhe o que está acontecendo nestes mercados e os possíveis impactos aqui no Brasil.

Um primeiro efeito importante, observado nos três países do Mercosul, é a desvalorização da moeda local frente ao Dólar – no gráfico 1 é possível ver que, a partir de abril deste ano, há uma clara tendência de aumento na taxa de câmbio nos três mercados.

Gráfico 01 – Evolução recente da taxa de câmbio (Moeda local/Dólar) – Brasil, Argentina e Uruguai. Fonte: bancos centrais dos 3 países.

O efeito de desvalorização da moeda foi claramente muito mais forte na Argentina, onde o Peso local perdeu quase 92% de valor frente ao Dólar em 5 meses. A situação econômica do país é bastante crítica e o preço de leite argentino acabou se tornando, hoje, provavelmente o mais baixo do mundo (observe os preços em dólares por litro no gráfico 2). Apesar da nossa recente desvalorização cambial, o valor líquido médio pago ao produtor brasileiro em setembro foi, em dólares, cerca de 60% mais alto do que o pago aos “tamberos” argentinos. No Uruguai, a desvalorização do Peso uruguaio também tem “empurrado” ´para baixo o preço do leite em Dólares e hoje a média, de US$ 0,308/litro, é 15% menor do que o valor médio praticado aqui em nosso mercado.

Gráfico 02 – Evolução dos preços do leite em US$/litro – Brasil, Argentina e Uruguai. Fonte: elaborado pelo MilkPoint Mercado com base em dados do Cepea, do INALE e do Ministério da Agricultura da Argentina.

Os volumes de produção de leite vêm crescendo nos dois vizinhos do Mercosul, depois de oscilarem bastante nos últimos anos. No Uruguai, o crescimento acumulado da produção até agosto é de 5,7% sobre 2017, ano no qual o país produziu cerca de 1,9 bilhão de litros. De fato, exportando cerca de 70% de sua produção, o mercado uruguaio está intimamente ligado às oscilações do mercado internacional, o que faz oscilar também seu volume de produção.

Na Argentina, as oscilações de produção são semelhantes, mas resultado de um mercado interno muito instável e dependente de variações radicais nas políticas econômicas dos governos recentes. Como resultado, a produção argentina “estacionou” no patamar entre 10 e 11 bilhões de litros anuais há alguns anos e, em 2018, cresce 6,8%, depois de cair pelos dois últimos anos.

A tendência nos dois mercados, e muito mais fortemente do lado argentino, é que o ritmo de crescimento da produção caia a partir de setembro e até o final do ano, principalmente pela forte redução dos preços em dólares e pelo aumento dos custos de produção (milho e soja aumentam fortemente seus preços com a desvalorização da moeda local). Assim, notícias recentes vindas dos nossos “hermanos” argentinos já indicam que os produtores vêm sofrendo com a baixa de preços e aumento de custos e que a produção já desacelera consideravelmente.

Ao mesmo tempo, dois aspectos importantes a mencionar sobre o leite argentino: as cotas para exportação de leites em pó ao Brasil já não existem e o consumo interno de lácteos tende a recuar (em função da elevada inflação em pesos e da alta taxa de juros). Assim, ainda que a produção argentina comece a desacelerar, o país tende a ter um excedente exportável importante e o Brasil como uma alternativa de mercado.

A conclusão deste cenário para o mercado brasileiro é de que, com preços de leite em dólares mais baixos, com produção crescendo (ainda que tenda a reduzir o ritmo de crescimento) e sem cotas de exportação (no caso argentino) há uma tendência de aumento das vendas de lácteos do Mercosul ao mercado brasileiro. De fato, o volume (em equivalente leite) importado pelo Brasil em setembro já é quase 20% maior do que em setembro de 2017. É bom ficarmos atentos!

VALTER BERTINI GALAN

Engenheiro agrônomo, mestre em Administração pela FEA/USP

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ADILSON LUIZ RAIMONDI

EM 05/12/2018

sou produtor, muito valida a informação prestada, e assim, sabemos que a produção leiteira da argentina está caíndo, mas mesmo assim eles venderam ao brasil 20% a mais que em 2.017.È sinal que o Brasil continua valorizando mais o mercado argentino que os nossos produtores.
VALTER BERTINI GALAN

SÃO PAULO - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA LATICÍNIOS

EM 05/12/2018

Olá Adilson,

Muito obrigado pelo comentário! Antes da desvalorização do Peso argentino e da consequente queda do preço do leite em US$ para os produtores de lá, a produção dele vinha crescendo cerca de 6% em relação ao ano passado.

Com a queda de preços, eles ficam muito competitivos aqui no nosso mercado mas, a tendência é de que comecem a reduzir sua produção (a 22 centavos de dólar por litro é inviável a produção de leite por lá!)

De qualquer forma, se verificarmos os números das importações brasileiras em novembro/2018, 60% do leite em pó importado foi da Argentina - sinal de que, pelo menso no curto prazo, estão bem competitivos (e agressivos) nas vendas aqui para o Brasil.

Um abraço!

Valter