ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Nutrição funcional, mais uma ferramenta para encarar o período de transição das vacas leiteiras

NOVIDADES DOS PARCEIROS

EM 18/05/2021

5 MIN DE LEITURA

2
3

As últimas semanas antes do parto até o puerpério (os 20 dias após o parto) são uma etapa desafiadora para as vacas leiteiras. Durante esse período de transição, há uma maior incidência de patologias metabólicas e de infecções relacionadas. As patologias metabólicas durante a transição (Figura 1) afetam negativamente a produção de leite da lactação inteira, a fertilidade, a função do sistema de imunidade e a vida produtiva dos animais. Os fatores de risco mais importantes para as alterações do metabolismo estão concentrados nas últimas 3 semanas antes do parto.

Patologias metabólicas

Figura 1: Patologias metabólicas: fatores de risco para o desempenho produtivo, reprodutivo e da saúde (Fantini, 2017)

As fazendas leiteiras que não superlotam o barracão, que manejam um lote pré-parto e que separam primíparas de multíparas, conseguem diminuir o estresse. Porém, cuidados adicionais de dimensão, higiene e temperatura são necessários. O manejo alimentar segue um programa de preparação. O rúmen demora pelo menos 40 dias, para se adaptar totalmente a uma nova dieta. O teor de proteína bruta e carboidratos não estruturais (amidos e açúcar) deve ser incrementado gradualmente, desde o pré-parto, para que a capacidade de absorção do rúmen também aumente, tendo em vista a grande quantidade de ácidos graxos voláteis que serão produzidos com a dieta de lactação. O ideal é o fornecimento de três dietas diferentes aos animais: uma para o período seco, a segunda pré-parto e a última para vacas recém paridas. 

Especial atenção merece a tendência de diminuição da gestação para 275 dias na raça Holandesa, fato que poderia diminuir a duração do manejo pré-parto. A pior combinação possível, é o reagrupamento de animais muito próximo do parto, junto a altas concentrações de nutrientes na dieta. A consequência, é o alto risco de desenvolvimento de acidose ruminal subclínica (sem sinais clínicos), que causa redução no consumo alimentar, ainda maior que o apresentado fisiologicamente, piorando os balanços negativos de energia (BEN) e proteína (BPN). O BEN e o BPN levam a uma forte perda de peso dos animais depois do parto e também, ao excessivo acúmulo hepático de ácidos graxos (elevando o risco de fígado gorduroso e cetose subclínica, mesmo antes do parto). Quando a acidose ruminal subclínica ou a cetose metabólica ocorrem antes do parto, existe um alto risco de desenvolvimento de fígado gorduroso, deslocamento do abomaso, metrite, mastite e menor fertilidade (Figura 2).

Interconexões de patologias metabólicas

Figura 2: Interconexões de patologias metabólicas (Fantini, 2005)

Durante os últimos 40-60 dias de gestação, há um elevado risco também para as desordens minerais. Excesso de cálcio, fósforo e/ou deficiência primária ou secundária de magnésio, cloro e enxofre expõem os bovinos a risco de hipocalcemia durante o pós-parto: o sinal clínico mais relevante é o colapso puerperal. Essa patologia metabólica altera os músculos e as funções imunológicas mediadas por células. Os animais afetados comem menos, piorando o BEN e o BPN, além de apresentarem menor contratilidade dos esfíncteres dos mamilos (com alto risco de mastite) e do músculo uterino (com alto risco de metrite puerperal).

Uma maior concentração de nutrientes na dieta pré-parto garante uma boa ingestão de carboidratos e proteínas, minimizando a produção de AGNE e corpos cetônicos. Durante o período seco, a microbiota do rúmen produz uma menor quantidade de ácidos graxos voláteis e as vilosidades ruminais são menos estimuladas. O intuito de incrementar a concentração alimentar de carboidratos é aumentar a produção de propionato pela microflora do rúmen, levando ao rápido crescimento de vilosidades ruminais (esse processo leva de 6 a 8 semanas). A suplementação de amido (sua fermentação produz ácido propiônico, que é o precursor mais importante da glicose) mantém a glicemia e reduz a produção de corpos cetônicos e AGNE. A quantidade exata de amido não está definida, porém, muitos autores sugerem 24%, no entanto, esse é um percentual arriscado se o manejo do pré-parto for inferior a 20 dias.

A proteína bruta (PB) da dieta, durante o período seco, é comumente de 12% e isso segura a correta fermentação ruminal e o adequado fornecimento de proteína metabolizável. No final da gestação, recomenda-se aumentar a PB para 14%, com os 2% adicionais em fontes de proteína protegidas da ação ruminal. Para que se reduza a produção de AGNE, corpos cetônicos e a perda de proteína muscular materna, sugere-se que do total de PB, a proteína degradável no rúmen seja 60-65% e a proteína solúvel 30-35%.

A diminuição fisiológica da ingestão alimentar, que piora nos últimos dias de gestação, especialmente em vacas multíparas (Figura 3), deve ser enfrentada mesmo sem problemas de saúde subclínicos. A nutrição clínica e funcional têm um papel central na transição; a suplementação com colina microencapsulada durante este período mostrou efeitos positivos na saúde e produção de leite das vacas de elevado desempenho. A metionina microencapsulada (aminoácido doador de grupos metil de estreita relação metabólica com a colina), também implica em melhora da saúde, produção (quantidade e composição do leite) e reprodução das vacas suplementadas desde a transição e, na prática, sua utilização vem ganhando espaço em fazendas onde não é possível ter um grupo de vacas recém paridas.

Consumo alimentar antes do parto

Figura 3: Consumo alimentar (% de peso corporal) antes do parto

Além de sua função na síntese de proteína, é importante lembrar que os aminoácidos são parcialmente usados também na produção de glicose. A necessidade de glicose aumenta de 1 kg/vaca/d no final da gestação para, no mínimo 2,5 kg/vaca/d após o parto. A metionina é o aminoácido essencial mais importante na nutrição das vacas leiteiras. A metionina e a colina microencapsuladas estão entre os nutrientes protegidos da ação ruminal mais recomendados para o uso durante a transição. A colina (também doador de metil), é fortemente envolvida no metabolismo hepático: sua deficiência é um dos fatores predisponentes mais importantes da esteatose hepática (fígado gorduroso) das vacas leiteiras.

Fontes microencapsuladas de colina e metionina foram cuidadosamente desenvolvidas pela Vetagro, que conseguiu equilibrar a concentração inicial, a proteção da ação ruminal e a digestibilidade intestinal para biodisponibilizar esses nutrientes às vacas. A Farmabase distribui as soluções nutricionais da Vetagro, apoiando o setor leiteiro no Brasil. 

Quer saber mais? Clique aqui e fale conosco!

 

Este é um conteúdo da Vetagro.

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

RICARDO ALEXANDRE NUNES BORGES

SÃO JOAQUIM SÃO JOSÉ - SANTA CATARINA - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 08/06/2021

Muito esclarecedora matéria. Sou técnico de campo no Sul do Estado de SC. Onde consigo os produtos da vetagro aqui no extremo sul Catarina se?
WEILER CERUTTI

FREDERICO WESTPHALEN - RIO GRANDE DO SUL - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 08/06/2021

Olá Ricardo boa tarde. Pode entrar em contato no telefone: 019 97143 7035
MilkPoint AgriPoint