FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

ATENÇÃO, AS MICOTOXINAS PODEM ESTAR ROUBANDO O SEU LUCRO

NOVIDADES DOS PARCEIROS

EM 13/11/2020

4 MIN DE LEITURA

1
1

Atualizado em 13/11/2020

Segundo estudos, atualmente,  cerca de 25% de todos os produtos agrícolas produzidos no mundo estão contaminados com alguma micotoxina. Essas substâncias  são compostos secundários, altamente tóxicos, produzidos por certos fungos ou leveduras em condições de campo, durante o transporte ou durante o período de armazenamento dos alimentos, quando as condições são favoráveis para o seu crescimento.

Os alimentos fornecidos aos animais podem apresentar mais de um tipo de micotoxina, e os seus efeitos podem ir desde uma pequena redução no desempenho produtivo (redução no crescimento e uma piora na conversão alimentar) a distúrbios metabólicos, fisiológicos, nervosos, imunológicos, reprodutivos e até a mortalidade dos animais, com grandes prejuízos econômicos.

O QUE DEVEMOS SABER SOBRE AS MICOTOXINAS

As micotoxinas de particular interesse na alimentação dos animais são as aflatoxinas, tricotecenos, zearalenona, ocratoxinas e fumonisinas, embora a extensão do dano que cada toxina (grupo) pode causar é altamente dependente da espécie.

 

A mais conhecida é a aflatoxina, por ser uma das substâncias potencialmente mais cancerígena conhecida até o momento.

A micotoxina zearalenona (imagem abaixo) comum nas culturas de milho, trigo, feno e gramíneas, principalmente em temperaturas amenas (dias quentes e noites frias) e de alta umidade. Causa problemas no sistema reprodutivo, sendo os principais destaques a baixa fertilidade (retorno ao cio, vulva inchada, inflamação de glândulas mamárias e anestro). Foi a micotoxina com maior prevalência nas silagens de milho dos estados do Paraná, Santa Catarina e Minas Gerais, de acordo com um estudo realizado pela Universidade Federal do Paraná.

COMO OCORRE A CONTAMINAÇÃO DOS ALIMENTOS

As micotoxinas podem estar presentes em grãos (milho, trigo, entre outros) e os seus subprodutos (farelos vegetais) usados nas rações animais, como também silagens e fenos. A contaminação por fungos pode ocorrer ainda no campo (pré-colheita) ou durante o armazenamento. Dessa forma, rações produzidas com grãos e farelos contaminados já podem conter significativas quantidades de micotoxinas. A contaminação pode continuar durante o transporte, em cargas mal protegidas contra a umidade. Entretanto, o maior risco de contaminação por fungos/micotoxinas ocorre durante o armazenamento, feito muitas vezes em local inadequado (umidade, local pouco ventilado e quente, presença insetos, entre outras).

Em silagens, os fungos não crescem durante a fase anaeróbica devido à sua baixa tolerância a ambientes ácidos e sem oxigênio. Assim, a produção de micotoxinas durante o processo de fermentação pode ser considerada insignificante se o manejo correto e práticas como compactação e vedação adequadas são aplicadas.

Já em fazendas onde há erros de manejo de silos, a atividade dos fungos filamentosos é iniciada a partir da elevação do pH. Essa situação se dá, pela ação das leveduras (fungos unicelulares) que crescem e se tornam ativas a partir da introdução de oxigênio no silo, consumindo o lactato (elevação do pH da silagem), promovendo dessa forma um ambiente favorável ao crescimento dos fungos filamentosos.

No entanto, a fase de pré-colheita parece ser a mais importante para a contaminação de folhas, caules, espigas e grãos de milho por  Fusarium. Plantas de milho danificadas produzem uma alta concentração de zearalenona na silagem em comparação com plantas saudáveis.

Outra fase importante a destacar é a de alimentação dos animais, durante o qual o acúmulo e a exposição de alimentos úmidos nos silos e nos cochos por longos períodos, favorece a contaminação por fungos e a presença de micotoxinas.

PODEMOS REDUZIR OS EFEITOS NEGATIVOS DAS MICOTOXINAS?

A ausência de fungos não implica na ausência de micotoxinas. Dessa forma, para garantir a proteção dos animais, a indústria de alimentação animal e as fazendas têm utilizado os aditivos anti-micotoxinas (adsorventes de micotoxinas), com o objetivo de reduzir a sua absorção no trato gastrointestinal dos animais.

Esses aditivos devem ser capazes de adsorver, biotransformar ou neutralizar as micotoxinas no trato gastrointestinal, reduzindo a exposição e a distribuição ao organismo, sendo logo eliminadas via fezes.

Para avaliar o efeito do aditivo anti-micotoxinas à base de bentonita (TOXFREE MILKPOWER), foi realizado uma administração experimental in vivo, em 24 novilhas de corte com um alto desafio de 5.000 ppb (5mg/kg) da micotoxina zearalenona, via alimento. O tempo de fornecimento foi de 42 dias, sendo o seu término sincronizado com o início do protocolo reprodutivo de inseminação artificial em tempo fixo (IATF). Foram avaliados aspectos clínicos e a taxa de concepção dos animais.  Aos 30 dias da inseminação artificial, foi realizado o diagnóstico de gestação por ultrassonografia, com os resultados apresentados no gráfico abaixo.  (UFSM/RS, Embryolab, Lamic e Samitec).

Pelo que foi apresentado, os animais todos os dias são desafiados através do fornecimento de alimentos  que podem estar contaminados por micotoxinas. A Agrifirm possui em seu portfólio a linha de produtos Toxfree, com diversos testes in vitro e in vivo os adsorventes de micotoxinas mais eficazes do mercado, que deixam esta sua eficácia evidente e com isso se diferenciam bem das demais soluções. 

Proteja seu rebanho contra esse inimigo silencioso que afeta a reprodução, a saúde e a produtividade das vacas leiteiras, forneça o Toxfree Milkpower.

Dúvidas? Entre em contato com a Agrifirm pelo Box abaixo.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

INNOVAR AGROP FORQUILHINHA

FORQUILHINHA - SANTA CATARINA - REVENDA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS

EM 16/11/2020

Com os avanços na genética, nutrição e produtos de hoje, melhoramos muito em relação às décadas anteriores, entretanto cada dia que passa descobrimos mais e mais fatores que influenciam diretamente a saúde e a produção das vacas leiteiras, e a micotoxina é uma delas, muito presente na região sul onde atuamos, principalmente devido a amplitude térmica durante o dia, fizemos centenas de análises e chegamos a uma conclusão inequívoca: é indispensável a suplementação de aditivos adsorventes de micotoxinas na alimentação dos rebanhos leiteiros, reprodução melhora, produção melhora, e o retorno do investimento é certo.
MilkPoint AgriPoint