FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Dicas práticas para melhorar a eficiência alimentar na sua fazenda

EDUCAPOINT

EM 02/06/2020

5 MIN DE LEITURA

0
2
A eficiência alimentar na pecuária é uma daquelas coisas frequentemente comentadas, mas nem sempre interpretadas da mesma maneira. Da mesma forma, quando perguntados sobre o que se está fazendo na fazenda para aumentar ou manter uma taxa constante de eficiência alimentar, quantos seriam capazes de dar uma resposta concreta? Embora esse conceito possa ser um pouco complicado e muito multifacetado, você ficará surpreso com o quanto pode ser influenciado pelo manejo diário simples.
 
Lembre-se de que a nutrição é uma pedra angular da produção de leite. Infelizmente, é também o fator que pode ser facilmente subutilizado ou superutilizado e mal gerenciado. Em qualquer cenário econômico do setor leiteiro, mas especialmente no cenário desafiador de hoje, a alimentação das vacas é uma área privilegiada que você deseja aproveitar com o mínimo de desperdício possível.
 
A Universidade de Kentucky explica qual é a definição científica de eficiência alimentar. Essa é a quantidade de leite corrigido para 3,5% de gordura produzida por quilo de matéria seca consumida. Especificamente, a faixa de eficiência “ideal” sugerida é de 1,4 a 1,8 quilos de leite por quilo de ração, com base em dados de vacas Holandesas.
 
Em um sentido mais amplo, a eficiência também pode ser considerada como o uso da maioria dos nutrientes fornecidos com o mínimo de desperdício possível. Sempre que o alimento é jogado fora ou é pouco convertido dentro da vaca, isso é uma ineficiência.

=> Aprenda muito mais sobre esse tema no curso Manejo prático da alimentação: do alimento à boca. Neste curso médico veterinário, MSc. Gustavo Almeida, ensina quais os fatores que limitam o consumo de matéria seca, e as alternativas para melhorar o aporte de nutrientes para a produção. O curso é exclusivo para assinantes. Clique aqui e saiba como assinar.
 
Consumo de alimentos
 
Uma das maiores medidas que você pode tomar para aumentar a eficiência é melhorar e monitorar a ingestão de alimentos. E sim, existem medidas que você pode adotar para levar mais suas vacas ao cocho e desperdiçar menos.
 
Uma vez que uma vaca em início de lactação consome o suficiente para atender às suas necessidades de mantença, cada quilo de matéria seca consumido a mais pode suportar aproximadamente dois quilos de produção de leite, em média. Independentemente de quão boa é sua ração, uma vaca só pode obter os nutrientes necessários de acordo com o quanto ela consome. Vacas no pós-parto e novilhas de primeira cria são as mais suscetíveis à baixa ingestão de ração e as mais negativamente impactadas por ela.
 
Vacas de alta produção requerem mais consumo de matéria seca (IMS) tanto para manutenção quanto para produção. Estima-se que uma vaca Holandesa de alta produção exija 4,0% de seu peso corporal em matéria seca a cada dia. Para um animal de baixa produção, o requisito é de apenas 3,0%.
 
A qualidade da forragem desempenha um papel na eficiência, e não apenas em termos de desperdício e IMS. À medida que a porcentagem de fibra em detergente neutro (NDF) aumenta, a eficiência da alimentação tende a diminuir. Os aditivos para a alimentação animal, incluindo tampões, ionóforos, leveduras, microbianos e outros, demonstraram ter alguns efeitos positivos na eficiência. Esses aumentos podem não ser enormes, mas em um rebanho baseado na produção, os pequenos ganhos individuais terão um impacto combinado no tanque.
 
E, finalmente, considere as rações que você fornece a cada grupo específico. É importante ter dietas específicas formuladas para vacas no período pré e pós parto para atender às suas necessidades nutricionais. Dessa forma, cada porção que elas consomem atende aos requisitos para o estágio atual da lactação. Da mesma forma, suas vacas secas não precisam de alimentos de alto valor.
 
O papel do manejo
 
Os fatores ambientais são a principal causa de ingestão reduzida. O estresse térmico pode aumentar substancialmente com base no índice de umidade. Sempre que houver estresse térmico, a ingestão de alimentos começa a diminuir. Ter aspersores e ventiladores espaçados adequadamente em torno dos estábulos, especialmente diretamente no cocho, ajuda bastante.
 
O espaço inadequado no cocho impedirá que as vacas mais fracas comam o que deveriam. A recomendação geral é fornecer pelo menos 70 a 75 centímetros por vaca, mas em grupos especiais de acordo com suas necessidades, sendo 90 centímetros o ideal.
 
A forma como a sua Ração Total Misturada (TMR) é misturada também pode afetar o que as vacas vão comer. Tamanhos inadequados de partículas e pouca mistura podem levar a seleção e desperdício. Isso também pode levar a problemas de saúde que inibem a eficiência, como a acidose. Da mesma forma, forragens de menor qualidade e com menor palatabilidade desencorajarão os animais a voltarem a comer regularmente. A TMR com um teor de umidade muito alto não apenas corre o risco de deterioração, como também é capaz de reduzir a ingestão. A recomendação geral é manter a TMR entre 48% e 52%.
 
E, é claro, seus animais só podem comer o quanto lhes é oferecido. É geralmente recomendado que o acesso à ração seja cerca de 22 horas por dia (representando aproximadamente duas horas passadas nos currais e ordenha). Para reduzir as recusas, aumentar a prática de empurrar a ração pode ajudar. Como o alimento é empurrado para mais longe do cocho, é necessário mais trabalho para uma vaca comer quando está com fome. Como resultado, ela tenderá a se deitar e desistir. Além disso, os alimentos dispersos têm uma área de superfície maior que permite que o oxigênio externo contamine a forragem. Se deixados de fora por muito tempo, as vacas podem ser menos propensas a comer o mesmo quando são empurrados de volta. Uma recomendação para monitorar o uso eficiente da alimentação é que não sejam deixados mais que 3-5% da recusa no final de cada alimentação.
 
Há muito espaço para variação de eficiência em animais individuais e dentro de raças. Observe que a maioria das equações de eficiência é baseada em pesquisas específicas com vacas Holandesas. Da mesma forma, a ingestão de matéria seca e os requisitos nutricionais também variam. O valor de um nutricionista que conhece seus objetivos pessoais, recursos alimentares e rebanho específico é outro ativo importante na busca da eficiência ideal de alimentação.
 
* Baseado no artigo Practical Tips To Improve Feed Efficiency, de Jaclyn Krymowski, para a American Dairymen.
 
Mais informações
contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
Whatsapp (19) 99817- 4082

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.