FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Ações corporativas incentivam mulheres a assumir cargos de liderança no agro

NOVIDADES DOS PARCEIROS

EM 17/08/2020

3 MIN DE LEITURA

0
0

Com o objetivo de debater a diversidade, com foco no posicionamento e na importância da presença da mulher no campo para os novos rumos do setor, o Congresso Nacional das Mulheres do Agronegócio (CNMA) e a Yara promoveram, na manhã desta quinta-feira (13), uma live que fez parte da programação que antecede o evento.

O encontro virtual, que contou com a moderação do professor e jornalista José Luiz Tejon, teve a participação de três mulheres que se destacam nas discussões quanto a importância da presença feminina em cargos de decisão nos negócios ligados ao agro: a diretora de Operações e Logística da Yara Brasil, Márcia Silva; a presidente da Sociedade Rural Brasileira, Teresa Vendramini e a gerente de Projetos da ONU Mulheres, Adriana Carvalho.

Primeira mulher a assumir um cargo de diretora de Operações na Yara Brasil, Marcia Silva iniciou a conversa destacando a importância de ações e diretrizes por parte das empresas, a fim de incentivar e dar apoio às mulheres no crescimento profissional. “A diversidade tem que fazer parte do negócio de toda organização. Nós da Yara temos um olhar atento para essas questões, não só na unidade Brasil como também na nossa sede na Noruega”, destacou.

Segundo a diretora da Yara, a empresa possui um programa interno que procura permear e equilibrar as ações e contratações, bem como estimular o crescimento da mulher em cargos de liderança. Ela destacou que quando o programa teve início, 12% desses postos de trabalho eram ocupados por mulheres e hoje esse número chega a aproximadamente 20%.

“Esse projeto busca dar às mulheres de nossa equipe condições para que cresçam profissionalmente, oferecendo igualdade e apoio. Nós, mulheres que já ocupamos cargos de liderança passamos a dar consultorias e ‘adotar’ profissionais da equipe, visando oferecer experiências e mostrar que são capazes de crescer na empresa, mesmo com os desafios impostos pela sociedade”, enfatizou.

Para Teresa Vendramini, exemplos como da Yara são muito importantes para que as mulheres ocupem os postos de protagonismo no mundo dos negócios. “Hoje quando uma mulher assume um cargo de liderança no agro, nós comemoramos, pois ainda temos um setor marcado pela presença de homens. Quanto mais as empresas incentivarem a apoiarem as mulheres, essa comemoração não será necessária, pois esse será um acontecimento normal”, disse a presidente da SRB.

“Ainda temos muitos desafios, mas acredito que temos que nos impor e superá-los diariamente, sem usar da autovitimização. Mesmo sendo mulheres podemos fazer com que o machismo não seja repassado aos filhos e netos, alterando assim muitas das concepções que ainda estão enraizadas em nossa sociedade”, acrescentou ela.

Neste conceito, a gerente de projetos da ONU Mulheres destacou que a mulher deve se dedicar sim a conhecer seus obstáculos para obter um melhor resultado, mas de certa forma ignorá-los em alguns momentos para superá-los sem se sentir menor. “Temos que mudar esse sentimento de inferioridade dentro de nós e na nossa volta. Ainda somos criadas com conceitos machistas. Precisamos nos abrir para essa conversa”, ressaltou ela.

Para Marcia, o fato de estar rodeada por homens no ambiente de trabalho não deve gerar na mulher um medo de ‘mostrar fraquezas’. “Somos seres humanos e temos nossas responsabilidades fora do ambiente de trabalho. A pandemia me mostrou muito isso, pois devido a minha postura em sempre expor questões femininas, como filhos e cuidados com a casa, muitos companheiros de trabalho se sentiram mais livres para também compartilhar desses momentos vividos em casa durante as reuniões de trabalho”, contou ela.

Adriana encerrou sua fala incentivando as participantes a expandir seus horizontes pessoais, por meio da busca por conhecimento e entrando em contato com histórias de outras mulheres que trazem exemplos de força e determinação.

A diretora da Yara destacou também a importância do autoconhecimento e da sororidade. “Descubra sua essência. Tenha a segurança e a tranquilidade de ser quem você é. Não tente mascarar quem você é para que o outro te inclua. Cada um tem sua história de fracassos e conquistas e, por meio dela podemos ajudar quem está chegando. Juntas somos mais”, ressaltou ela.

As informações são da Assessoria de Imprensa do Mulheres no Agro.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint