ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Qual a verdadeira função de um bom inoculante e qual deles escolher na prática?

NOVIDADES DOS PARCEIROS

EM 08/10/2021

7 MIN DE LEITURA

0
0

Em todo o mundo temos uma estação em que as forragens são abundantes e outra por estiagem ou por frio, em que são escassas.

O advento da ensilagem foi uma das maneiras pelas quais o homem viabilizou a estocagem da forragem produzida no período em que elas abundam para alimentar seus rebanhos no período de escassez. 

A ensilagem nasceu no início do século XIX, quando um agricultor alemão imitou o processo de produção do chucrute na conservação da forragem para seu rebanho. O processo foi copiado por um agricultor francês que logo escreveu um livro contando suas experiências e através deste livro elas foram difundidas nos EUA e depois na Inglaterra.

Com o passar do tempo, e fruto da observação e da ciência, o processo foi sendo entendido e aperfeiçoado até chegar aos dias atuais.

Através das pesquisas e observações verificamos quais são os aspectos fundamentais para a conservação da silagem:

  1. A chave para uma silagem bem conservada é uma fermentação anaeróbica dominada por bactérias láticas (BAL).
  2. Uma boa fermentação necessita de um teor de açúcares solúveis suficiente para produzir todo o ácido lático necessários para neutralizar o efeito tampão e baixar o pH a um nível que garanta a estabilidade da silagem.
  3. Um teor de matéria seca (MS) (aw: atividade aquosa, ou água livre) que permita o desenvolvimento das BAL. Pois o teor de MS pode afetar o volume de efluentes, o crescimento das bactérias e a compactação da silagem. A atividade das bactérias diminui à medida que a MS aumenta (cai a aw) e o pH cai. MS muito alta, inibe o crescimento das BAL, prejudica a compactação e aumenta o desenvolvimento de fungos e leveduras.

As etapas para alcançar a estabilidade da silagem são:

  • Fase aeróbica:

Esta fase inicia com o corte da forragem e cessa quando se consome o oxigênio dentro do silo. Nesta fase, as enzimas da forragem hidrolisam os carboidratos compostos (açúcares, amido, hemicelulose) a açúcares solúveis, que são o alimento que as BAL utilizam para produzir ácido lático. Essas enzimas também hidrolisam proteínas (proteólise) a peptídeos, aminoácidos, aminas e amônia. A proteólise é indesejada para ruminantes e o nível de amônia de uma silagem é um bom indicador da sua qualidade. A respiração da forragem é nociva porque produz perda de MS e de açúcares solúveis (que se transformam em CO2, água e calor), os quais são indispensáveis às BAL (Bactérias ácido Láctica).

Também, enquanto durar a respiração, os microrganismos aeróbicos se multiplicam, são eles: fungos, bactérias acéticas, bacilos e leveduras, estas últimas podem respirar ou fermentar e se desenvolvem em maior proporção quando respiram. A multiplicação destes microrganismos compromete a estabilidade aeróbica quando o silo for aberto.

Esta fase é inevitável, mas reduz tanto mais, quanto melhor for a compactação.

  • Fermentação:

O processo de fermentação é o fundamento da conservação da silagem. Os açúcares solúveis são transformados em ácido lático, o pH cai e com ele, se alcança a estabilidade da silagem até a abertura do silo.        

Em silagens bem fermentadas, à medida que cai o pH, as enterobactérias se inativam e as BAL predominam na fermentação. Quanto mais rápida for a queda do pH, menores serão as perdas de MS e energia.

Ao contrário, quando a fermentação é lenta ou insuficiente, os clostrídios podem predominar no lugar das BAL. Estes preferem MS baixa, assim, silagens com MS ao redor de 30% não costumam ter predominância de clostrídios.

A qualidade da fermentação incide diretamente na produtividade e consumo do rebanho.

Em situações normais deve-se usar bactérias láticas, pois essas bactérias são responsáveis pela produção de ácido lático que fará com que a silagem se estabilize rapidamente (48 horas aproximadamente) desde que a concentração das bactérias do inoculante sejam adequadas e esse inoculante tenha sido armazenado refrigerado (bactérias láticas enquanto inativas são sensíveis a altas temperaturas).

A literatura mostra muitos resultados em desempenho e redução de perdas como os apresentado a seguir:

Efeito da qualidade da fermentação no ganho de peso de gado de corte sem suplementação da ração (Kg/dia).

Efeito da qualidade da fermentação no ganho de peso de gado de corte sem suplementação da ração (Kg/dia)

Esta segunda tabela mostra o efeito do tratamento com (CON) e sem (MC) inoculante na silagem de milho, no desempenho de vacas leiteiras. E em seguida temos o gráfico floresta da meta-análise de Oliveira et all., 2017, mostrando os efeitos da inoculação sobre a produção de leite (Kg/d) em vacas leiteiras (0,37 Kg/d) (p= 0,056).

Efeito do tratamento com (CON) e sem (MC) inoculante na silagem de milho, no desempenho de vacas leiteiras.

Gráfico floresta da meta-análise de Oliveira et all., 2017, mostrando os efeitos da inoculação sobre a produção de leite

  • Abertura do silo:

Quando o silo é aberto, os microrganismos aeróbicos começam a se multiplicar. O primeiro sinal de instabilidade aeróbica é o aquecimento da silagem, seguido pelo aumento do pH, e acontece quando a silagem foi mal compactada.

Os microrganismos envolvidos na instabilidade aeróbica são os fungos, leveduras, bacilos e algumas BAL, que em aerobiose se alimentam do ácido lático.

Alguns cuidados para diminuir os riscos de instabilidade aeróbica:

  • Corte, enchimento e fechamento do silo de forma rápida;
  • boa compactação;
  • retirada diária suficiente;
  • não abalar a frente do silo;
  • quando, por qualquer motivo, a compactação for prejudicada, utilizar bactérias produtoras de ácido acético e ácido propiônico, que atuam como fungistáticos, como inoculantes.

Quando temos falha nas boas práticas de confecção de silagem (baixa compactação, silagens passadas do ponto de corte, com teor de MS alto ou silagem de difícil compactação), vamos a outra opção que os inoculantes podem ter.

Para esses casos devemos utilizar além das bactérias láticas, bactérias propiônicas ou bactérias heterofermentativas (L. buchneri, que produzem também ácido acético). Tanto o ácido acético quanto o ácido propiônico possuem ótima ação fungistática, sendo o ácido propiônico o mais eficiente 15 a 16 vezes mais forte que o ácido acético. Essa ação fungistática é importante pois o aumento de temperatura no painel do silo é causado por fungos, que também produzem micotoxinas.

Em seguida estão os resultados com a bactéria Propiônica e o L. buchneri:

  • Efeitos na estabilidade da silagem:

Profundidade da penetração de ar e fatia retirada diariamente na temperatura da silagem. MS aproximada 35%.

Profundidade da penetração de ar e fatia retirada diariamente na temperatura da silagem

Ins = Instável                                     S3 = Estável por 3 dias                                  S = Estável por 7 dias

No trabalho de Dawson et all.,(1998) foi observado o efeito da bactéria propiônica na temperatura do grão úmido ensilado durante a exposição aeróbica, mostrando que a silagem inoculada teve uma temperatura menor nos dias 3 e 4 de exposição aeróbica.

Efeito da bactéria propiônica na temperatura do grão úmido ensilado durante a exposição aeróbica

Neste mesmo trabalho podemos ver que a contagem de fungos e leveduras também foi menor quando utilizado a bactéria propiônica:

Contagem de fungos e leveduras utilizando a bactéria propiônica

Efeito da Propionibacterium acidipropionici

São poucos os estudos que abordam o impacto da inoculação com L. buchneri sobre o desempenho animal, mas nesses trabalhos podemos verificar que a alimentação de silagem inoculada com L. buchneri não melhorou a produção de leite e o consumo de matéria seca das vacas leiteiras em lactação.

Desempenho das vacas leiteiras alimentadas com rações contendo silagem de milho inoculada com L. buchneri

Impacto da inoculação com L. buchneri sobre o desempenho animal

Schmidt et al. (2009) sugeriu que os inoculantes L. Buchneri precisa de pelo menos 45 dias para melhorar a estabilidade aeróbia. Isso é apoiado na meta-análise (Arriola et al., 2021) porque a magnitude da melhoria na estabilidade aeróbia foi maior após 90 dias de ensilagem, e uma tendência semelhante foi evidente após 61 a 90d versus durações de ensilagem mais curtas.

A meta-análise de Kleinschmit e Kung (2006) mostrou que a estabilidade aeróbia de silagem de milho não tratada (25 h) foi aumentada para 35 h quando inoculado com L. Buchneri com ou abaixo de 1 × 105 ufc/g e a 503 h com mais de 1 × 105 cfu /g. Mostrando que a estabilidade aeróbia aumentou apenas com taxas de 1 x 105, 1 x 106 e ≥ 1 x 107 ufc /g.

Estabilidade aeróbia

Nada substitui as boas práticas para a confecção de silagem, o inoculante é uma ótima ferramenta para padronização da fermentação. Em situação normal a escolha vai ser sempre as bactérias láticas pois tem o poder de diminuir as perdas e melhorar a palatabilidade e o desempenho dos animais.

No caso de silagens de difícil compactação ou falhas no ponto de colheita, bactérias propiônicas e L. Buchneri são duas ótimas opções para minimizar o problema que com certeza vai ocorrer. Mas existem trabalhos que o L. Buchneri diminuiu consumo de MS e aumentou a perda de MS nas silagens.

Clique aqui e saiba mais.

 

Fontes:

W.C. Frazier – Microbiologia de los alimentos.

Pelczar y Reid – Microbiologia

Principles of silage preservation – dairyaustralia.com.au

 

Este é um conteúdo da Kera Nutrição Animal.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint