carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Não é o R$ 1,5/litro ao produtor...

Por Valter Bertini Galan (MilkPoint)
postado em 16/02/2016

53 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Repercutiu bastante o artigo aqui publicado na semana passada (“Setor lácteo projeta aumentos de preços expressivos ao longo de 2016”), com muitos comentários (alguns bastante críticos e outros esperançosos) sobre os patamares de preços ao produtor projetados para 2016, muitas sinalizações de que a atividade de produção de leite está, efetivamente, num momento bastante crítico (seja pela alta de custos ou pelo nível de preços), e muitas observações indicando que indústrias e supermercados têm ficado com a maior parte da remuneração distribuída na cadeia leiteira nacional.

Sem a pretensão de solucionar todos os pontos ou mesmo dirimir todas as aflições do setor, acessamos nosso extenso banco de informações para agregar um pouco mais de tempero na discussão.

Distribuição dos valores ao longo da cadeia láctea

O gráfico 1 atualiza a análise de distribuição dos valores ao longo da cadeia para um mix de derivados lácteos contendo leite UHT, queijos e leite em pó.

Gráfico 1
. Distribuição de valores ao longo da cadeia láctea.



Dois pontos são bem claros no gráfico:

• Em 2015, o produtor foi o elo que mais perdeu em valor recebido ao longo da cadeia, tendo visto sua participação cair de 38,3% para 36,6%;

•No mesmo ano, indústria e varejo aumentaram, na mesma proporção, a sua participação (+0,8% em 2015).

Analisando um horizonte mais longo (desde 2010), verifica-se, no entanto, que a indústria perde sistematicamente participação na absorção de valor na cadeia (-7,3%), e basicamente esta participação é transferida para o varejo (que ganha, no período, 7,7% do valor total aferido). Nada mais óbvio do que esta transferência da indústria ao varejo – enquanto as 4 maiores redes varejistas do mercado detém 65% do faturamento do setor, as 12 maiores indústrias lácteas compram somente cerca de 38% da produção nacional. É um setor muito pulverizado negociando com um elo cada vez mais concentrado.

Preços ao produtor e competitividade da atividade leiteira

O valor médio Brasil apurado pelo Cepea para os preços brutos do leite pagos em janeiro/2016 (R$ 1,0615/litro) é 14,2% maior que o valor de janeiro de 2015. Numa realidade de inflação oficial de cerca de 10,5%, isto significa que o produtor está “ganhando” da inflação. Correto? Não. A inflação do produtor de leite é bem maior do que o número oficial. Farelo de soja está, em média, 25% mais caro do que em 2015 e o milho aumentou cerca de 50%! O concentrado, que representa 35 a 40% do custo de produção está mais do que 40% mais caro e o cenário de preços para o restante de 2016 não indica melhoria (baixa!) significativa. Além dele temos a variação dos salários (quase 11,5%, por conta do ajuste do salário mínimo), sem falar de energia e insumos dolarizados.

Assim, se o cenário de 2015 foi de insumos estáveis e preços de leite em baixa, 2016 entra com preços de leite mais elevados mais insumos muito mais caros. Em ambos os caso, a oferta (produção de leite) é bastante comprometida.

Até onde vão os preços do leite?

Claramente este ano teremos dois limitadores aos aumentos de preços do leite:

• Demanda interna: a economia brasileira deve repetir o pífio desempenho de 2015 e o consumo de lácteos tende a seguir patinando. Fortes (acima da inflação) aumentos de preços tendem a não se sustentar na ponta final, ainda que isto não tenha acontecido até este momento;

• Importações: apesar da desvalorização de nossa moeda e das tarifas de importação, hoje o leite importado é bastante competitivo quando comparado ao leite local e o viés do nosso mercado para 2016 é muito mais importador do que exportador.

Como já comentou o nosso amigo e blogueiro Wagner Beskow, são muitas e extremamente complexas as variáveis que influenciam o mercado lácteo brasileiro. Monitorá-las, tentar antecipá-las e entender seu impacto no nosso dia a dia é o nosso grande desafio.

 

Saiba mais sobre o autor desse conteúdo

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

gislei silva vieira

Uberlândia - Minas Gerais - Produção de leite
postado em 16/02/2016

Valter,
Pelos seus comentários, o que irá acontecer é que o Brasil deixará de ser produtor de leite, e passará ser somente importador, pois o produtor não tem autonomia em relação ao seu preço de venda, e com os custos altos atualmente não consegue produzir e vender no preço que a indústria está disposta a pagar.
A indústria por outro lado, não olha o custo do produtor e sim para sua demanda. Ou seja, são 2 elos da cadeia que tem foco distinto, cada um olha para sua realidade, e o varejo que  não está nem aí pra este problema, joga sua margem de lucro e vende de qualquer forma.
O que está acontecendo também, é que o produtor não vai mais ficar reclamando  e já está tomando atitude, por exemplo, parando com a atividade, colocando boi nelore, Senepol, etc, enfim, aos poucos estão deixando sua atividade, pois lá na frente não haverá novilhas para reposição.
A situação é grave, pois se o preço do leite subir muito, rapidinho os produtores passam a alimentar suas vacas melhores, aí a produção aumenta, e como o mercado está recessivo, a oferta volta a ficar maior que a demanda, aí o preço cai novamente, voltando o circulo vicioso.
Neste momento, está claro pra todo mundo, que o produtor não irá reclamar mais. O mercado do corte está aí  pra salvar o produtor!!

claudir jorge kuhn

Toledo - Paraná - Produção de leite (de vaca)
postado em 16/02/2016

Não será somente o preço, fator determinante para sobrevivência de muitos de nos produtores de leite, mas um conjunto de fatores( custo de produção, clima, politica econômica....). O meu grande medo é que vamos sentir saudades de 2015.

Carlos Alberto T. Zamboni

Mococa - São Paulo - Produção de leite
postado em 16/02/2016

O gráfico 1 ilustrando a materia editada pelo Valter diz tudo e nos remete à seguinte conclusão: Como se sustenta um segmento onde quem tem os maiores custos ficam com a menor parte?
Ao meu ver deverá ser por um tempo onde muitas das Industrias não conseguirão sobreviver e a pulverização do setor será derrotado pela concentração do varejo, havendo em um futuro próximo, tbem a concentração da Industria.
Com a Industria concentrada e o varejo tbem, teremos o equilíbrio de forças e cada um que participe da cadeia, terá sua devida justa remuneração.

abs a todos.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2016 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade