FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

O leite na era 4.0

POR ZOETIS

ZOETIS - POR UMA PECUÁRIA LEITEIRA MAIS SAUDÁVEL

EM 13/07/2020

3 MIN DE LEITURA

1
5

Por Bruna Silper*

Vivemos numa era de transformações contínuas. Tecnologias como Inteligência Artificial, Internet das Coisas (IoT), Realidade Aumentada, impressão 3D, fontes de energia alternativas, entre tantas outras, modificaram o modo como nos comunicamos e nosso modo de agir, pensar e observar. Vivemos uma era de mudanças e incertezas, que exigem rápida e constante adaptação. Uma era onde tudo – pessoas, empresas, equipamentos – trocam informações e são influenciados pelos demais a todo tempo.

Na Economia 4.0, o digital e o real se misturam de forma indissociável e promovem mudanças profundas nos modelos de negócio. Inteligência e precisão são as palavras-chave dessa nova economia para qualquer setor.

Nesse cenário, para a pecuária leiteira não é diferente. Somos parte de uma atividade em plena mudança. Globalmente, acompanhamos a consolidação de rebanhos cada vez maiores e cada vez mais produtivos, contrastando com uma concentração gradual da atividade em um menor número de fazendas para empregar e alimentar uma população em crescimento.

Temos acompanhado a saída constante de produtores de leite da atividade leiteira, evidenciada nos dados do IBGE de 2017 que indicam uma redução de 13% no número de produtores em comparação a 2006. Nos EUA, essa redução atualmente chega a 6,8% ao ano. Não é segredo que aqueles que permanecem são os que mais rapidamente se adaptam às mudanças. Aqueles que, em vista dos desafios, conseguem manter seus rebanhos produtivos e economicamente eficientes. As diversas tecnologias disponíveis hoje para a produção leiteira são grandes aliadas no atingimento de metas produtivas e financeiras, e na permanência na atividade.

A pecuária de precisão, por meio de ferramentas digitais, permite a obtenção de informações fundamentais e precisas para o acompanhamento de todo o ciclo produtivo. Isso auxilia o produtor diante de desafios como aumento do rebanho, maior produção e assertividade na gestão, bem como necessidade de cuidado individualizado para cada animal, respeitando seu bem-estar. Softwares, sistemas e aplicativos que permitem coletar, armazenar e analisar dados – como taxa de prenhez, cio, produção de leite e incidência de doenças – estão amplamente disponíveis e serão cada vez mais parte do dia a dia das fazendas leiteiras. Não só para que o produtor seja mais eficiente e se mantenha na atividade, mas também para que haja foco em bem-estar animal, produtividade e sustentabilidade.

Temos no país um grande potencial de crescimento para esse setor. Estima-se que cerca de 4 milhões de pessoas trabalhem diretamente na pecuária leiteira. Mesmo sendo tão heterogêneo e pulverizado, com produtores de alta produtividade e tecnicidade e outros cuidando de suas propriedades como se fazia há 50 anos, o setor mais que quadriplicou sua produção em pouco mais de 40 anos. Ultrapassamos o volume de 35 bilhões de litros de leite, mas ainda com baixa produtividade média nacional (aproximadamente 1.600 kg de leite/vaca/ano).

Análises publicadas em março de 2020 exemplificam o potencial para melhores resultados nas fazendas brasileiras. O Top 100 2020, publicado pelo MilkPoint, indica produção média por vaca de 28,5 kg/dia nas 100 maiores fazendas do País. E ainda o 5º Índice Ideagri do Leite Brasileiro, iniciativa que analisa dados de rebanhos que utilizam software de gestão, evidencia oportunidades de melhoria. Como exemplo, a taxa de prenhez, indicador-chave para desempenho produtivo e reprodutivo, foi de 16% na média geral e de 23% nos dez rebanhos de melhor resultado zootécnico. Já a taxa de mortalidade de vacas foi de 6,2% na média geral e de 4,6% nas fazendas top 10. Certamente os resultados superiores obtidos nesses rebanhos Top 10 são consequência de assistência técnica de qualidade, gestão eficiente e aplicação coerente de tecnologias.

Outra grande oportunidade está no aumento do consumo per capita. Hoje, no Brasil, o consumo per capita (170 kg de leite/habitante/ano) é inferior ao recomendado pela OMS (Organização Mundial da Saúde), que é de 200 a 220 kg/habitante/ano. Um maior consumo passa também pela consideração dos desejos e demandas dos consumidores a respeito de como o leite é produzido, o que envolve o bem-estar animal e a sustentabilidade.

Em meados de 2019, o Ministério da Agricultura divulgou uma lista com 24 empresas brasileiras habilitadas a exportar produtos lácteos para o mercado chinês. De acordo com a Viva Lácteos – Associação Brasileira de Laticínios –, a estimativa é que US$ 4,5 milhões sejam gerados com a venda de produtos lácteos. Tudo isso destaca a necessidade de inovação na cadeia produtiva do leite, para que possamos nos firmar como um país capaz de atender à demanda mundial por alimentos. Façamos com que nosso leite seja também 4.0.

*Médica Veterinária, Mestre em Zootecnia e PhD em Animal Science e Especialista em Pecuária de Precisão da Zoetis.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOSÉ CARLOS AZEVEDO

ITAPERUNA - RIO DE JANEIRO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 20/07/2020

Bom dia! Venho acompanhando, quase que diariamente, que em breve teremos melhorias na produção de leite, principalmente em sua qualidade para o consumidor e também na sua condição, primordial no meu entender, preço por litro.
Pura fantasia para quem publica tal informação. Longe disso. Agora, na questão de despesas de manutenção do rebanho leiteiro, o aumento para sua aquisição é imperdoável. Não há forma de contenção desta enigmática situação. Preços absurdos.
No meu caso específico, quero crer para muitos que foram criados desde o berço nessa atividade é estranhamente aceitável todo este sofrimento. Deus, certamente, determina a piedade para todos os produtores sofridos nesta condição de produtor, sem olhar adiante, ou seja, outros horizontes perceptíveis. todos os dedicados e conhecedores de seus afazeres são feitos e posso afirmar vem da sua própria natureza a manutenção de produzir o leite. Sofremos consequências danosas como agora na Pandemia. Cadê, pelo menos o incentivo de algum capital para um melhor razoamento produtivo? É sofrer e sofrer sem perceber nada a seu favor na área que gera alimentos. Até quando? A culpa é nossa também que não temos quem de fato, poderia nos representar demonstrando a nossa necessidade em verdade pura do homem produtor.
A secreção nutritiva produzida por nossos animais , afinal, sabemos que primeiro animal domesticado no mundo foi a nossa Vaca e só depois a cabra. O leite é útil a nossas crianças, aliás prática comum cada vez mais comum que deveria evoluir respaldada por grandes desafios, porquanto serve ao homem.