ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Manejo nutricional de vacas leiteiras visando aumento da eficiência reprodutiva (1ª parte)

POR JOSÉ LUIZ MORAES VASCONCELOS

JOSÉ LUIZ M.VASCONCELOS E RICARDA MARIA DOS SANTOS

EM 06/07/2001

5 MIN DE LEITURA

0
0

José Luiz Moraes Vasconcelos

A produção de leite por vaca continua aumentando 2 a 3% anualmente. O melhoramento genético responde por 33 a 40% deste crescimento, ao passo que a nutrição e o manejo perfazem os 60 a 67% restantes.

Vacas com menor incidência de problemas peri-parto produzem mais leite e têm melhores índices reprodutivos - ou seja, vacas com problemas metabólicos produzem menos leite, têm mais problemas reprodutivos e, conseqüentemente, são mais predispostas a serem descartadas e também são menos eficientes, diminuindo o retorno econômico da atividade leiteira.

A expressão do potencial genético depende do manejo nutricional, sendo que maximizar a ingestão de energia no pós-parto e, conseqüentemente, da produção de leite, requer manejo apropriado em todas as fases do ciclo lactacional.

Bom manejo nutricional minimiza perda de peso e otimiza produção de leite e eficiência reprodutiva, ou seja, vacas de alto potencial sem produção adequada = falhas do meio.


 

Manejo da Alimentação



O período seco deve ser dividido em duas fases:

1- Da secagem até 21 dias antes do parto - fase de descanso do rúmen, cascos e glândula mamária. Os animais devem ser mantidos com uma dieta rica em alimentos volumosos de boa qualidade e devem ganhar peso de forma moderada.

2- De 21 dias até o parto - fase de preparação para uma nova lactação; inicia-se o fornecimento de concentrado com o objetivo de adaptação da microbiota ruminal para uma fase de grande fornecimento de grãos.

Deve-se utilizar os mesmos alimentos utilizados para vacas em lactação, evitar o uso de bicarbonato e sal comum e se possível fornecer dieta completa. Esta prática minimiza as perdas de peso e aumentam o consumo de matéria seca.

O período pós-parto deve ser dividido em três fases:

0 a 70 dias em lactação - Balanço energético negativo
A produção de leite aumenta mais rápido que o consumo de alimentos, a demanda de energia é mais alta que a quantidade de energia consumida nos alimentos, a vaca mobiliza reservas corporais e perde peso.

Os nutrientes da dieta precisam estar ajustados para impedir perda de peso excessiva. A densidade da dieta precisa ser aumentada. Se a dieta não está adequada ocorre: queda na produção, excessiva perda de peso, baixo pico de produção e aumentam os riscos de cetose.

O uso excessivo de concentrados pode levar a: acidose ruminal, torção de abomaso, queda na percentagem de gordura do leite e depressão no consumo de alimentos.

70 a 140 dias em lactação - Consumo máximo de matéria seca
A produção de leite começa a diminuir e o consumo de matéria seca continua a aumentar. A demanda de energia para lactação pode ser mantida pelo consumo de alimentos e a vaca pára de mobilizar reservas corporais.

Nesta fase as vacas precisam ingerir grande quantidade de alimentos para manter o pico de produção o maior tempo possível e ficar gestante. A quantidade de concentrado não deve exceder a 2,3% do peso vivo.

140 a 305 dias em lactação - Balanço energético positivo
A produção de leite e o consumo de alimentos reduzem. A vaca consome mais energia do que gasta com a lactação e as reservas corporais podem ser restabelecidas. Animais estão ganhando peso. A dieta pode agora conter um volumoso de qualidade média e quantidade limitada de concentrado.


 

Manejo nutricional de vacas em transição



Período de transição é definido como sendo as últimas três semanas antes do parto

Implicações

Vacas sem problemas peri-parto produzem mais leite e têm melhores índices reprodutivos.

Controlar as doenças metabólicas é necessário para otimizar performance.
Doenças metabólicas são complexas, ou seja, uma predispõe à outra, que pode predispor à outra, etc.

Estratégias

1: Prepare o rúmen para que possa oferecer dietas com alta densidade nutricional no início da lactação, minimizando perdas de peso e otimizando produção de leite e eficiência reprodutiva.
Estimular o crescimento de bactérias que metabolizam lactato.
Estimular o crescimento das papilas ruminais, visando maximizar absorção dos nutrientes.

Prevenção do aumento de lactato no rúmen pode ser através da adaptação da flora a altas concentrações de amido que induz a população de bactérias que converte lactato em acetato, propionato ou ácidos graxos de cadeia longa. Adaptação da flora à dietas com altas concentrações de amido requer de 3 a 4 semanas. O aumento das papilas ruminais aumenta a absorção de lactato e AGV, o que previne o declínio no PH ruminal.

2: Prevenir decréscimo acentuado da concentração sangüínea de cálcio ao parto

Devido a grande quantidade de cálcio disponibilizado para o colostro e leite, pode ocorrer menor concentração de cálcio sangüíneo. Casos graves resultam em febre vitular. Casos menos graves resultam em depressão da ingestão de matéria seca e perda de contractilidade muscular que pode levar a retenção de placenta, deslocamento de abomaso e mastite ambiental (não fechamento do esfíncter da teta após a ordenha).

3: Redução da imunodepressão

Ao parto, fisiologicamente as células sangüíneas brancas (leucócitos = células de defesa) apresentam menor capacidade de fagocitose (capacidade de "engolir" as bactérias) aumentando assim a susceptibilidade do animal à infeções uterinas e da glândula mamária. Fatores hormonais relacionados ao parto (alto estradiol e cortisol) e fatores estressantes, como diminuição da ingestão de matéria seca peri-parto (Balanço energético negativo), são
os prováveis responsáveis por esta diminuição da capacidade de fagocitose pelos leucócitos.

 

Paradoxal declínio na Ingestão de Matéria Seca



Infelizmente, a Ingestão de Matéria Seca começa a declinar em torno da terceira semana pré-parto, e este declínio é em torno de 30%. Quando a gestação é gemelar, o declínio inicia em torno da quinta semana pré-parto.

Com a associação do declínio da IMS com o aumento dos requisitos pelo feto, torna-se necessário aumentar a densidade nutricional da dieta nas três semanas antes da data prevista do parto, enquanto em vacas com gêmeos, a alteração deve ocorrer com 5 semanas pré-parto.

 

Gráficos


Ingestão de Matéria Seca, Requisitos de Energia e de Proteína de vacas e novilhas nas ultimas 3 semanas antes do parto (Grummer, 1999)

Como conclusão, com a associação do declínio da IMS com o aumento dos requisitos pelo feto, faz-se necessário aumentar a densidade nutricional da dieta nas três semanas antes da data prevista do parto.

JOSÉ LUIZ MORAES VASCONCELOS

Médico Veterinário e professor da FMVZ/UNESP, campus de Botucatu

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint