FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Conforto da vaca é a coisa mais importante que você pode fazer para evitar problemas de casco

EDUCAPOINT

EM 07/07/2020

4 MIN DE LEITURA

0
0
Esse é um daqueles problemas desagradáveis ??que atormentam os produtores de leite em todos os lugares: uma vez que uma vaca se torna manca, ela tende a se tornar uma vaca cronicamente manca.
 
Ela pode melhorar um pouco com o corte e o isolamento dos cascos, mas as condições que a levaram a mancar geralmente persistem nas instalações devido à maneira como as vacas são tratadas e manejadas.
 
O baixo conforto da vaca e o aumento do tempo em pé em superfícies duras foram [no passado] reconhecidos como um fator secundário, aumentando a severidade da claudicação.Agora está se tornando cada vez mais provável que ficar em pó ser a principal causa da patogênese de lesões no caso, e não apenas um fator secundário. O aumento da carga devido ao descanso insuficiente é a causa mais provável de inflamação.
 
Funciona da seguinte forma: tempo reduzido de descanso significa sobrecarga no casco, o que causa claudicação. Uma vez que as vacas se tornam mancas, elas têm um comportamento anormal de repouso, o que não permite a cura adequada dos cascos. Isso, por sua vez, significa claudicação contínua. E o ciclo se torna um ciclo interminável de claudicação crônica. Uma vez que uma vaca se torna manca, ela frequentemente permanece manca.
 
A inflamação do pé é a provável causa de claudicação. E o aumento da carga devido ao descanso insuficiente é a causa mais provável de inflamação. O conforto da vaca é a coisa mais importante que fazemos na prevenção da claudicação.
 
O que isso significa é que praticamente todos os aspectos de como as vacas são alimentadas, alojadas e manejadas podem desempenhar um papel em sua suscetibilidade à claudicação. O excesso de estoque pode criar problemas de acesso para alimentação e tempo no cocho, restringindo o tempo de descanso. Um projeto inadequado das instalações pode resultar em uso inadequado e tempo de descanso reduzido. O design inadequado da cama e a ventilação do galpão podem resultar em agrupamentos, aumento do tempo de espera e menos tempo deitada.
 
O estresse térmico pode ter um efeito maciço na vaca. O estresse térmico em julho significa claudicação em setembro. 
 
A claudicação tem tudo a ver com o microambiente em que a vaca vive e passa seu tempo. Um estudo mostrou que as vacas tinham 3 ½ horas a menos de tempo deitadas por dia quando o índice de umidade e temperatura aumentou de 68 para 79. 
 
O material de cama também desempenha um papel importante. As camas de areia com muita profundidade são frequentemente consideradas o padrão-ouro. O impacto da areia está realmente na redução da cronicidade da claudicação, pois permite uma cama mais confortável, que incentiva o uso e o tempo para curar.

=> Se você quiser saber mais sobre como prevenir lesões de casco em bovinos leiteiros e garantir, assim, um melhor bem-estar dos seus animais, acesse o conteúdo completo do curso Medidas de manejo envolvidas na prevenção de problemas podais dos bovinos. O curso pode ser adquirido individualmente ou você pode optar por assinar a plataforma EducaPoint, tendo acesso a todos os cursos disponíveis (mais de 180!) por um preço único. 
 
Formas de controlar a claudicação:
 
• Ter instalações adequadas;
 
• Identificar novos casos de claudicação e tratar de maneira eficaz;
 
• Permitir que as vacas que estão mancando se recuperem em uma cama adequada;
 
• Controlar causas infecciosas de claudicação através da limpeza eficaz nos pés;
 
• Uso de camas adequadas.
 
O uso rotineiro da limpeza dos pés é fundamental para reduzir patógenos que podem causar claudicação. A lavagem dos pés devem ser usadas ??4 vezes por semana, quando introduzidos pela primeira vez, para manter o controle desses patógenos. A frequência pode ser reduzida à medida que o controle melhora, com alguns rebanhos usando lavagem de pés apenas uma vez por semana.
 
Também se recomenda o uso de um agente antibacteriano que tenha evidências de eficácia contra a dermatite digital e a podridão dos pés. Esses compostos devem ter no máximo 5% de sulfato de cobre, no máximo 4% de formalina (evite o uso de formalina em clima frio, pois apresenta problemas de atividade em temperaturas mais baixas) e o uso de um acidificador com um pH não inferior a 3,0.
 
Os cascos das vacas também precisam ser aparados duas vezes por ano, a menos que o desgaste seja um problema em suas instalações. Um bom corte deve ser feito a cada 4 a 6 meses. A maioria dos rebanhos aparam no meio da lactação e na secagem. Mas alguns rebanhos, se estiverem vendo mais lesões, farão seu primeiro corte aos 80 a 120 dias após o parto para evitar problemas.
 
Finalmente, aqui estão os fatores para reduzir o risco de claudicação:
 
• Menos tempo em pé no concreto;
 
• Instalações mais amplas;
 
• Uso de sistemas de remoção de estrume que não sejam raspadores automáticos para reduzir contaminação dos cascos;
 
• Uso de superfícies não escorregadias e não traumáticas;
 
• Acesso a pastagens;
 
• Corredores de alimentação mais amplos.
 
• Uso de banhos eficazes para os pés;
 
• Reconhecimento imediato e tratamento da claudicação.

* Baseado no artigo Get Lame, Stay Lame, de Jim Dickrell, publicado na Dairy Herd Management.
 
Mais informações:
contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
WhatsApp (19) 99817- 4082 
 
 
 
 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.