FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Preço das Perdas Reprodutivas

POR RICARDA MARIA DOS SANTOS

E JOSÉ LUIZ MORAES VASCONCELOS

JOSÉ LUIZ M.VASCONCELOS E RICARDA MARIA DOS SANTOS

EM 05/11/2009

4 MIN DE LEITURA

8
0
É difícil colocar preço nas perdas econômicas causadas por um programa reprodutivo ineficiente. Diferente da redução da produção diária de leite que vai resultar na redução do pagamento no mês seguinte, ou do aumento da incidência de mastite que vai causar um aumento imediato nos gastos com medicamentos e descarte de leite, as perdas com reprodução só são percebidas no longo prazo.

Mas mesmo não percebendo as perdas com reprodução de forma rotineira como as dos outros setores da fazenda, a lucratividade da fazenda reduz quando a eficiência reprodutiva não esta indo bem, o problema é que é mais difícil de contabilizar essas perdas.

São quatro as áreas básicas de perda com reprodução:
1. Intervalo entre parto muito longo ou muito curto
2. Período seco muito longo ou muito curto
3. Desempenho da inseminação, principalmente baixa taxa de concepção
4. Novilhas muito velhas ao parto

A boa notícia é que a maioria dos desses problemas podem ser resolvidos sem grandes investimentos, com apenas alguns ajuste de manejo.

Manutenção das anotações é a raiz do sucesso de um programa de reprodução

Uma das mais importantes ferramentas necessárias para aumentar a eficiência reprodutiva de um rebanho é manter um sistema de anotações em ordem e atualizado constantemente. Existem uma grande de variedade de sistemas que podem ser usados, desde os mais simples, como a roda de controle da reprodução do rebanho, até softwares mais sofisticados, mais o importante é que esses sistemas sejam alimentados com dados corretos e constantemente.

Quatro dados devem ser anotados corretamente para que a inseminação, o diagnóstico de gestação e a secagem sejam realizados na data certa. São eles:

Data do parto e do final do período voluntário de espera: O programa reprodutivo se inícia a partir da data do parto. Vacas que depois de 21 dias após o final do período voluntário de espera não foram inseminadas deveriam ser avaliadas por um veterinário. Uma prática recomendável é que todas as vacas sejam examinadas ao final do período voluntário de espera, para que seja avaliado se as mesmas estão ciclando, ou para identificar e tratar algum provável problema.

Cios: Todos os cios deveriam ser anotados, para se obter o intervalo entre cios e a previsão do retorno. Isso ajuda a identificar as vacas em anestro. Para aumentar a eficiencia de detecção de cio use as dicas apresentadas no radar: Dez prioridades de um programa de observação de cio bem sucedido, publicado em 18/10/2006.

Inseminações: Anotar com acurácia as datas das coberturas é importante para que o diagnóstico de gestação seja feito com eficiência. Com isso as vacas diagnósticadas como vazias podem ser tratadas para que sejam inseminadas o mais breve possível, sem nenhum risco.

Concepção: As anotações corretas da data da concepção permitem que a segagem seja realizada no momento adequado. Essa informação é particulamente importante nas fazendas que usam período seco mais curto, pois a margem de erro fica menor, e se a vaca for seca muito tarde pode ocorrer um comprometimento da lactação subsequente.

Comparando seus resultados com as metas

Existem algumas metas estabelecidas para o programa de reprodução. O importante é fazer uma comparação da realidade do rebanho com essas metas para que sejam identificados os pontos problemáticos e medidas apropriadas sejam tomadas.



Preço das perdas em eficiência reprodutiva

Não existe melhor maneira de ilustrar o valor de um programa reprodutivo bem conduzido do que identificar as possíveis perdas econômicas. Como a ineficiência reprodutiva não resulta de imediato num menor pagamento no final do mês, ela só será percebida quando o dia médio em lactação do rebanho estiver muito alto, alta porcentagem de vaca seca, poucas novilhas estiverem disponíveis para reposição.
Na tabela a seguir serão apresentados os custos das ineficiências reprodutivas, baseado em estudos americanos, por isso os valores estão em dólares.



As perdas reprodutivas podem ser melhor visualizadas com a comparação de duas fazendas com o mesmo número de vacas, mas com eficiência reprodutiva distintas.



No quadro a seguir as perdas foram calculadas para cada vaca e multiplicadas pelo total de vacas do rebanho para se obter a estimativa de perda com a baixa eficiência reprodutiva do rebanho.



Pequenos desvios das metas estabelecidas para a eficiência reprodutiva podem causar impactos na lucratividade da fazenda leiteria. Muitos dos problemas podem ser corrigidos com atitudes simples de manejo, sem necessidade de grandes investimentos, como por exemplo, o aumento da taxa de detecção de cio, que pode ser conseguido com o treinamento da equipe. O importante é a atenção aos detalhes. Um pequeno aumento da eficiência reprodutiva pode resultar em mais dinheiro no bolso do produtor, apesar de nunca o produtor receber um cheque no final do mês devido ao aumento da eficiência reprodutiva. Ele vai receber isso na forma de mais novilhas disponíveis para reposição, mais leite, pois a média de dias em lactação do rebanho vai ficar perto do ideal, mais vacas gestantes o que vai permitir uma melhor seleção e não apenas a retenção das vacas gestantes e descarte das vazias.

Este radar é parte de um texto de publicado no site do Dairy Cattle Reproductive Council.

RICARDA MARIA DOS SANTOS

Professora da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Federal de Uberlândia.
Médica veterinária formada pela FMVZ-UNESP de Botucatu em 1995, com doutorado em Medicina Veterinária pela FCAV-UNESP de Jaboticabal em 2005.

JOSÉ LUIZ MORAES VASCONCELOS

Médico Veterinário e professor da FMVZ/UNESP, campus de Botucatu

8

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

RICARDA MARIA DOS SANTOS

UBERLÂNDIA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 20/02/2011

Prezado Bruno Lacerda,
Obrigada pela participação!
Esse íncide indica falha na observação de cio. Se a fazenda tiver uma eficiência de 100% de observação de cio de retorno, nenhuma vaca vai chegar vazia para o diagnóstico de gestação.
Esse número de 80 a 85% esta errado, pois temos que tem que ser o mais proximo de 0, ou seja deveria ser entre 10 a 15% de vacas vazias no dia do toque.
Um abraço,
Ricarda.
BRUNO LACERDA DENUCCI

MONTES CLAROS - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 14/02/2011

Dra Ricarda...

Não entendi direito o índice...procentagem de vacas vazias no dia do diagnóstico de gestação = 80 a 85%...???(primeiro quadro)

Excelente Artigo!!...muito útil a técnicos e produtores...

Obrigado!!
RICARDA MARIA DOS SANTOS

UBERLÂNDIA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 23/11/2009

Prezado Ricardo José da Costa Silva,
Se as vacas estiverem dando cio antes, o recomendado para vaca de leite é inseminar antes da IATF, ou seja inseminar 12 horas após a detecção do cio.
Obrigada pela participação,
Ricarda.
RICARDO JOSÉ DA COSTA SILVA

CEARÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 18/11/2009

Prezados professores:Ricarda e José Luís.

Está acontecendo em alguns protocolos de IATF(CRESTAR+E2,pGF+RET.P4+eCG(9º dia+B.E,11ºIATF(15:00)- a aceitação de monta apartir do 10ºdia(tarde),então eu executo a IA, e não espero para fazer no outro dia.Pergunto:
Pode ser feita a IA?
O porque,já de se trata tanto de 1ºuso como de 2º?
Vocês já tem algum protocolo para sexado?

Atenciosamente,

Ricardo Costa
RICARDA MARIA DOS SANTOS

UBERLÂNDIA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 16/11/2009

Prezado Richard James Walter Robertson,
Obrigada pela participação!
Esse é o protocolo que temos utilizado em vacas mestiças.
Boa sorte, um abraço até mais,
Ricarda.
RICARDA MARIA DOS SANTOS

UBERLÂNDIA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 16/11/2009

Prezado Ricardo Amaral,
Muito Obrigada!
Ficamos muito contentes em saber que estamos ajudando de alguma forma.
Um abraço,
Ricarda.
RICHARD JAMES WALTER ROBERTSON

RIO VERDE DE MATO GROSSO - MATO GROSSO DO SUL

EM 15/11/2009

Prezados Prof. Ricarda e José Luiz,
Iniciei recentemente um programa de IATF em meu rebanho (Rio Verde - Norte do MS) recomendado por vocês há uns dois anos e estou bastante satisfeito, apesar de ser cedo ainda para comemorar (Iniciei agora o segundo lote = segundo uso do Implante). Vacas e novilhas mestiças a pasto, com produções médias de 7 litros (extensivo com algum stress térmico), e muitas estavam acíclicas. Existem algumas novilhas no lote.

Consta no uso de CIDR (Utilizei o Primer: Até três usos para vacas e novilhas) e BE no D0 - PGF no D7 - Retirada do CIDR + 0,5ML ECP + 2ml Novormon (Vocês recomendaram 1ml, que utilizei no segundo lote, após melhoria das condições corporais). Observação do cio e IA nos dias 10 E 11.

Sei que em time bom não se mexe mas fico curioso se existe algum programa mais vantajoso em relação a esse. Ainda não confirmei a prenhez mas, ao que parece, apenas 30% dos animais retornaram ao cio (Vacas que estavam acíclicas anteriormente). Percebi tb diferença nos sinais de estro com 2 e 1 ml de Novormon, por razões óbvias.

Fundamental a importância de se observar o cio, o que estou fazendo três vezes ao dia nos dias programados. Assumi esta tarefa no lugar de meu antigo inseminador.

Um abraço,
Richard
RICARDO AMARAL VILAS BOAS

ITABUNA - BAHIA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 13/11/2009

Como sempre os artigos da Dra. Ricardo e do Dr. José luiz são objetivos, praticos e colocados de uma maneira gostosa de ler e fácil de entender. Parabéns aos dois.

Continuem assim, dissertando sobre temas de interesse do produtor, mostrando a nós o alto custo da ineficiência reprodutiva.

Um forte abraço
Ricardo Amaral Vilas Bôas
MilkPoint AgriPoint