ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Parâmetros produtivos e reprodutivos associados ao comportamento de estro - Parte 1

POR RICARDA MARIA DOS SANTOS

E JOSÉ LUIZ MORAES VASCONCELOS

JOSÉ LUIZ M.VASCONCELOS E RICARDA MARIA DOS SANTOS

EM 27/04/2016

4
0
Este texto é a parte da palestra apresentada pelo Dr. Ronaldo Cerri da University of British Columbia, do Canadá, no XX Curso Novos Enfoques na Produção e Reprodução de Bovinos, realizado em Uberlândia de 17 e 18 de março de 2016.

Introdução – Comportamento de estro

O estro representa o período de receptividade sexual, que é seguido por ovulação. A expressão do estro é caracterizada por uma série de comportamentos, alguns dos quais são mais específicos que outros. Como a ovulação em vacas ocorre cerca de 30 horas depois da manifestação dos sinais de estro (Roelofs et al., 2005), a capacidade de reconhecer estes comportamentos e detectar o estro é crítica para a determinação do momento da IA. A detecção do cio é um componente essencial dos programas reprodutivos e as baixas taxas de detecção já são uma preocupação antiga (e.g. Helmer e Britt, 1985).

Principal comportamento

O estradiol é o hormônio indutor do comportamento estral: em vacas, o estradiol 17-β é o hormônio responsável pela indução do comportamento estral e ovulação. Estudos conduzidos com vacas ovariectomizadas e intactas demonstraram que as injeções de várias dosagens de estradiol induziam a expressão de comportamento em intensidades semelhantes (Allrich, 1994), o que permitiu concluir que o efeito do estradiol sobre o comportamento estral ocorre de maneira “tudo ou nada”: o comportamento estral é induzido uma vez que o estradiol atinge uma determinada concentração fixa (limiar) na circulação sistêmica. O aumento da concentração acima deste limiar, o que não foi quantificado, não altera a expressão de comportamento estral (Allrich, 1994).

O principal sinal de estro em vacas é a imobilidade quando montadas por outras fêmeas (Roelofs et al., 2010), também denominado reflexo de imobilidade (Albright e Arave, 1997). Pesquisas das décadas de 70 e 80 relataram maior frequência e maior duração de observação visual de imobilidade para a monta que os níveis observados atualmente (Figura 1 a, b, c). Embora pareça óbvio que a manifestação da imobilidade e aceitação da monta sejam menos frequentes hoje em dia, não devem ser consideradas as únicas manifestações a serem avaliadas para julgar a intensidade de estro. O comportamento estral varia com o número de animais em estro, qualidade do piso e tamanho do grupo de vacas (Albright e Arave, 1997). A atividade de monta, por exemplo, é muito mais frequente em piquetes abertos ou espaços com piso de terra (Britt et al., 1986), com cerca de 80% da atividade de monta observada no curral de vacas secas (Pennington et al., 1985).

Figura 1 -  a) Frequência de imobilidade (aceitação da monta) por estro, b) duração da imobilidade (h), e c) frequência de monta por estro segundo relatos de 1975 a 2011



Ao longo dos últimos 30 anos, a observação da atividade de monta revela mudanças em manifestações comportamentais do estro, provavelmente devido à qualidade das instalações e maior confinamento das vacas. É claro que as vacas leiteiras modernas, considerando as atuais condições das fazendas leiteiras, não aceitam a monta com a frequência que seria necessária para a avaliação puramente visual do estro. As alternativas a serem consideradas são: 1) oferecer às vacas um ambiente que estimule a atividade de monta, 2) melhorar/ e desenvolver métodos para a detecção das montas e 3) avaliar métodos de detecção de comportamentos alternativos. Estas duas últimas alternativas receberam bastante atenção nos últimos 10 anos, com o uso de detectores eletrônicos de monta e monitores automáticos de atividade (MAA).

Cronologia dos eventos fisiológicos relacionados ao estro

O tempo entre luteólise e ovulação é regulado (Figura 2) por diversos fatores, o que leva à alta variabilidade destes intervalos e pode ser uma das causas de baixas taxas de concepção (Saumande e Humblot, 2005). Supondo um intervalo de 28 horas entre o estro e a ovulação e 25 horas entre o pico de LH e a ovulação (Bloch et al., 2006), pode-se concluir que o pico de estradiol, pico de GnRH e pico de LH ocorrem em um período de apenas 3 horas. No momento em que termina o comportamento de cio, a ovulação é o único evento que ainda vai ocorrer para completar o ciclo. O início do período de maior atividade (medido por MAA) ocorre 29 horas antes da ovulação (Valenza et al., 2012). Uma fazenda que utiliza MAA insemina as vacas 7 a 12 horas depois do início do pico de atividade (Neves e LeBlanc, 2015), deixando um intervalo de cerca de 10 horas entre a IA e a ovulação.

A grande variação quanto ao momento de ocorrência da ovulação em relação à manifestação do cio poderia ser a explicação para as baixas taxas de concepção (Valenza et al., 2012). Por sua vez, a grande variação na duração do estro e momento de manifestação de atividade de pico neste período poderia também contribuir para a variabilidade no momento da ovulação. Usando um sensor diferente, Stevenson et al. (2014) relataram intervalo semelhante entre manifestação do estro e ovulação (26 horas), mas com menor variação. Interessante observar que, enquanto Valenza et al. (2012) avaliaram o estro depois de tratamento hormonal, Stevenson et al. (2014) estudaram o estro espontâneo. Seria de se esperar que a sincronização do estro reduzisse a variabilidade do tempo decorrido entre eventos endócrinos e fisiológicos, mas os tempos foram muito semelhantes. Stevenson et al. (2014) também relataram tempos semelhantes entre a manifestação do estro e a ovulação quando o estro foi determinado pelo início de aumento de atividade ou primeiro reflexo de imobilidade e aceitação da monta (24,6 ± 0,7 horas vs. 26,4 ± 0,7 horas, respectivamente).

O pico de LH interrompe a atividade da aromatase e interrompe a síntese de estradiol pelo folículo (Forde et al., 2011). Da mesma forma, observa-se uma redução de 50% das concentrações de estradiol em relação ao pico às 5 horas pós-pico de LH (Chenault et al., 1975). Às 14 horas pós-pico de LH, o estradiol já está praticamente em níveis basais (2 pg/mL; Chenault et al., 1975) e abaixo do limiar de 2 desvios padrões acima da linha basal (Aungier et al., 2015).

Em relação ao estro comportamental, foi observado que a concentração de estradiol atinge o pico no momento da máxima expressão comportamental de cio (Van Eerdenburg et al., 1996), mas cai em seguida para 60% dos valores de pico em 6 horas após máxima expressão de cio (Lyimo et al., 2000). Pode-se extrapolar que as últimas horas de estro comportamental ocorrem em face de concentrações decrescentes de estradiol circulante. Entretanto, não está claro por que não existe correlação linear entre a intensidade do estro e concentrações de estradiol (Aungier et al., 2015; Madureira et al., 2013; Silper et al., 2015c).

Figura 2. Intervalo de tempo (h ± EP ou DP) entre os eventos que ocorrem a partir da luteólise até a ovulação em novilhas leiteiras e vacas em lactação. *Início do estro determinado por [observação visual do reflexo de imobilidade (1Chenault et al., 1975;4Bloch et al., 2006; 3Saumande e Humblot, 2005)], [detectores eletrônicos de monta (2Stevenson et al., 1998)] ou [aumento da atividade física (5Valenza et al., 2012; 6Aungier et al., 2015)]. 2Stevenson et al., 1998: luteólise precoce (d 6 a 9); luteólise tardia (d 14 a 15).

Papel do estradiol e da progesterona

A elevação da concentração circulante de estradiol suprarregula a expressão de receptores de progesterona no endométrio ao estabilizar o mRNA do receptor α de estradiol (ERα) (Ing e Ott, 1999). A liberação constante de progesterona por um período relativamente longo (10-14 d) durante o diestro induz a redução da expressão gênica de ambos os receptores (Spencer e Bazer, 1995). De maneira geral, a dinâmica de hormônio e receptor, tanto para a progesterona quanto para o estradiol, é essencial para criar um ambiente ideal no endométrio e uma gestação bem-sucedida.

A concentração circulante de estradiol não está relacionada de forma linear com o comportamento estral e é provável que outros fatores contribuam para a variação observada no comportamento estral. Ainda que a indução de comportamento estral por injeção de estradiol em diferentes dosagens tenha resultado em expressão comportamental semelhante do estro (Allrich, 1994), não se pode supor que a quantidade de estradiol que atua no hipotálamo tenha sido a mesma em todas as vacas que receberam a mesma dosagem. Variação comportamental individual, taxa metabólica, esteroides endógenos, desenvolvimento neuronal e expressão de receptores de estradiol são algumas das potenciais fontes de variação na expressão do estro, além das concentrações circulantes de estradiol. Além disso, é possível que a menor dosagem testada de estradiol já tenha sido suficiente para induzir um grau satisfatório de expressão comportamental.

Nos bovinos, somente a distribuição de ERα foi estudada. Os receptores ERα são expressos nas mesmas áreas do hipotálamo descritas em outras espécies, durante a fase lútea (van Eerdenburg et al., 2000). Durante estro e meta-estro, entretanto, a expressão de ERα foi detectada somente no núcleo arqueado. Segundo os autores, a ausência de expressão de ERα no estro e em vacas ovariectomizadas exclui a possibilidade de auto infrarregulação dos receptores e pode indicar por que a expressão de estro é reduzida em vacas leiteiras. A ausência de coloração para ERα também foi relacionada à possibilidade de que os receptores estavam ocupados pelo ligante, mas esta não foi considerada uma hipótese robusta. Coletivamente, van Eerdenburg et al. (2000) concluíram que estradiol e ERα são fatores-chave na sincronização de eventos reprodutivos fisiológicos e comportamentais. O controle do comportamento estral depende da expressão de ERα em núcleos hipotalâmicos específicos, assim como de concentrações de estradiol altas o suficiente para desencadear reflexos de comportamento sexual.

O papel da progesterona no priming do cérebro bovino para as ações do estradiol é evidenciado pela ausência ou baixa expressão do estro na primeira ovulação pós-parto e no primeiro estro da puberdade, eventos que não são precedidos por uma fase lútea. Expressão mais intensa do estro com protocolos de IATF que incluam dispositivos vaginais de progesterona (CIDR) confirma o papel da progesterona como um primer para a indução do comportamento estral desencadeado pelo estradiol (Rhodes et al., 2002). Já foi criada a hipótese de que, em cada ciclo, as concentrações de estradiol durante o estro iriam induzir um estado cerebral refratário, que seria revertido pelo pico de progesterona da fase lútea (Allrich, 1994; Woelders et al., 2014). Estradiol e progesterona induzem comportamento estral em vacas leiteiras ovariectomizadas secas (Vailes et al., 1992). Entretanto, os autores observaram que a intensidade do estro comportamental é mais complexa e vai além da relação entre estradiol e progesterona.

A indução de um perfil de altos níveis de progesterona e estradiol reduz mais a imobilidade que a monta, em comparação a vacas somente sob ação do estradiol (Vailes et al., 1992). Provavelmente, o estradiol não é o único fator a regular a expressão do estro (Roelofs et al., 2010), mas é necessário para desencadear o processo. Ainda que altas concentrações de estradiol não intensifiquem a expressão do estro, é provável que melhorem a função do trato reprodutivo (Allrich, 1994).

RICARDA MARIA DOS SANTOS

Professora da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Federal de Uberlândia.
Médica veterinária formada pela FMVZ-UNESP de Botucatu em 1995, com doutorado em Medicina Veterinária pela FCAV-UNESP de Jaboticabal em 2005.

JOSÉ LUIZ MORAES VASCONCELOS

Médico Veterinário e professor da FMVZ/UNESP, campus de Botucatu

4

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

RICARDA MARIA DOS SANTOS

UBERLÂNDIA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 06/05/2016

Prezado Rogério,

Obrigada pela participação.

O estradiol é o hormônio responsável por estimular o pico de GnRH que leva ao pico de LH que desencadeia o processo de ovulação.

Espero ter ajudado!!!
ROGÉRIO REZENDE CARDOSO

GOIÂNIA - GOIÁS - ESTUDANTE

EM 02/05/2016

Como que o estradiol é um hormônio responsável pela ovulação?
RICARDA MARIA DOS SANTOS

UBERLÂNDIA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 02/05/2016

Prezado Luiciano,

Obrigada pela participação!

Acredito que não, se o CL esta presente essa vaca não vai ovular, dentro do tempo esperado.
LUCIANO MARTINS REDU

ENCANTADO - RIO GRANDE DO SUL - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 29/04/2016

fazendo uma suposta analise de imagem de  ultrassom,é ou seria sempre recomendavel a inseminação de uma vaca ,quando visualizamos um foliculo(10 a 12mm)seguido da imagem de um corpo luteo no mesmo ovario? independente da manifestação de cio?