FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Como ocorre a hipocalcemia em vacas em transição?

EDUCAPOINT

EM 06/04/2020

0
2

A hipocalcemia é uma doença muito comum na vaca recém-parida. Embora, na maioria dos rebanhos leiteiros, a incidência de hipocalcemia clínica possa ser baixa (abaixo de 3%), a incidência de hipocalcemia subclínica é bastante alta, chegando muitas vezes a superar 50% das vacas recém-paridas!

Como ocorre a hipocalcemia

 

Como pode-se perceber na figura abaixo, há muito cálcio no organismo da vaca. O problema é que 99% do cálcio presente no organismo da vaca está nos ossos e nos dentes, ou seja, não está prontamente mobilizável, de forma que não se pode contar de imediato com essa reserva.

 

A estimativa é que, em uma vaca de 600 quilos, haja 8,5 quilos de cálcio, ou seja, uma quantidade muito mais do que suficiente para evitar qualquer quadro de hipocalcemia. O problema é que 99% não são prontamente mobilizáveis, sendo necessário contar com o 1% restante.

Esse 1% restante tem uma parcela intracelular, que também não é de interesse imediato. Por outro lado, uma parcela chamada fração extracelular de cálcio, que é a concentração sérica de cálcio, tem uma proporção de 0,1%. Assim, em uma vaca de 600 quilos, a quantidade de cálcio prontamente utilizável para fazer frente a um quadro de hipocalcemia é tão somente de 3 gramas.

Além disso, da concentração de cálcio sérico total, uma parte está ligada à proteína albumina, uma outra porção pequena está complexada com outras substâncias, e somente 50-55% é cálcio que de fato é utilizável para atender a demanda da vaca leiteira.

=> Aproveite e inscreva-se agora mesmo no webinar gratuito que ocorrerá na próxima terça-feira, dia 07/04, às 11 horas com o prof. Prof. Rodrigo Almeida, cujo tema será "Atualidades no período de transição de vacas leiteiras". Você pode se inscrever aqui.
 

Principais causas da febre do leite (hipocalcemia clínica)

- Perda excessiva de cálcio pelo colostro (depleção aguda do cálcio sérico);

- Diminuição da absorção intestinal de cálcio ao parto;

- Resposta lenta ao hormônio PTH e à vitamina D3 após o parto – 24 horas para resposta intestinal e 48 horas para reabsorção óssea.

Dinâmica do cálcio

Com a remoção do colostro na vaca recém-parida, há uma imediata queda do cálcio plasmático. Isso leva a um aumento do PTH e da 1,25-dihidroxivitamina D3, forma ativa da vitamina D, levando a uma mobilização imediata de cálcio da matriz óssea. Isso ocorre nas vacas saudáveis. O problema é que a vaca recém-parida tem, muitas vezes, uma queda de consumo.

Essa queda de consumo, aliada ao fato de que essa vaca talvez não tenha recebido dieta aniônica no pré-parto, tanto as concentrações de PTH quanto as de 1,25-dihidroxivitamina D3 são menores, mas não é so isso. O PTH, mesmo quando em concentrações adequadas, não consegue promover a reabsorção de cálcio da matriz óssea, surgindo, assim, o quadro de hipocalcemia. 

Hipocalcemia

O quadro de hipocalcemia pode ser, portanto, subdividido em dois quadros:

 

Se a vaca apresenta concentração de cálcio superior a 8 mg, a gente diz que a vaca é normocalcêmica. Se essa vaca apresenta concentração de cálcio entre 5 e 8 mg, a gente diz que essa vaca é hipocalcêmica, mas ainda no estágio subclínico. Se a concentração total de cálcio é inferior a 5 mg, podemos afirmar que a vaca apresenta hipocalcemia clínica ou febre do leite.

Embora a concentração de cálcio no leite seja intermediária, ao redor de 1 grama, no colostro essa concentração é praticamente o dobro. Se uma vaca produz 10 litros de colostro, a quantidade de cálcio presente nesse colostro é oito vezes maior do que a quantidade de cálcio normalmente presente na circulação da vaca, que seria 3 gramas.

Incidência de hipocalcemia

A incidência de hipocalcemia é muito variável. Muitos autores, principalmente há 30 anos, relatavam somente a hipocalcemia clínica. Esse é um ponto importante, porque muitos produtores não dão importância à dietas aniônicas e estratégias para evitar a hipocalcemia, porque acreditam que não têm vacas com hipocalcemia, mas isso não é verdade.

De fato, a proporção de vacas com febre do leite é baixa, mas vacas com algum grau de hipocalcemia é bastante alto, como pode-se perceber nos dados abaixo:

Fatores de risco na incidência da hipocalcemia 

- Dieta: excesso dos cátions Na+ e K+;

- Produção de leite (maior produção leva a maior risco);

- Número de lactações: a incidência de hipocalcemia aumenta 9% por parto, já que o esqueleto em crescimento das novilhas é mais responsivo a PTH e possui mais receptores de 1,25-dihidroxivitamina D3 no intestino;

- Raça: maior incidência na raça Jersey, por conta do colostro com mais cálcio e menos receptores de 1,25-dihidroxivitamina D3 no intestino.

Cascata de eventos relacionados à hipocalcemia

 

A figura mostra que a hipocalcemia está inter-relacionada com várias doenças, porque basicamente com a concentração de cálcio sendo baixa, a função muscular, tanto musculatura esquelética, como musculatura lisa, está comprometida. Essa função muscular comprometida, associada à função imunitária também deficitária faz com que todas essas doenças tenham concentração aumentada na vaca hipocalcêmica.

Vacas que apresentam qualquer uma dessas enfermidades têm queda na produção de leite e diminuição em sua função reprodutiva.

Mais informações:
contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
WhatsApp (19) 99817- 4082

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.