FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Estresse térmico no final da gestação e seu impacto nas vacas lactantes e bezerras - II

POR RICARDA MARIA DOS SANTOS

E JOSÉ LUIZ MORAES VASCONCELOS

JOSÉ LUIZ M.VASCONCELOS E RICARDA MARIA DOS SANTOS

EM 24/01/2019

1
5

Fisiologia da glândula mamária durante o período seco

A involução da glândula mamária e sua regeneração são fatores importantes para produção de leite na próxima lactação. O período não lactante entre sucessivas lactações, conhecido como, período seco, é uma fase importante do ciclo de produção de vacas de leite. Entretanto, o período seco é normalmente negligenciado pelos produtores de leite por ser um período não produtivo (Smith e Todhunter, 1982). O período seco é necessário para maximizar produção de leite na próxima lactação e geralmente um período seco de 45-60 dias é recomendo para alcançar máxima produção de leite na próxima lactação. A redução do período seco para 20 dias ou menos, ou não permitindo que vacas de leite tenham o período seco, reduz a produção de leite na próxima lactação (Sawa, 2012). Durante o período seco, a glândula mamária passa por três diferentes fases: involução ativa, que começa após a secagem e cessação da remoção do leite e representa a transição de um estado de lactante para um estado não lactante; involução estável, que representa um estado não lactante; e finalmente, fase de regeneração (crescimento), fase em que ocorre lactogênese e colostrogênese. 

Depois da secagem, ocorre rápido acúmulo de leite nas cisternas, ductos e alvéolo, rápida mudança na atividade secretória das células mamárias e início do processo de involução. A involução da glândula mamaria é um processo de renovação que é mediado por morte celular programada (apoptose). O processo de involução é importante para as fases subsequentes, tal como, regeneração e crescimento, Hurley (1989). Involução do tecido secretório é seguida por mudanças drásticas nos componentes secretados durante a transição de um estado lactante para um estado não lactante. Adequada involução do tecido mamário pode ser necessária para alcançar máxima proliferação e diferenciação do epitélio mamário durante o período seco e alcançar máxima produção de leite na próxima lactação (Oliver e Sordillo, 1989).

Atualmente o período seco tem sido dividido em dois períodos, começo do período seco, que representa as primeiras quatro semanas (fase de involução) e final do período seco, que representa as últimas três semanas (fase de proliferação) (Tao, 2011); Wohlgemuth, 2016).

No começo do período seco, a involução da glândula mamária ocorre através de apoptose e autofagia (Sorensen, 2006). Apoptose e autofagia são mecanismos celulares responsáveis pela destruição programada e reciclagem de células, respectivamente. Tem sido proposto que o estresse térmico interfira e impacta na autofagia e renovação da glândula mamária e consequentemente reduz a produção de leite na próxima lactação (Tao (2011); Wohlgemuth, 2016). Após a secagem, a apoptose aumenta nos primeiros três dias (Annen, 2008) e diminui ao decorrer do período seco (Sorensen, 2006).

Apoptose e autofagia são importantes para a renovação de células da glândula mamária durante o começo do período seco e para maior taxa de proliferação durante o final do período seco (Sobolewska, 2009). Ao mesmo tempo, o processo de renovação de células da glândula mamária, gera uma grande quantidade de detritos celulares (Capuco, 2003) que precisam ser removidos da glândula por células do sistema imune, como por exemplo, macrófagos e neutrófilos.

Este processo de remoção dos detritos celulares é importante para involução e para o processo de proliferação de células que ocorre durante a fase final do período seco. De acordo com Amaral (2011), a exposição ao estresse térmico durante o período seco reduz a proliferação de linfócitos e a produção de anticorpos em resposta a um patógeno não especifico. Contudo, vacas resfriadas apresentam melhor sistema imune durante o período seco, o que pode acelerar o processo de involução e aumentar a proliferação de células da glândula mamária no final do período seco. Isto pode explicar, pelo menos em parte, a maior produção de leite de vacas que receberam resfriamento, comparada com vacas que não foram resfriadas (Tao, 2011). Outro efeito do estresse térmico que pode impactar o período de involução é o aumento das proteínas de choque térmico (heat shock proteins, [HSP], em inglês) e também afetar a produção de leite.

A prolactina (PRL) é um dos hormônios que participam do processo de mamogênese e lactogênese (Tucker, 2000). Células da glândula mamária apresentam receptores de prolactina (PRL-R), os quais são ativados pelo contato com o hormônio PRL. Além da indução de proliferação de células, a PRL induz um efeito ante apoptótico, que foi demonstrado em camundongos (Tonner, 2000) e em vacas (Accorsi, 2002).

Fatores ambientais e fotoperíodo podem ser manipulados para alterar o sistema imune e a proliferação de células da glândula mamária e melhorar a produção de leite. A maior exposição de luz durante o período seco está relacionada com uma redução na produção de leite na próxima lactação (Auchtung, 2005) e resposta imune reduzida comparada com vacas que receberam menor exposição de luz durante o período seco. A maior exposição de luz durante o período seco pode impactar negativamente a proliferação de células da glândula mamária o que pode estar relacionada com uma menor produção de leite na próxima lactação (Auchtung, 2005).

Durante o período seco, os efeitos resultantes da maior exposição à luz têm como principal mediador a PRL. A maior exposição à luz durante o período seco está relacionada com aumento na concentração de PRL circulante e redução do número de receptores em diversos tecidos do animal, e especificamente, na glândula mamária (Auchtung, 2005). Da mesma forma, estresse térmico durante o período seco aumenta a concentração de PRL circulante (Tao, 2011).

Possivelmente, a alteração na concentração de PRL e do número de receptores na glândula mamária são responsáveis pelo comprometimento do seu desenvolvimento e consequentemente, pela redução na produção de leite (Tao, 2011). Baseado na mesma ideia do fotoperíodo, o estresse térmico afeta o desenvolvimento da glândula mamária e reduz a produção de leite na próxima lactação comparada com vacas que foram resfriadas durante o período seco. Progesterona e glucocorticoides são outros hormônios que são alterados durante a exposição ao estresse térmico. De acordo com Collier (1982) e Wise (1988), a exposição ao estresse térmico aumenta a concentração de progesterona e glucocorticoides, e consequentemente, a menor involução da glândula mamária e menor taxa de células apoptóticas.

A curva de lactação pode ser definida em função do número de células da glândula mamária e pela capacidade de secreção de cada célula (Capuco, 2003), e qualquer tipo de manejo que aumente o número de células da glândula mamária aumentara a produção de leite. Durante o começo do período seco, a glândula mamária apresenta menor proliferação de células comparada ao final do período seco. Estresse térmico reduz a proliferação de células e consequentemente a produção de leite comparada com vacas que receberam resfriamento durante o período seco (Tao, 2011). Contudo, estratégias que melhorem o sistema imune e reduzem os efeitos negativos do estresse térmico durante o período seco, irão melhorar o desempenho destes animais após o parto, como por exemplo, o aumento da produção do leite.

Desempenho

Estresse térmico durante o período seco reduz a produção de leite na próxima lactação. Estudos recentes demonstraram que vacas expostas ao estresse térmico durante o período seco produzem 2,3 a 7,5 kg/d a menos do que vacas que foram resfriadas (Amaral, 2009); Tao, 2011, 2012; Fabris, 2017) (Figura 2). Entretanto, quando animais receberam resfriamento durante as últimas três semanas pré-parto, houve um aumento de apenas 1,4 kg/d na próxima lactação.

Figura 2. Revisão de estudos que avaliaram o efeito do estresse térmico e resfriamento durante o período seco na produção de leite na próxima lactação. Barras em branco e preto representam a produção média de vacas que foram expostas ao estresse térmico e resfriamento durante o período seco, respectivamente. Figura adaptada de Dahl (2017).

Um estudo recente avaliou o efeito do estresse térmico durante o começo e o final do período seco. Neste estudo foram avaliados quatro grupos de vacas, resfriamento e estresse térmico durante todo o período seco (aproximadamente 45 dias); resfriamento e estresse térmico durante as três primeiras semanas do período seco e então vacas eram transferidas para estresse térmico e resfriamento até o parto, respectivamente. Neste estudo, vacas que foram expostas ao estresse térmico em qualquer parte do período seco, produziram 4 kg/d de leite a menos do que vacas que foram resfriadas durante todo o período seco. Portanto, há evidências que vacas que são expostas ao estresse térmico em qualquer momento do período seco, produzirão menos leite na próxima lactação.

Conclusão

Estresse térmico durante o período seco impacta o desenvolvimento da glândula mamária, altera a resposta imune e reduz o desempenho de vacas de leite na próxima lactação. Sistemas de resfriamento, como por exemplo, sombreamento, ventiladores e aspersores de água, ajudam na termorregulação e consequentemente, reduzem frequência respiratória e temperatura retal e aumentam a produção de leite na próxima lactação.

Estratégias que melhoram a resposta imune podem estar associadas com uma aceleração do processo de involução da glândula mamária e consequentemente aumentar a proliferação de células durante o final do período seco. Novilhas que foram expostas ao estresse térmico durante o crescimento fetal (durante o período seco) produzem menos leite na primeira lactação quando comparadas com novilhas que foram manejadas com sistemas de resfriamento durante crescimento fetal.

Contudo, esta revisão de literatura fornece informações que demonstram a importância do resfriamento de vacas durante o período seco, e também de outras estratégias que possam reduzir o impacto do estresse térmico durante o período seco e melhorar o desempenho dos animais e aumentar a rentabilidade dos produtores de leite.

Referências bibliográficas

Accorsi, P. A., B. Pacioni, C. Pezzi, M. Forni, D. J. Flint, and E. Seren. 2002. Role of prolactin, growth hormone and insulin-like growth factor 1 in mammary gland involution in the dairy cow. J. Dairy Sci. 85:507–513.

Adin, G., A. Gelman, R. Solomon, I. Flamenbaum, M. Nikbachat, E. Yosef, A. Zenou, A. Shamay, Y. Feuermann, S. J. Mabjeesh, and J. Miron. 2009. Effects of cooling dry cows under heat load conditions on mammary gland enzymatic activity, intake of food water, and performance during the dry period and after parturition. Livest. Sci. 124:189-195.

Annen, E., C. Stiening, B. Crooker, A. Fitzgerald, and R. Collier. 2008. Effect of continuous milking and prostaglandin E2 on milk production and mammary epithelial cell turnover, ultrastructure, and gene expression. J. Anim. Sci. 86:1132-1144.

Armstrong, D. V. 1994. Heat stress interaction with shade and cooling. J. Dairy Sci. 77:2044-2050.

Auchtung, T. L., J. L. Salak-Johnson, D. E. Morin, C. C. Mallard, and G. E. Dahl. 2004. Effects of photoperiod during the dry period on cellular immune function of dairy cows. J. Dairy Sci. 87:3683–3689.

Auchtung, T. L., A. G. Rius, P. E. Kendall, T. B. McFadden, and G. E. Dahl. 2005. Effects of photoperiod during the dry period on prolactin, prolactin receptor, and milk production of dairy cows. J. Dairy Sci. 88:121–127.

Avendaño-Reyes, L., F. D. Alvarez-Valenzuela, A. Correa-Calderón, J. S. Saucedo-Quintero, P. H. Robinson, and J. G. Fadel. 2006. Effect of cooling Holstein cows during the dry period on postpartum performance under heat stress conditions. Livest. Sci. 281:2535-2547.

Beede, D. K., and R. J. Collier. 1986. Potential nutritional strategies for intensively managed cattle during thermal stress. J. Anim. Sci. 62:543-554.

Berman, A. 2003. Effects of body surface area estimates on predicted energy requirements and heat stress. J. Dairy Sci. 87:1400-1412.

Burgos, R., L. J. Odens, R. J. Collier, L. H. Baumgard, and M. J. VanBaale. 2007. Evaluation of different cooling systems in lactating heat stressed dairy cows in a semi-arid environment. Prof. Anim. Sci. 23:546–555.

Capuco, A. V., S. E. Ellis, S. A. Hale, E. Long, R. A. Erdman, X. Zhao and M. J. Paape. 2003. Lactation persistency: Insights from mammary cell proliferation studies. J. Anim. Sci. 81:18-31.

Collier, R. J. R. M. Eley, A. K. Sharma, R. M. Pereira, and D. E. Buffington. 1981. Shade management in subtropical environment for milk yield and composition in Holstein and Jersey cows. J. Dairy Sci. 64:844-849.

Collier, R. J., D. K. Beede, W. W. Thatcher, L. A. Israel, and C. J. Wilcox. 1982a. Influences of environment and its modification on dairy animal health and production. J. Dairy Sci. 65: 2213-2227.

Collier, R. J., S. G. Doelger, H. H. Head, W. W. Thatcher, and C. J. Wilcox. 1982b. Effects of heat stress during pregnancy on maternal hormone concentrations, calf birth weight and postpartum milk yield of Holstein cows. J. Anim. Sci. 54:309-319.

do Amaral, B. C., E. E. Connor, S. Tao, M. J. Hayen, J. W. Bubolz, and G. E. Dahl. 2009. Heat-stress abatement during the dry period: Does cooling improve transition into lactation? J. Dairy Sci. 92:5988-5999.

do Amaral, B. C., E. E. Connor, S. Tao, M. J. Hayen, J. W. Bubolz, and G. E. Dahl. 2011. Heat stress abatement during the dry period influences metabolic gene expression and improves immune status in the transition period of dairy cows. J. Dairy Sci. 94:86-96.

Collier, R. J. and Beede D. K. 1985. Thermal stress as a factor associated with nutrient requirements and interrelationships. In Nutrition of Grazing Ruminants in Warm Climates (ed. LR McDowell), pp. 59–71. Academic Press, Inc., Orlando, FL, USA.

Dahl, G. E. 2008. Effects of short day photoperiod on prolactin signaling in dry cows: A common mechanism among tissues and environments. J. Anim. Sci. 86:10-14.

Dahl, G. E., S. Tao, and A. P. A. Monteiro. 2016. Effects of late-gestation heat stress on immunity and performance of calves. J. Dairy Sci. 99:1–6.

Dikmen, S. F. A. Khan, H. J. Huson, T. S. Sonstegard, J. E. Moss, G. E. Dahl and P. J. Hansen. 2014. The SLICK hair locus derived from Senepol cattle confers thermotolerance to intensevily managed lactating Holstein cows. J. Dairy Sci. 97:5508-5520.

Dowling, D. F. 1955. The thickness of cattle skin. Aust. J. Agric. Res. 6:776 -785.

Dowling, D.F. 1958. Significance of sweating in heat tolerance of cattle. Aust. J. Agric. Res. 9: 579-586.

Fabris, T. F., J. Laporta, F. N. Corra, Y. M. Torres, D. J. Kirk, D. J. McLean, J. D. Chapman, and G. E. Dahl. 2017. Effect of nutritional immunomodulation and heat stress during the dry period on subsequent performance of cows. J. Dairy Sci.100:6733-6742.

Fabris, T. F., J. Laporta, A. L. Skibiel, B. D. Senn, F. N. Corra, and G. E. Dahl. 2017 Impact of heat stress during the early and late dry period on subsequent performance in dairy cattle. J. Dairy Sci. 100:386 (Abstr.)

Feng, Z., A. Marti, B. Jehn, H. J. Altermatt, G. Chicaiza, and R. Jaggi. 1995. Glucocorticoid and progesterone inhibit involution and programmed cell death in the mouse mammary gland. J. Cell Biol. 131:1095-1103.

Ferreira, F. C., R. S. Gennari, G. E. Dahl, and A. De Vries. 2016. Economic feasibility of cooling dry cows across the United States. J. Dairy Sci. 99-9931-9941.

Gomes, C. G., J. E. Zuniga, L. F. Greco, L. D.  P. Sinedino, E. S. Ribeiro, N. Martinez, R. S. Bisinotto, F. S. Lima, E. Karakaya, M. A. Engstrom, J. E. P. Santos, and C. R. Staples. 2013. Effects of evaporative cooling prepartum and Vitamin E supplementation on performance of Holstein cows during summer in Florida. J. Dairy Sci. 96(Suppl.2): 242 (Abstr.).

Hurley, W. L. 1989. Mammary gland function during involution. J. Dairy Sci. 72:1637-1646.

Igono, M.O., Johnson, H. D., Steevens, B. J., Krause, G. F., Shanklin, M. D. 1987. Physiological, productive, and economic benefits of shade, spray, and fan system versus shade for Holstein cows during summer heat. J. Dairy Sci. 70:1069-1079.

IUPS Thermal Commission. 2001. Glossary of terms for thermal physiology. Jap. J. Phys. 51: 245-280.

Legates, J. E., B. R. Farthing, R. B. Casady and M. S. Barrada. 1991. Body temperature and respiratory rate of lactating dairy cattle under field and chamber conditions. J. Dairy Sci. 74:2491-2500.

Lewczuk, B., G. Redlarski, A. Zak, N. Ziolkowska, B. Przybylska-Gornowicz and M. Krawczuk. 2014. Influence of electric, magnetic, and electromagnetic fields on the circadian system: current stage of knowledge. BioMed. Res. Int. 169459.

Monteiro, A. P. A., S. Tao, I. M. T. Thompson, and G. E. Dahl. 2016. In utero heat stress decreases calf survival and performance through the first lactation. J. Dairy Sci. 99:8443-8450.

Oliver, S. P. and L. M. Sordillo. 1989. Approaches to the manipulation of mammary involution. J. Dairy Sci. 72:1647-1664.

Renaudeau, D., A. Collin, S. Yahav, V. Basilio, J. L. Gourdine, and R. J. Collier. 2011. Adaptation to hot climate and strategies to alleviate heat stress in livestock production. Animal, Volume 6, Issue 05, pp 707-728.

Roman-Ponce, H., W. W. Thatcher, D. E. Buffington, C. J. Wilcox, and H. H. Van Horn. 1976. Physiological and Production responses of dairy cattle to shade structure in a subtropical environment. J. Dairy Sci. 60:425-430.

Ryan, D. P and M. P. Boland. 1992. Evaluating two different cooling management systems for dairy cows in hot, dry climate. J. Dairy Sci. 75:1052-1059.

Sawa A, M. Bogucki, W. Neja. 2012. Dry period length and performance of cows in the subsequent production cycle. Arch Tierz 55:140-147.

Seigneuric, R., H. Mjahed, J. Gobbo, A. Joly, K. Berthenet, S. Shirley, and C. Garrido. 2011. Heat shock proteins as danger signals for cancer detection. Front. Oncol. 1:37.

Smith, K. L., D. A. Todhunter. 1982. The physiology of mammary gland during the dry period and the relationship to infection. Page 87-93 in: Proc. 21st Annu. Mtg. Natl. Mastitis Counc., Inc., Louisville, KY.

Sobolewska, A., M. Gajewska, J. Zarzynska, B. Gajkowska, and T. Motyl. 2009. IGF-I, EGF, and sex steroids regulate autophagy in bovine mammary epithelial cells via the mTOR pathway. Eur. J. Cell Biol. 88:117–130.

Sorensen, M. T., J. V. NØrgaard, P. K. Theil, M. Vestergaard, and K. Sejrsen. 2006. Cell turnover and activity in mammary tissue during lactation and dry period in dairy cows. J. Dairy Sci. 89:4632-4639.

Tao, S., J. W. Bubolz, B. C. do Amaral, I. M. Thompson, M. J. Hayen, S. E. Johnson, and G. E. Dahl. 2011. Effect of heat stress during the dry period on mammary gland development. J. Dairy Sci. 94:5976-5986.

Tao, S., I. M. Thompson, A. P. A. Monteiro, M. J. Hayen, L. J. Young, and G. E. Dahl. 2012. Effect of cooling heat-stressed dairy cows during the dry period on insulin response. J. Dairy Sci. 95:5035-5046.

Thompson, I. M., and G. E. Dahl. 2012. Dr period seasonal effects on the subsequent lactation. Prof. Anim. Sci. 28:628-631.

Thompson, I. M., S. Tao, A. P. A. Monteiro, K. C. Jeong, and G. E. Dahl. 2014. Effect of cooling during the dry period on immune response after Streptococcus uberis intramammary infection challenge of dairy cows. J. Dairy Sci. 97:7426-7436.

Tucker, H. A. 2000. Hormones, mammary growth, and lactation: a 41-year perspective. J.  Dairy Sci. 83:874-884.

Wohlgemuth, S. E., Y. Ramirez-Lee, S. Tao, A. P. A. Monteiro, B. M. Ahmed, and G. E. Dahl. 2016. Short communication: Effect of heat stress on markers of autophagy in the mammary gland during the dry period. J. Dairy Sci. 99:4875–4880.

Wolfenson, D., I. Flamenbaum, and A. Berman. 1988. Dry period heat stress relief effects on prepartum progesterone, calf birth weight, and milk production. J. Dairy Sci. 71:809-818.

Wall, E. H., T. L. Auchtung, G. E. Dahl, S. E. Ellis, and T. B. McFadden. 2005. Exposure to short day photoperiod during the dry period enhances mammary growth in dairy cows. J. Dairy Sci. 88:1472-1478.

Wise, M. E., D. V. Armstrong, J. T. Huber, R. Hunter, and F. Wiersma. 1988. Hormonal alterations in the lactating dairy cow in response to thermal stress. J. Dairy Sci. 71:2480-2485.

Zimbelman, R. B., R. P. Rhoads, M. L. Rhoads, G. C. Duff, L. H. Baumgard, and R. J. Collier. 2009. A re-evaluation of the impact of temperature humidity index (THI) and black globe humidity index (BGHI) on milk production in high producing dairy cows. Pages 158-168 in Proc. Southwest Nutr. Man. Conf., Tempe, AZ. Univ. Arizona, Tucson.

RICARDA MARIA DOS SANTOS

Professora da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Federal de Uberlândia.
Médica veterinária formada pela FMVZ-UNESP de Botucatu em 1995, com doutorado em Medicina Veterinária pela FCAV-UNESP de Jaboticabal em 2005.

JOSÉ LUIZ MORAES VASCONCELOS

Médico Veterinário e professor da FMVZ/UNESP, campus de Botucatu

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

HENRIQUE BARBOSA HOOPER

UBERABA - MINAS GERAIS - ESTUDANTE

EM 25/01/2019

Parabéns Profa. Ricarda e Prof. Zequinha pela excelente exposição do tema a respeito da fisiologia da glândula mamária durante o período seco e os efeitos do estresse térmico. Precisamos trabalhar a ideia que o conforto térmico deve ser empregado tanto para animais em lactação como também para aqueles no período seco. Durante meu Doutorado trabalhei com a mesma temática em cabras leiteiras e encontramos resultados bem interessantes, tanto em relação à produção de leite, apoptose e sinalização da PRL. Seguimos descobrindo e melhorando a produção animal. Obrigado pelo texto. Forte abraço.