ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Influência da nutrição nos hormônios metabólicos e na eficiência produtiva - Parte 1

POR RICARDA MARIA DOS SANTOS

JOSÉ LUIZ M.VASCONCELOS E RICARDA MARIA DOS SANTOS

EM 26/03/2013

5 MIN DE LEITURA

3
0
Este texto é parte da palestra apresentada por Phil Garnsworthy, University of Nottingham, no XVII Curso Novos Enfoques na Produção e Reprodução de Bovinos, realizado em Uberlândia de 14 e 15 de março de 2013.

Introdução

As respostas da produção de leite ao fornecimento de nutrientes já se encontram bem estabelecidas nas vacas de leite. O consumo de energia costuma ser o fator mais limitante e o rendimento leiteiro aumenta com o consumo de energia, seguindo uma curva de resposta decrescente, à medida que proporções cada vez maiores de energia são direcionadas à gordura corporal. De um modo geral, a proteína não é considerada limitante, uma vez que ingredientes de alto valor protéico podem ser incorporados na dieta; na realidade, o excesso de proteína costuma ser mais comum que a limitação de proteína, já que os pacotes de formulação de dietas de custo mínimo sempre revelam que a energia é uma limitação em comparação à proteína. O fornecimento de minerais e vitaminas pode ser facilmente ajustado com suplementos de alta densidade; a dificuldade está em definir a faixa entre deficiência e excesso.

Diferentes fontes de energia e proteína na dieta modificam as respostas no rendimento e na composição do leite. Mais especificamente, as proporções de energia fornecida como amido, fibra e gordura têm grandes efeitos no rendimento da proteína e gordura no leite (Sutton, 1985). Tais efeitos são mediados por alterações na fermentação ruminal, produtos finais da digestão e aporte de substratos à glândula mamária, acompanhados de respostas hormonais metabólicas que alteram o direcionamento de nutrientes.

Apesar das fortes relações genéticas e fenotípicas negativas entre rendimento leiteiro e fertilidade, a baixa fertilidade não é uma consequência inevitável de altos rendimentos leiteiros. Há rebanhos de alta produção com boa fertilidade e rebanhos de baixa produção com má fertilidade. Um dos principais determinantes da fertilidade é o balanço entre a saída de energia no leite e o consumo de energia. Assim, qualquer tentativa de reduzir o rendimento leiteiro através do consumo restrito de nutrientes seria desastrosa para a saúde e fertilidade da vaca.

A nutrição pode afetar a reprodução tanto a curto (dias) como a médio (meses) prazo. Do ponto de vista fisiológico, mudanças no aporte de nutrientes alteram os sinais metabólicos para o cérebro e ovário, coordenando assim a função ovariana com a condição metabólica (Garnsworthy et al. 2008a). O objetivo desta revisão é ilustrar algumas das interações entre nutrição e fertilidade nos bovinos, sugerindo estratégias de manejo nutricional para melhorar o sucesso reprodutivo.

A primeira estratégia nutricional para promover a fertilidade é controlar o ECC (escore de condição corporal) na parição. Nas vacas de leite, a meta deve estar entre 2,5 e 3,0 (em uma escala de 1 a 5) para que a ingestão de matéria seca não seja comprometida pelo efeito de feedback negativo da gordura corporal, restringindo a perda de ECC a menos de 0,5 unidade (Garnsworthy, 2007).

A segunda estratégia nutricional para promover a fertilidade consiste em fornecer dietas de alta qualidade no início da lactação, impedindo assim que os consumos de energia e nutrientes não sejam limitados pelas características da dieta. A dieta deve ser palatável e rica em energia, mas deve-se evitar excesso de gordura (que reduz a digestão de fibras no rúmen, diminui a insulina e estimula a mobilização de gordura corporal), excesso de amido (reduz a digestão de fibras no rúmen e estimula a acidose) e excesso e proteína (estimula a mobilização de gordura corporal).

Uma vez atendidas as prioridades de minimização do balanço energético negativo, controle do ECC e fornecimento dos nutrientes necessários à produção de leite, a composição da dieta poderá ser alterada para manipular hormônios metabólicos. Diferentes fontes de energia e proteína na dieta modificam o direcionamento de nutrientes e as respostas no rendimento e composição do leite.

O amido é uma fonte de energia glicogênica e, como tal, estimula a síntese de lactose e proteína no leite. As fibras e gorduras são fontes de energia cetogênica, que estimulam a síntese da gordura no leite. Esses efeitos são mediados por alterações na fermentação ruminal, produtos finais da digestão e aporte de substratos à glândula mamária, acompanhados de mudanças em hormônios metabólicos que alteram a partição de nutrientes. Mudanças nos hormônios metabólicos no início da lactação alteram o padrão de crescimento e desenvolvimento do folículo ovariano, influenciando assim a função reprodutiva (Webb et al. 2004; Garnsworthy et al. 2008a). Desta forma, uma terceira estratégia nutricional para promover a fertilidade consiste em alterar a composição da dieta para manipular os hormônios metabólicos em estágios fundamentais do ciclo reprodutivo. As características dessa estratégia são o principal foco do restante deste trabalho.

Respostas hormonais à composição da dieta

Foi realizado um programa de dez anos para examinar os efeitos da dieta nos hormônios metabólicos e na fertilidade. As dietas apresentaram variação estruturada no amido total, no sítio de digestão do amido, gordura, fibra, proteína metabolizável, perfil de aminoácidos e tipo de forragem, com uma faixa estreita de concentração de energia (11,9-12,1 MJ EM/kg MS). As dietas tinham como base misturas de silagem de milho, silagem de gramíneas, trigo, milho, polpa de beterraba açucareira, gordura, farelos de oleaginosas, e sais de cálcio. Em cada experimento, as vacas receberam uma dieta padrão nos primeiros 35 dias de lactação e dietas-tratamento entre os dias 40 e 70.

As concentrações plasmáticas de hormônio de crescimento (GH), fator de crescimento semelhante à insulina-I (IGF-I) e leptina não foram relacionadas à composição da dieta, embora tenham sido afetadas por fatores referentes aos animais, como rendimento leiteiro, escore de condição corporal e peso vivo. As concentrações plasmáticas de insulina foram positivamente relacionadas à concentração de amido na dieta e os resultados revelam que para manter uma relação adequada de insulina:glucagon nas vacas ao início do período reprodutivo, a concentração de amido na dieta deve ser superior a 160 g/kg MS (Garnsworthy et al. 2008b). Entretanto, o amido do trigo, milho e silagem de milho produziram respostas semelhantes, portanto as dietas podem ser formuladas para o teor de amido total, e não de amido digestível no rúmen ou bypass (Garnsworthy et al. 2009a). A insulina foi negativamente relacionada ao teor de gordura na dieta e os resultados revelam que a concentração total de gordura na dieta deve ser inferior a 50 g/kg MS para evitar queda na concentração plasmática de insulina no início do período reprodutivo (Garnsworthy et al. 2008c). A insulina também foi aumentada por aminoácidos de cadeia ramificada, principalmente a leucina (o glúten de milho é uma boa fonte), que é um secretagogo de insulina (Docherty & Clark, 1994). No entanto, as respostas à leucina dependem do teor total de proteína na dieta: para dietas com baixas concentrações de proteína, a relação insulina:glucagon foi maior com altos níveis de leucina; para dietas com altos níveis de proteína, a relação insulina:glucagon foi maior com baixos níveis de leucina, uma vez que a dieta com altos níveis de proteína e altos níveis de leucina estimulou o rendimento leiteiro (Garnsworthy et al. 2008d).
 

RICARDA MARIA DOS SANTOS

Professora da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Federal de Uberlândia.
Médica veterinária formada pela FMVZ-UNESP de Botucatu em 1995, com doutorado em Medicina Veterinária pela FCAV-UNESP de Jaboticabal em 2005.

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

VIRGÍLIO JOSÉ PACHECO DE SENNA

SANTO AMARO - BAHIA - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 28/03/2013

Muito bom e esclarecedor Artigo, precisa ser divulgado nas Escolas de Medicina Veterinárias do Brasil. So se desfaz mitos com provas cientificas. Parabens
KLEISLER DE SOUZA LEITE RIBEIRO

UBERLÂNDIA - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 26/03/2013

Excelente
MARCELO GROSSI MACHADO

PATOS DE MINAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 26/03/2013

Ótimo artigo. Parabens por compartilhá-lo
MilkPoint AgriPoint