ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Como prevenir a acidose ruminal subclínica nas vacas em transição?

EDUCAPOINT

EM 22/08/2018

4 MIN DE LEITURA

0
1
Um problema comum observado em países onde a qualidade da forragem é baixa é a necessidade do aumento de amido, vindo de cereais, na dieta. Esses são fontes de energia rapidamente disponíveis no rúmen. O excesso de amido predispõe as vacas à acidose ruminal subclínica, particularmente nos animais em transição.

Isso é um pouco problemático, particularmente para os animais no periparto (pré-parto e pós-parto), porque eles já possuem uma variabilidade alta de consumo de matéria seca e, por isso, já estão predispostos à acidose ruminal. Além disso, os animais de pico, que têm um consumo muito alto, também têm maior probabilidade de acidose ruminal.

Assim, é preciso que seja feito um manejo adequado da dieta dos animais em transição para amenizar esse problema.

Acidose ruminal subclínica

A acidose ruminal subclínica é caracterizada por um pH ruminal de 5,9 ou menos por mais de 6 horas:



Quando o animal tem esse período extenso de pH baixo, é possível observar uma diminuição da digestibilidade de fibras e um aumento da secreção de proteínas de fase aguda. Essa resposta do animal não é somente localizada no rúmen, é sistêmica, provavelmente devido à absorção de alguns fatores, como lipopolissacarídeos, ou mesmo bactérias, que entram na corrente sanguínea.

A baixa digestibilidade de fibras está relacionada à mudança nas características das bactérias. O gráfico abaixo mostra a alteração na concentração de bactérias:



Quanto mais baixo o pH ruminal (direita do gráfico), maior a concentração de bactérias digestoras de amido. Quanto mais alto o pH, mais alta a concentração de bactérias digestoras de fibras. Assim, fica claro que existe uma adaptação da flora ruminal ao pH do rúmen.

O motivo pelo qual, muitas vezes, se faz a separação de partículas para observar se há fibras necessárias no rúmen ou não é para entender melhor o que aconteceria dentro dele.

Confira a imagem abaixo:



As consequências de acidose ruminal subclínica são:



O aumento do estresse oxidativo e o estado pré-inflamatório das vacas que têm acidose ruminal apresentam, também podem afetar o sistema imunológico e o balanço de nutrientes, causando:

- balanço energético negativo mais acentuado;
- mais ácidos graxos de cadeia curta danificam o epitélio ruminal e intestinal, levando à maior absorção de E.coli e lipopolissacarídeos.

Quando ocorre uma inflamação sistêmica, seja pelo fato do animal ser obeso ou estar perdendo muito peso ou, nesse caso, devido à acidose ruminal, pode haver um aumento de Fatores de Necrose Tumoral Alfa (TNF-α), afetando o metabolismo, a resistência à insulina, entre outros fatores.

Embora isso seja uma teoria, é muito provável que a acidose subclínica tenha um efeito muito significativo, particularmente em animais no periparto, devido a essa relação.

Recomendações

De um modo geral, existe uma relação muito grande entre fibra efetiva (FDNfe) e mastigação que, por sua vez, está relacionada com salivação e temponamento do rúmen.

Confira algumas recomendações de separação de partícula:



Com o valor da FDNfe aproximado, é possível prever se a dieta terá capacidade de produzir mastigação e salivação suficientes para prevenir a acidose ruminal.



De acordo com dados de estudos recentes, conforme aumenta o FDNfe também aumenta o pH ruminal (linha azul), de forma que se atinge um pH ideal com FDNfe de cerca de 18%. Porém, não dá para alimentar uma animal com FDNfe de 20% ou 25% apenas para aumentar o pH ruminal, pois isso compromete o consumo de matéria seca (linha vermelha pontilhada).

De acordo com essa revisão, para reduzir o risco de acidose ruminal em vacas de alta produção, o FDNfe, quando usado os três painéis superiores do separador de partícula deve ser de 31,2% e quando se utiliza os dois painéis superiores do separador de partícula deve ser de 18,5%.

Esse é um dado generalizado, sendo necessário levar em consideração mais fatores da dieta. Porém, o FDNfe é um fator que deve ser avaliado na dieta dos animais para reduzir o risco de acidose ruminal.

Confira no vídeo abaixo o professor, Ricardo Chebel, professor da Universidade da Flórida, explicando sobre essa questão:

 

Essa é uma das aulas do curso on-line Sanidade e monitoramento de vacas em transição, do EducaPoint. Neste curso, são apresentados os fatores de risco para doenças metabólicas e infecciosas, assim como estratégias de manejo, hormonais e nutricionais para minimizá-los.

Participe deste curso e tenha acesso aos resultados dos principais trabalhos de pesquisa realizados sobre o tema nos Estados Unidos. Para isso, assine o EducaPoint.

Com planos totalmente acessíveis, a plataforma oferece o que há de melhor e mais atual na pecuária brasileira, e os assinantes têm acesso ilimitado a TODOS os cursos (já são mais de 115 temas).

Conheça os planos aqui! Ou experimente sem compromisso realizando um breve cadastro no site: EXPERIMENTE GRÁTIS!

Mais informações:
contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
WhatsApp (19) 99817- 4082  

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint