FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Doenças do periparto e desempenho reprodutivo

POR RICARDA MARIA DOS SANTOS

E JOSÉ LUIZ MORAES VASCONCELOS

JOSÉ LUIZ M.VASCONCELOS E RICARDA MARIA DOS SANTOS

EM 22/10/2015

2 MIN DE LEITURA

11
0
*Este texto é parte do artigo: Prevalence of periparturient diseases and effects on fertility of seasonally calving grazing dairy cows supplemented with concentrates, publicado por Eduardo Ribeiro e colaboradores, no Journal of Dairy Science em 2013 (J. Dairy Sci. 96 :5682–5697, http://dx.doi.org/ 10.3168/jds.2012-6335).

O objetivo foi caracterizar a prevalência de doenças no periparto e seus efeitos no desempenho reprodutivo de vacas leiterias mantidas à pasto. Um total de 957 vacas multíparas em 2 fazendas (555 na fazenda A e 402 na fazenda B) foram avaliadas e as doenças caracterizadas.

No parto, distocia, parto gemelar, natimorto, e retenção de placenta foram agrupadas como problemas de parto. Nos dias 7 ± 3 e 14 ± 3 pós-parto as vacas foram avaliadas para metrite e no dia 28 ± 3 para endometrite clínica, baseado no escore da secreção vaginal. Do parto até 30 dias após a inseminação artificail (IA) a prevalência de mastite, problemas de casco, distúrbios digestivos e respiratórios foram anotados.

Para doenças subclínicas o diagnótico foi baseado em amostras de sangue coletadas de 771 vacas, nas quais foram analisados cálcio (Ca), ácidos graxos não esterificados (AGNE) e Beta hidroxibutirato (BHBA). Vacas foram consideradas como tendo AGNE elevado se a concentração fosse maior que 0,70mM, cetose subclínica se a concentração de BHBA fosse maior que 96mM e hipocalcemia subclínica se a concentração de Ca fosse menor que 2,14mM. Os ovários das vacas foram avaliadados nos dias 35 ± 3 e 49 ± 3 pós-parto para determinação da ciclicidade. Todas as vacas foram submetidas a um protocolo de sincronização da ovulação e inseminadas no primeiro dia da estação de monta, na média com 86 dias pós-parto.

No geral, 37,5% (359/957) das vacas apresentaram pelo menos 1 doença clínica e 59,0% (455/771) pelo menos 1 doença subclínica. A prevalência para as doenças foi de 8,5% de problemas de parto, 5,3% para metrite, 15% para endometrite clínica, 13,4% para endometrite subclínica, 15,3% para mastite, 2,5% para problemas respiratórios, 4% para problemas digestivos, 3,2% para problemas de casco, 20% de AGNE elevado, 35,4% para cetose subclínica e 43,3% para hipocalcemina subclínica.

Doença clínica e subclínica tiveram efeito negativo aditivo na reprodução, com atraso no retorno a ciclicidade e redução da prenhez por IA (P/IA). A ocorrência de doenças múltiplas reduziu a eficiência reprodutiva comparado com a ocorrência de uma só doença. Individualmente, hipocalcemia subclínica, elevada concentração de AGNE, metrite e problemas respiratórios e digestivos reduzem ciclicidade aos 49 dias pós-parto. Concentração de AGNE elevada, problemas de parto, metrite, endometrite clínica e subclínica e problemas digestivos reduzem P/IA 65 dias após a IA. Além disso, os problemas de parto e endometrite clínica aumentam o risco de perda de gestação entre 30 e 65 dias pós IA. A concentração sérica de Ca e AGNE foram negativamente correlacionadas e ambas associadas com a prevalência de doença uterina.

Conclui-se que doenças no periparto são altamente prevalentes em vacas leiterias com reprodução sazonal mantidas a pasto, e vacas afetadas por doença atrasam o retorno a ciclicidade, apresentam reduzida P/IA e aumento do risco de perda de gestação.
 

RICARDA MARIA DOS SANTOS

Professora da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Federal de Uberlândia.
Médica veterinária formada pela FMVZ-UNESP de Botucatu em 1995, com doutorado em Medicina Veterinária pela FCAV-UNESP de Jaboticabal em 2005.

JOSÉ LUIZ MORAES VASCONCELOS

Médico Veterinário e professor da FMVZ/UNESP, campus de Botucatu

11

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MAURO WELLINGTON G PEREIRA

OURO FINO - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 27/10/2015

Dra Ricarda,

Muito obrigado pela atenção e resposta.

Abraço
RICARDA MARIA DOS SANTOS

UBERLÂNDIA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 26/10/2015

Prezado Mauro Wellington G Pereira,

Infelizmente não existe uma receita mágica, mas o senhor esta no caminho. Para previnir os problemas peri-parto precisamos cuidar da saúde, da alimentação e do conforto das vacas.

Aqui no site Milkpoint, na seção radar técnico, o senhor enconta as informações sobre esses temas.

RICARDA MARIA DOS SANTOS

UBERLÂNDIA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 26/10/2015

Prezado Flávio Stracke,



O estudo foi realizado na Flória, EUA. Os rebanhos eram compostos por vacas com genática americana das raçcas Holandesas, Jersey e mestiças e com produção média 6.000Kg por lactação.

CESAR

EM 24/10/2015

como faço para corrigir esse problema para aumentar o indice de prenhes por iatf grato
FLÁVIO STRACKE

ENCRUZILHADA ENCRUZILHADA DO SUL - RIO GRANDE DO SUL - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 23/10/2015

Este estudo considera a qualidade nutricional do pasto em questão?  A Nova Zelândia, maior exportador de lácteos,em  relação à  área, mantém suas vacas à pasto e com muita saúde.


FLÁVIO STRACKE

ENCRUZILHADA ENCRUZILHADA DO SUL - RIO GRANDE DO SUL - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 23/10/2015

Este estudo considera a qualidade nutricional do pasto em questão?  A Nova Zelândia, maior exportador de lácteos,em  relação à  área, mantém suas vacas à pasto e com muita saúde.



MAURO WELLINGTON G PEREIRA

OURO FINO - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 23/10/2015

Prezada dra Ricarda,

Considerando sua citação acima "o melhor tratamento é a prevenção" gostaria de mais informações ou uma indicação de fontes de informação para prevenção das doenças de periparto e reprodutivas. Estamos fazendo de tudo para melhorar sanidade, conforto e alimentação, porém ainda temos alto índice de problemas de parto (distocia e retenção de placenta).

Desde já agradeço.
RICARDA MARIA DOS SANTOS

UBERLÂNDIA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 23/10/2015

Prezado Tito,

Em um estudo realizado pelo mesmo grupo de pesquisa, no qual  foram avaliadas 5.719 vacas de leite de alta produção, somente 55,8% foram consideradas saudáveis e não desenvolveram doença clínica nos primeiros 60 dias pós-parto.

E as vacas com doença clínica eram menos propensas a estarem ciclando e se tornarem gestantes, e mais propensas a perderem a gestação nos primeiros 60 dias de gestação.



RICARDA MARIA DOS SANTOS

UBERLÂNDIA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 23/10/2015

Prezado Joeds Paubel,

As doenças do periparo são muitas, portanto  o melhor tratamento é a prevenção.
JOEDS PAUBEL

RONDÔNIA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 23/10/2015

Obrigado pela informaçao.como e com que medicamento devo tratar a doença no periparto?
TITO

CAMPINAS - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 23/10/2015

Artigo interessante.

"Conclui-se que doenças no periparto são altamente prevalentes em vacas leiterias com reprodução sazonal mantidas a pasto"



Como são esses numeros em vacas mantidas em freestall?



Att.,

Tito
MilkPoint AgriPoint