FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Relação entre intervalo parto/concepção e taxa de descarte ou morte na lactação subsequente

POR RICARDA MARIA DOS SANTOS

E JOSÉ LUIZ MORAES VASCONCELOS

JOSÉ LUIZ M.VASCONCELOS E RICARDA MARIA DOS SANTOS

EM 18/03/2010

2 MIN DE LEITURA

1
0
O intervalo parto/concepção depende de múltiplos fatores, como: período voluntário de espera (período definido por cada fazenda); taxa de detecção de cio e concepção; técnicas de IA; estação do parto; raça das vacas; tamanho do rebanho; produção do rebanho; e número de lactações. Esse período tem sido bastante usado como medida de sucesso do manejo reprodutivo.

Sabe-se que vacas com maior intervalo parto/concepção têm mais problemas de saúde, inclusive maior chance de serem descartadas. Vacas com maior intervalo parto/concepção têm maior risco de ganharem muito peso até o final da lactação, pois a produção de leite dessas vacas cai num ritmo maior do que a ingestão de matéria seca, e elas acabem sendo superalimentadas. Essas vacas têm maior risco de morte ou de serem descartada, por serem mais susceptíveis as doenças metabólicas, isso é conhecido como "Síndrome da Vaca Gorda".

Durante o início da lactação, a gordura corporal é utilizada como fonte de energia, aumentando a disponibilidade de ácidos graxos. No entanto, o fígado da vaca gorda tem uma menor capacidade de oxidação desses ácidos graxos do que a vaca magra, o que favorece o desenvolvimento da cetose e outras doenças metabólicas.

Estudos mostram que vacas com escore de condição corporal acima de 4 (ECC > 4) na secagem, tem mais chances de desenvolverem cistos ovarianos, problemas de casco, e problemas reprodutivos, incluindo metrite (GEARHART et al., 1990), e mais chances de desenvolverem febre do leite (HEUER et al., 1999). O intervalo parto/concepção longo também resulta em período seco mais longo em algumas raças e cruzamentos, devido à menor persistência da lactação, o que contribui ainda mais para o ganho de peso excessivo.

O aumento da condição corporal pode não ser a única explicação para a associação entre maior intervalo parto/concepção e aumento do risco de morte e descarte na lactação subseqüente. É possível que problemas de saúde existentes antes da falha de concepção possam contribuir para o risco de descarte ou morte no inicio da lactação subsequente.

Uma preocupação crescente entre os produtores de leite dos EUA é a redução da taxa de sobrevivência das vacas. Entre os anos de 1980 a 2000, foi registrada uma redução de 4,0 a 6,3 na porcentagem de sobrevivência de vacas de segunda e terceira lactação, respectivamente (HARE et al. 2006). Outro estudo registrou aumento de 1,6% na taxa de mortalidade de vacas por lactação de 1995 a 2005 (MILLER et al., 2008).

O grande risco de descarte é no período inicial da lactação ou 420 dias após o parto. O estudo de Pinedo, P.J. e De Vires (2010) mostrou que o aumento do intervalo parto/concepção de 90 para mais de 300 dias dobrou o risco da vaca ser descartada viva ou morrer no periparto (Tabela 1).

Tabela 1. Risco de morte e de descarte vivo no periparto de acordo com intervalo parto/concepção na lactação anterior, duração do período seco e número de lactações (adaptado de Pinedo, P.J. e De Vires, 2010).

Clique na imagem para ampliá-la.

Uma pergunta que sempre surge nas fazendas é até quando devemos continuar dando chances para as vacas que não concebem. Baseados nesses dados da relação entre intervalo parto/concepção e taxa de descarte ou morte na lactação subsequente, podemos começar a pensar se vale a pena darmos tantas chances para as nossas vacas que não concebem dentro do período previsto.

Este texto é parte do artigo: Effect of days to conception in the previous lactation on the risk of death and live culling around calving, publicado no Journal of Dairy Science, 93:968-977, 2010, pelos autores Pinedo, P.J. e De Vires, A.

RICARDA MARIA DOS SANTOS

Professora da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Federal de Uberlândia.
Médica veterinária formada pela FMVZ-UNESP de Botucatu em 1995, com doutorado em Medicina Veterinária pela FCAV-UNESP de Jaboticabal em 2005.

JOSÉ LUIZ MORAES VASCONCELOS

Médico Veterinário e professor da FMVZ/UNESP, campus de Botucatu

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

EDER GHEDINI

TAPEJARA - RIO GRANDE DO SUL

EM 18/03/2010

Olá professores!
Tendo em vista um bom manejo reprodutivo e a cosequente otimização da atividade, leiteira no caso, o intervalo de parto/concepção não deveria ultrapassar 60 dias, sendo que seu período lactacional durante o período ficaria em 305 dias, certo?Temos assim a máxima exploração da atividade fechando nos 365 dias, correspondente a um ano. Se excedermos este intervalo, por falhas no manejo, certamente teremos prejuízo, que ao passar do tempo em aberto, aumentará significativamente. Neste caso, o animal torna-se inviável na propriedade, e contribuirá para o descarte involuntário. As taxas de mortalidade em função de doenças metabólicas, aqui em minha região, não são tão expressivas, já o descarte involuntário é crescente. Animais obesos, com escore acima de 4, serão sempre um problema, e essa ponto será sempre crucial na atividade, para tanto, o manejo nutricional será o fator preponderante. Tem se visto e muito, é que animais com potencial/expressão genética para produção de leite, requerem alimentação farta e balanceada, creio eu que tem se pecado muito neste quesito, onde propriedades sem um acompanhamento adequado para tal, acabam contribuindo para o chamado efeito dominó, com consequências desastrosas, das quais, as reprodutivas. Desde já agradeço o espaço, desejando a vocês um cordial abraço!
MilkPoint AgriPoint