FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Botão vermelho

POR BRUNO VARELLA MIRANDA

PANORAMA DE MERCADO

EM 15/04/2013

2
0
O que Kim Jong-un, o misterioso ditador da Coreia do Norte e muitos integrantes da cúpula do governo brasileiro têm em comum? A pergunta, a princípio, pode parecer maldosa. Apesar dos percalços, nossa democracia vai se consolidando, enquanto do lado de lá imperam o controle às ações dos cidadãos e uma estranha compulsão pelo domínio dos seus pensamentos. Somos conhecidos pelo pacifismo, o oposto do discurso de Pyongyang. Esqueçam a lógica norte-coreana do partido único, moldado a fim de sustentar a autoridade eterna de um clã; nos trópicos, temos dezenas de siglas, ainda que muitas delas se caracterizem por uma “interessante” estratégia: alinhamento automático com os donos temporários do poder. Assim sendo, o que aproxima Kim Jong-un de Dilma Rousseff e a elite de seus funcionários?

A resposta, ainda que indiretamente, está na mesa dos cidadãos que vivem em ambos os países. A princípio, é bem verdade, por urgências distintas. Em Brasília, a preocupação reside no preço do tomate; enquanto isso, em Pyongyang é possível que nesse exato momento burocratas estejam pensando em como consegui-los para evitar outra crise humanitária no futuro. No final das contas, porém, algo semelhante está em jogo: manter a capacidade de influenciar as ações de todos aqueles que, por algum motivo, têm interesse naquilo que cada governo diz. Para a Coreia do Norte, estamos falando do público doméstico – Exército, burocratas do partido do governo, indivíduos em geral –, e os antagonistas de sempre, como os sul-coreanos, japoneses e norte-americanos. Já o Brasil preocupa-se com os seus agentes econômicos, estejam eles no papel de consumidores ou empresários.

Sigamos um pouco mais com o raciocínio. No caso norte-coreano, um jovem autocrata utiliza velha estratégia – ameaçar os países vizinhos a trazer o caos para a Ásia – com o objetivo de garantir a consolidação do poder interno e a dissipação de qualquer ameaça externa. Ademais, é provável que queira trazer os rivais para a mesa de negociação em uma posição favorável a fim de obter favores, como doações de combustível e alimentos. Já os funcionários do governo brasileiro, ao falarem sobre a inflação, desejam que os agentes econômicos sigam acreditando no papel dos burocratas como guardiões da estabilidade de preços. Ministros, funcionários do Banco Central, e a própria presidenta, têm repetido o mantra de que o seu combate é um fim em si mesmo, e que tomarão todas as medidas necessárias para garantir que a escalada de preços não fuja de controle.

Em ambos os casos, quanto maior o descrédito, mais amargo o remédio. Não é casual que o governo brasileiro esteja tão preocupado com o que diz e com o que as pessoas interpretam sempre que o assunto é inflação. As autoridades sabem que estão diante de uma “batalha” também jogada no campo das expectativas, e cujos resultados começam a preocupar: conforme observou Delfim Netto em artigo recente na Folha de São Paulo, é crescente a parcela da população que acredita que a inflação tende a seguir semelhante ou piorar. E, para tristeza daqueles que gostariam que tudo fosse resolvido como em um complexo sistema de equações, o valor do “x” depende muito do humor daqueles que insistem em contradizer os resultados da teoria: a partir do momento em que as palavras perdem valor, desmoronam também as possibilidades de conseguir o fim desejado.

Por sorte, não estamos diante de uma decisão tão dramática como a de Kim Jong-un. Afinal, se a sua escalada retórica for desacreditada em algum momento, talvez só lhe reste apertar o botão vermelho e caminhar rumo à derrota. Em nosso caso, entretanto, o mau uso das palavras pode levar não apenas ao aprofundamento do problema da inflação, como a consequências negativas adicionais. O governo sabe que a reeleição depende, entre outros fatores, do controle inflacionário; por outro lado, teme que a sua obtenção acabe com qualquer ilusão de um crescimento econômico vigoroso às portas da disputa de 2014. Para acrescentar mais suspense ao enredo, esperar para tomar uma atitude pode levar a um aprofundamento de todos os possíveis desfechos: mais inflação, ainda menos crescimento...

Em resumo, é compreensível o dilema do governo brasileiro entre as possíveis alternativas para o desafio da inflação. O que incomoda é o discurso muitas vezes oscilante dos burocratas, o que abre espaço para a especulação. Vejam vocês, prezados(as) leitores(as), como são as coisas: Kim Jong-un, detentor de um discurso excêntrico, mas previsível, talvez não tenha a menor capacidade de concretizar as suas ameaças. A presidenta Dilma, por outro lado, provavelmente tem mais “armas” para combater a inflação do que uma estratégia no momento. Sem dúvida, é melhor estar no segundo barco; é preciso, porém, demonstrar um rumo claro, ou a água começará a entrar.
 

BRUNO VARELLA MIRANDA

Professor Assistente do Insper e Doutor em Economia Aplicada pela Universidade de Missouri

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

BRUNO BRESSAN DE CNOP

SANTO ANTÔNIO DE PÁDUA - RIO DE JANEIRO - EMPRESÁRIO

EM 16/04/2013

A água já começou a entrar faz tempo (inflação de 6% e crescimento < 1%), mas por enquanto o governo acha que dá para tirar na canequinha.  



Concertar o furo no casco do navio dá muito trabalho e não rende votos.
MARIO DORNELLES DE ALVARENGA

PERDÕES - MINAS GERAIS

EM 16/04/2013

Caro Bruno,talvez te interesse saber que a atual escalada inflacionária tem como base o aumento do consumo e a falta de oferta em geral,com mais dinheiro disponivel as pessoas tendem a consumir mais;o triste disso tudo é não ter a oferta,o BRASIL sofre de " incompetencia agudas lulo-petista" doença diaguinosticada a bem tempo, porem não tratada.