FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Melhorando a reprodução da vaca leiteira durante o estresse térmico

POR RICARDA MARIA DOS SANTOS

E JOSÉ LUIZ MORAES VASCONCELOS

JOSÉ LUIZ M.VASCONCELOS E RICARDA MARIA DOS SANTOS

EM 07/10/2009

9 MIN DE LEITURA

1
0
Este texto é parte da palestra apresentada por Dr. Todd R. Bilby, no XIII Curso de Novos Enfoques na Reprodução e Produção de Bovinos, realizado em Uberlândia em março de 2009.

O manejo da vaca leiteira em ambientes de calor intenso melhorou consideravelmente com a publicação de resultados de inúmeras pesquisas. Duas estratégias fundamentais são minimizar o ganho de calor pela redução da carga resultante da insolação e maximizar a perda de calor através da redução da temperatura do ar ao redor do animal ou promover maior perda evaporativa de calor diretamente pelos animais.

Conforto e Resfriamento das Vacas

Oferecer sombra e resfriamento é fundamental para assegurar o conforto das vacas. A área mínima de sombra é de 3,5 a 4,1 m2/vaca leiteira adulta para reduzir a incidência de radiação solar. Sistemas de pulverizadores/aspersores de água e ventiladores devem ser usados na baia, sobre os cochos, em free-stalls e sob coberturas em granjas de climas áridos. Uma maneira de baixo custo de resfriar as vacas é no corredor de saída da sala de ordenha. Além disso, é fundamental garantir acesso a água durante épocas de ET, aumentando a quantidade por animal 1,2 a 2 vezes durante o calor. Vacas em lactação necessitam de 132 a 170 litros de água por dia. Recomenda-se localizar os bebedouros na saída da sala de ordenha e entre as áreas de cocho e descanso em granjas tipo free-stall. Não se pode esquecer que o leite é composto de 90% de água; o consumo de água é vital para a produção de leite e para a manutenção da homeostase.

O curral de espera é geralmente uma área de ET. As vacas ficam agrupadas em um espaço confinado por minutos a horas, embora não devessem passar mais de 60 a 90 minutos no curral de espera. Recomenda-se instalar uma cobertura para sombra, ventiladores e aspersores. Um estudo do Arizona demonstrou uma queda de 2ºC na temperatura corporal e um aumento de 0,8 kg na produção de leite/vaca/dia) quando as vacas foram resfriadas com ventiladores e aspersores antes de entrar na sala de ordenha (Wiersma e Armstrong, 1983). Práticas de manejo como apartação, inclusão de vacas ao rebanho, exames veterinários e outros procedimentos devem ser sempre realizadas pela manhã. As vacas apresentam a maior temperatura corporal entre as 6 da tarde e meia-noite. A redução dos horários de manejo pode reduzir o ET, especialmente em granjas que não dispõem de dispositivos de resfriamento.

Modificações Nutricionais

O impacto da nutrição sobre a reprodução já foi bem documentado. O controle dos distúrbios metabólicos permite melhorar a reprodução durante os meses de calor. Algumas estratégias simples de formulação e manejo nutricional podem ser implantadas para atenuar os efeitos negativos do ET sobre a reprodução.

As necessidades de manutenção de vacas leiteiras em lactação aumentam significativamente com a elevação da temperatura ambiente. Sempre que possível, deve-se aumentar o número de refeições para estimular a IMS. Além disso, fornecer alimento nas horas mais frescas do dia e elevar o teor de umidade da dieta de 35 a 40% para 45 a 50% estimula o consumo.

A vaca sob ET é mais suscetível à acidose e muitos dos efeitos do calor (laminite, redução do teor de gordura do leite, etc.) podem provavelmente ser relacionados ao baixo pH ruminal durante o calor. Assim, dietas muito concentradas devem ser fornecidas com extrema cautela em épocas de calor. Obviamente, a qualidade da fibra é sempre importante, mas passa a ser vital durante o verão, uma vez que tem capacidade de tamponamento e estimula a produção de saliva.

O fornecimento de gordura na dieta (gordura inerte no rúmen/ bypass) continua a ser uma boa estratégia de fornecer energia adicional durante o balanço negativo de energia. Em comparação ao amido e fibra, a gordura resulta em incremento calórico muito mais baixo no rúmen, fornecendo energia sem o efeito térmico adverso.

Wheelock et al. (2006) já tinham demonstrado que a maximização da produção ruminal de precursores de glicose (propionato) pode ser uma estratégia eficaz para manter a produção durante o ET. Entretanto, devido a questões de saúde ruminal, é preciso fornecer os grãos com muito cuidado. Um método seguro e eficaz de maximizar a produção ruminal de propionato é através da administração de monensina (aprovada para vacas leiteiras em lactação em 2004). Além disso, a monensina pode ajudar a estabilizar o pH ruminal em situações de estresse. Muitas vezes o propileno glicol é fornecido às vacas em início de lactação e pode ser um método eficaz de aumentar a produção de propionato durante o ET.

Alterações do Protocolo Reprodutivo

Recomenda-se observar o estro mais frequentemente durante o calor (tempo e número de observações visuais). A aplicação de tinta na região da inserção da cauda é o artifício mais popular para detecção de estro e deve ser usada em quantidade adequada e cores de fácil visualização, juntamente com a detecção visual dos sinais de estro. Existem inúmeras tecnologias disponíveis para melhorar a identificação do estro. O sistema HeatWatch® (CowChips, LLC, Denver, CO) registra o número e o tempo de monta durante o estro através de um transdutor de radiotelemetria de pressão aplicado à região da inserção da causa para transmitir as informações para um computador. Os pedômetros também podem ser usados para detectar o aumento de atividade física associado ao estro.

O estresse térmico afeta significativamente a fertilidade de touros. A qualidade do sêmen apresenta piora quando os touros são continuamente expostos a temperaturas de 30ºC por 5 semanas ou 37,7ºC por 2 semanas, apesar de não haver efeito aparente sobre a libido. O estresse térmico reduz a concentração espermática e a motilidade e aumenta a porcentagem de espermatozóides morfologicamente anormais por ejaculado. Depois de um período de ET, a qualidade do sêmen só retorna ao normal em cerca de 2 meses devido à duração do ciclo espermático, contribuindo para o efeito de carry-over do ET sobre a reprodução, tornando recomendável a verificação periódica da qualidade do sêmen. Muitos produtores usam um número fixo de IAs (geralmente 3 IAs) e em seguida expõem a vaca ao touro; entretanto, talvez seja melhor continuar a usar IA para procurar evitar os efeitos negativos do ET sobre o touro.

O uso de IA em tempo fixo (IATF) para evitar os efeitos negativos da menor detecção de estro já está bem documentado. O uso dos protocolos de IATF, associados ou não à detecção de estro, pode melhorar a fertilidade durante os meses de verão. Um estudo conduzido na Flórida durante o verão obteve aumento da taxa de prenhez aos 120 dias pós-parto (27% vs. 16,5%, respectivamente) e redução no número de dias abertos, no intervalo entre o parto e a primeira cobertura e no número de serviços por concepção em vacas submetidas a IATF, comparado as vacas inseminadas após detecção de estro (De la Sota et al., 1998).

Outra maneira possível de melhorar a fertilidade no verão é através da administração de uma injeção de GnRH ao estro. Ullah et al. (1996) injetaram GnRH em vacas leiteiras em lactação após detecção do estro durante o verão no Mississippi e obtiveram aumento da taxa de concepção de 18% para 29%. Em outro estudo conduzido em Israel, as vacas receberam a injeção de GnRH ao primeiro sinal de estro durante os meses de verão e outono e houve aumento da taxa de concepção em comparação aos controles não tratados (41 % e 56 %, respectivamente; Kaim et al., 2003).

Possíveis soluções para a melhora da fertilidade durante o calor

A transferência de embriões pode melhorar significativamente as taxas de prenhez durante os meses de verão (Drost et al., 1999), evitando o período (antes do dia 7) em que o embrião é mais suscetível ao ET.

A seleção de determinados genes que controlam características relacionadas à termotolerância faz com que seja possível selecionar animais mais resistentes sem afetar inadvertidamente a seleção para rendimento leiteiro (Hansen e Arechiga, 1999). As características que poderiam ser selecionadas incluem coloração da pelagem, genes que controlam o comprimento dos pelos e genes que controlam a resistência celular ao choque térmico (consultar revisão de Hansen e Arechiga, 1999). Além disso, a modificação genética ou alteração das propriedades bioquímicas do embrião antes da transferência poderiam melhorar a resistência térmica e a fertilidade.

Alguns aditivos de ração podem atenuar parcialmente os efeitos do ET através de maior dissipação de calor, reduzindo assim a temperatura interna do organismo. Em vários estudos, culturas de fungos adicionadas à dieta reduziram a temperatura corporal e a freqüência respiratória durante o calor, mas não em épocas mais amenas (Huber et al., 1994). Um experimento recente no Arizona demonstrou maior sudorese e redução da temperatura corporal quando niacina encapsulada foi fornecida a vacas em lactação, em comparação a controles mantidos em condições de termoneutralidade (Zimbelman et al., 2007).

Um estudo complementar foi conduzido em uma granja comercial durante os meses de verão no Arizona com niacina protegida fornecida a vacas em final de lactação. Os resultados demonstram efeitos semelhantes, com redução da temperatura corporal durante as horas mais quentes do dia e maior produção de leite corrigido para gordura e energia (Zimbelman et al., 2008). O fornecimento de ácidos graxos insaturados a ovelhas alterou a composição lipídica dos ovócitos, aumentando a termotolerância (Zeron et al., 2002). O uso de técnicas de encapsulamento para proteger aditivos da ação ruminal poderá resultar em maior perda de calor e (ou) a manipulação da composição bioquímica celular, melhorando a função reprodutiva durante os meses de calor; entretanto, mais estudos são necessários.

O índice médio temperatura máxima-umidade (THI) é calculado usando tanto a temperatura ambiente quanto a umidade relativa. Até o momento, os pesquisadores sugerem que as vacas passam a sentir estresse a partir de um THI de 72. Os valores de THI foram divididos em níveis de estresse brando, moderado e grave pelo Livestock Conservation Institute (Armstrong, 1994). Berman (2005) ressaltou que os dados que justificam esta classificação não são claros. Por exemplo, o índice é baseado em uma análise retrospectiva de estudos conduzidos na Universidade do Missouri no final dos anos 50 e início da década de 60 com um total de 56 vacas com produção média de 15,4 kg de leite/dia, variando de 2,6 a 31,7 kg/dia. Hoje em dia, a produção média por vaca nos Estados Unidos é superior a 28 kg/dia e muitas vacas produzem mais de 45 kg/dia em pico de lactação. Estudos estão sendo conduzidos na Universidade do Arizona para reavaliar o índice THI usando vacas leiteiras modernas de alta produção. Provavelmente, a nova interpretação do THI será um estímulo ao maior uso de técnicas de resfriamento em temperaturas mais baixas que as atualmente recomendadas, reduzindo os efeitos negativos do ET sobre a reprodução.

Conclusão

Um bom sistema de resfriamento ainda é a maneira mais eficaz e rentável de melhorar tanto a produção de leite quanto a reprodução durante os meses de calor e ET. Até mesmo regiões de clima geralmente ameno podem ter períodos de ondas de calor e ET, que reduzem dramaticamente a fertilidade. As vacas secas também são suscetíveis ao ET e devem ser submetidas a algum tipo de resfriamento para melhorar a fertilidade após a parição. O ET pós-parto pode reduzir significativamente as taxas de prenhez e seus efeitos podem se prolongar até o os meses de outono. Estratégias para reduzir e atenuar os efeitos negativos do ET sobre a fertilidade como sistemas de resfriamento, ajustes nutricionais e alterações de protocolos reprodutivos podem melhorar a rentabilidade das granjas leiteiras.

RICARDA MARIA DOS SANTOS

Professora da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Federal de Uberlândia.
Médica veterinária formada pela FMVZ-UNESP de Botucatu em 1995, com doutorado em Medicina Veterinária pela FCAV-UNESP de Jaboticabal em 2005.

JOSÉ LUIZ MORAES VASCONCELOS

Médico Veterinário e professor da FMVZ/UNESP, campus de Botucatu

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JORGE PEGOLO FILHO

JALES - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 18/11/2009

Creio que o estresse térmico em rebanhos leiteiros no Brasil é pouco conhecido, principlamente por médios e pequenos produtores e, por alguns dos técnicos da área (sem generalizar). Estratégias de melhora do ET, como por exemplo, sobreamento ambiental, sombreamente e resfriamento em sala de espera e melhoria na distribuição de bebedouros, além da manutenção da boa qualidade da água, são medidas relativamente baratas e que justificam-se pelo custo-benefício.
Abraços.
MilkPoint AgriPoint