FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Aumento nas exportações: quem garante?

POR MAURÍCIO PALMA NOGUEIRA

PANORAMA DE MERCADO

EM 14/12/2005

5 MIN DE LEITURA

0
0

Apesar de todo o câmbio desfavorável, e a falta de tradição nas exportações, a cadeia agroindustrial do leite deverá computar novo saldo positivo no comércio internacional, mantendo-se como a "caçulinha" dentre as atividades agropecuárias que contribuem para o espetacular superávit do agronegócio brasileiro. O agronegócio é o grande setor da economia que mesmo em crise segue dando resultados e impulsionando o Brasil.

Outubro foi o mês em que o Brasil mais exportou produtos lácteos em sua história, tanto em volume como em faturamento. Em volume, transformando todos os produtos lácteos em equivalente-litros de leite, o Brasil exportou 81,2 milhões de litros no mês. O faturamento atingiu US$15 milhões. Em novembro, no entanto, as exportações caíram pela metade. Em grande parte, a causa foi a greve dos fiscais agropecuários, que atravancou as exportações. Um custo elevado para o Brasil.

No acumulado de 2005, a indústria brasileira já exportou mais de 2,3% da produção brasileira, um faturamento que atingiu a nunca alcançada cifra de US$111,12 milhões, no período de janeiro a novembro.

Em 2004, primeiro ano que as exportações superaram as importações, o superávit foi de US$11,46 milhões. No entanto, até outubro de 2004, a balança comercial de lácteos era desfavorável. O déficit totalizava US$985,3 mil. Comparando o déficit de 2004 com o superávit de 2005, o resultado do período de janeiro a outubro de 2005 é US$1,83 milhão melhor que o do ano anterior.

Não fosse a greve dos fiscais em novembro, e os resultados acumulados de 2005 seriam ainda melhores. A CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil) ainda trabalha com expectativa de que os resultados de dezembro recuperem as perdas de novembro. Em volume, as exportações de novembro de 2005 foram 48% inferiores às de novembro de 2004.

Com o câmbio baixo e a indústria anunciando que não compensa exportar, parece surpreendente que o Brasil continue batendo recordes e ampliando as vendas no mercado externo. No entanto, analisando de maneira mais detalhada, pode-se dizer que os primeiros passos foram dados e a importância do comércio externo já passa a ser fundamental para a pecuária leiteira. O superávit de 2004 não foi fogo de palha; não tem volta, o Brasil passa a depender do mercado externo para o sucesso do futuro da pecuária leiteira.

O país chegou na auto-suficiência, já produzindo excedentes de leite. É provável que o Brasil continue aumentando a produção no médio e longo prazo e rume para, definitivamente, ocupar um lugar de destaque tanto em produção, como em participação no mercado internacional.

Trabalhos desenvolvidos por "tradings", como a Serlac, ou mesmo por iniciativas individuais de diversas indústrias nos últimos anos vêm garantindo os resultados crescentes. Vale lembrar que o mercado internacional também vive um momento favorável, o que configura uma excelente oportunidade para o Brasil se consolidar internacionalmente. Evidentemente, que todas estas oportunidades consistem, num primeiro momento, em grandes desafios. Recentemente, em artigo publicado sob o título de "Fundo do Poço" (MilkPoint, 21/11/2005), o Dr. Paulo do Carmo Martins, pesquisador da Embrapa, resumiu o cenário para os próximos anos: a produção tende a crescer mais que o consumo; por maior exigência e competição, o Brasil terá mais dificuldades em aumentar as exportações; e, evidentemente, haverá cada vez menos apoio governamental para os lácteos.

Portanto, seja em marketing para o consumo interno ou em pesquisa, adaptação e melhoria de qualidade dos produtos para atender os mercados internacionais, o ambiente da pecuária leiteira, e todos os seus desafios, passa a ser outro. Ou o setor se adapta, ou a tragédia econômica não terá fim.

Em 2005, o câmbio por si só transformou-se num grande entrave para as exportações. Não só para a pecuária leiteira, mas todas as atividades agropecuárias sofrem com a valorização do real, em relação à moeda americana.

Em 2005, considerando o dólar comercial-venda, a cotação média da moeda americana ficou 16,5% abaixo da média observada em 2004. Atualmente, o dólar vale 23,8% menos em relação à média de 2004. Exportar, portanto, tem sido mais difícil, correto? De fato, mas mesmo assim o desempenho em 2005, quando comparado a 2004, tem sido melhor. Observe, na figura 1, as exportações de leite e derivados brasileiros no período de janeiro a novembro.
 


Na tabela 1 estão as variações porcentuais entre as exportações de 2005 e as de 2004.

Tabela 1: Evolução porcentual do faturamento em dólares, reais e nos volumes de equivalente litros de leite exportados pelo Brasil, no período de janeiro a outubro de 2005 em relação ao mesmo período de 2004.

 


Mesmo com resultados positivos na balança comercial ainda se argumenta que o faturamento em reais não favorece a exportação, pois houve a valorização do real ante o dólar americano.

Pois bem, tanto na figura como na tabela 1, pode-se observar que o faturamento, em reais, foi superior em 13,19% em 2005. Em dólares, o faturamento foi 36,6% superior, evidenciando a valorização da moeda nacional.

No entanto, no mesmo período de comparação com o ano de 2004, o preço do leite ao produtor variou apenas 4,16% em reais nominais. Ou seja, a indústria exportadora ainda está com saldo positivo. Observe, na figura 2, a evolução dos preços médios nacionais do litro de leite em dólares, no período de 2004 e 2005.

 


Para os últimos meses do ano, período que em 2004 registrou-se o grosso das exportações, o valor do leite brasileiro chega nos mesmos patamares observados em 2004. Mesmo com o câmbio cerca de 19% inferior ao mesmo período de 2004, os preços do leite em dólares deverão ficar apenas 2% superiores aos valores do mesmo período do ano anterior.

É o efeito das significativas quedas nos preços do leite ao produtor no mercado interno, o que evidencia quem realmente está garantindo os resultados da balança comercial. Quem está bancando é o produtor rural, que teve seus preços significativamente reduzidos.

Em 2005, de fato, a indústria segurou o "rojão" nos meses de abril e maio, quando o leite brasileiro realmente estava em valores mais altos, não compensando a exportação. Nesta época, honrando contratos, a indústria trabalhou com resultados inferiores. Mas no balanço do ano, as exportações consistiram em bons negócios para as indústrias. O mercado internacional está em alta, o que explica elevação dos preços em diversas regiões como Estados Unidos, Nova Zelândia e Europa. A intenção das indústrias é manter e investir nas exportações, especialmente as que participam da Serlac, lideradas pela Itambé.

MAURÍCIO PALMA NOGUEIRA

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint