FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Você deve tratar a cetose?

EDUCAPOINT

EM 13/03/2020

5 MIN DE LEITURA

0
1
Todas as vacas passam por um período de balanço energético negativo após o parto, quando não podem consumir matéria seca suficiente para atender às necessidades de manutenção do corpo e ao aumento da demanda de nutrientes do úbere. Como resultado, a vaca deve mobilizar gordura e proteína corporal para atender a esses requisitos, a fim de manter um alto nível de produção de leite. Este período de balanço energético negativo dura aproximadamente cinco semanas após o parto.
 
Demonstrou-se que as vacas de maior produção consomem mais matéria seca por dia do que os animais de menor produção, e também dividem uma porcentagem maior de sua ingestão de nutrientes no úbere para apoiar a produção de leite. Essas vacas de alta produção também mobilizam grandes quantidades de gordura e proteína corporal. No entanto, isso ainda não fornece nutrientes suficientes para suportar o nível mais alto de produção de leite nas vacas no início da lactação, e esses animais experimentam um balanço energético negativo maior que os animais de produção média.
 
A Universidade Estadual de Iowa conduziu um projeto de seleção genética de 20 anos que usava reprodutores médios ou de raça selecionados apenas para diferenças previstas na produção de leite. Este estudo forneceu informações úteis que se aplicam diretamente aos problemas que os produtores de leite enfrentam todos os dias com cetose e doenças metabólicas nas vacas leiteiras de alta produção.
 
Falta de energia
 
A ingestão média de ração como porcentagem do peso corporal foi a mesma entre os dois grupos nas duas primeiras semanas após o parto. Obviamente, isso resultaria em um balanço energético negativo maior para o grupo de alta produção. Os ácidos graxos não esterificados (AGNE) foram maiores no grupo de alta produção e atingiram o pico durante a primeira semana de lactação. Da mesma forma, os níveis de ácido beta hidroxibutírico (BHBA) foram maiores no grupo de vacas de alta produção e atingiram o pico durante a segunda semana de lactação.
 
O ponto de corte comum para a cetose subclínica é de 1,2 mmol/litro de BHBA no sangue. Os animais acima desse número são considerados subclinicamente cetóticos e geralmente são tratados. Existem inúmeros protocolos de teste estabelecidos e a maioria provou ser bastante eficaz na identificação de animais com cetose subclínica, bem como na determinação da incidência geral de cetose em vacas recém paridas em um rebanho específico.
 
⇒ Aprenda muito mais acessando o conteúdo completo do curso Manejo preventivo de doenças no período de transição. Você pode fazer a aquisição do curso individualmente ou optar por assinar a Plataforma EducaPoint, obtendo acesso a todos os cursos (mais de 170!) por um preço único !Saiba como assinar.
 
Uma fonte de energia
 
O BHBA é produzido no fígado como resultado da oxidação incompleta da gordura. As reservas corporais de gordura e proteína são mobilizadas ao mesmo tempo em que a vaca está passando por um período de balanço energético negativo. Embora o BHBA seja produzido acima dos níveis normais quando é mobilizada uma quantidade maior de gordura, também pode ser uma fonte de energia para a vaca leiteira. Uma molécula de glicose resultará na produção de 248 Kcal de energia, enquanto uma molécula de BHBA resultará na produção de 279 Kcal de energia.
 
É impossível para uma vaca leiteira de alta produção comer matéria seca suficiente após o parto para atender aos requisitos do úbere para produzir grandes volumes de leite. A vaca não tem escolha a não ser mobilizar gordura e proteína para tentar atender a esse requisito. As maiores quantidades de BHBA que são produzidas durante a conversão de NEFA em energia são a principal causa subjacente da cetose.
 
Você deve tratar a cetose?
 
Em geral, as vacas com maior produção em qualquer rebanho terão níveis mais altos de NEFA e BHBA pós-parto. O dilema é o que fazer com animais acima de 1,2 mmol/litro, mas que parecem clinicamente normais, estão se alimentando bem e não parecem sofrer nenhum dos efeitos negativos associados aos níveis elevados de BHBA em vacas recém paridas.
 
Quando existe um programa de monitoramento de cetose, é importante avaliar clinicamente esses animais acima do ponto de corte de 1,2 mmol/litro. Eles estão se alimentando corretamente? O úbere está cheio de leite? Eles parecem bem hidratados, saudáveis ??e não sofrem com baixos níveis de energia? Eles estão produzindo um alto nível de leite por estarem no início da lactação? Não é possível ter um ponto de corte específico para todas as vacas leiteiras, e que avaliar fisicamente esses animais também faça parte do programa de monitoramento de cetose para determinar se eles realmente devem ser tratados ou não.
 
É importante que façamos tudo o que estiver ao nosso alcance para fornecer a quantidade máxima de energia a essas vacas recém paridas para tentar minimizar a quantidade de gordura e proteína que deve ser mobilizada. Existem vários suplementos energéticos, precursores de gordura e glicose, que podem ser adicionados à ração de vaca para ajudar a atender a esses requisitos elevados para vacas de alta produção. O bypass de colina também pode ser usado para ajudar a mover a gordura para fora do fígado e permitir que ela seja usada na glândula mamária como fonte de energia e/ou para aumentar o conteúdo de gordura do leite.
 
Obviamente, um bom manejo de forragem, evitando excesso de animais na hora de comer, forragens de alta qualidade, dietas bem equilibradas e excelente palatabilidade da ração são importantes para maximizar a ingestão de nutrientes e reduzir a quantidade de gordura que deve ser mobilizada pelas vacas recém-paridas. No entanto, também temos que perceber que vacas de alta produção terão que mobilizar mais gordura e proteína e, como resultado, seus níveis de BHBA também serão elevados.

Isso não significa que todos esses animais devem ser tratados apenas porque seu nível de BHBA está acima de 1,2 mmol/litro. A observação cuidadosa desses animais deve fazer parte do programa de monitoramento de cetose para evitar gastos desnecessários e tratamento de animais de alta produção que são perfeitamente saudáveis.
 
*Baseado no artigo Should You Treat for Ketosis?, de Dan McFarland - Penn State Extension, publicado na Dairy Herd Management.
 
Mais informações:
 
contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
WhatsApp (19) 99817- 4082
 
 
Fonte consultada:
 
Should You Treat for Ketosis? (https://www.dairyherd.com/article/should-you-treat-ketosis) 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.