Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Cadeia do leite > Giro Lácteo

CEPEA/LEITE: Preços voltam a subir em fevereiro, mas custos reduzem margem do produtor

postado em 02/03/2012

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O preço médio pago pelo leite aos produtores voltou a subir em fevereiro (referente à produção entregue em janeiro). A média ponderada dos estados de RS, SC, PR, SP, MG, GO e BA, foi de R$ 0,8408/litro, aumento de 1,1% (ou 0,9 centavo por litro) em relação ao pagamento de janeiro. Este valor representa um aumento real de 8,3% em relação a fevereiro de 2011 - valores deflacionados pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de janeiro/12.

Apesar do leve aumento de preços em fevereiro, a margem bruta do produtor de leite reduziu neste início de ano, com o encarecimento da alimentação concentrada e da mão de obra. Devido aos reajustes de insumos com milho e farelo de soja, a dieta concentrada teve aumento de 11% na média dos estados de RS, SC, PR, SP, MG e GP entre dezembro e janeiro. Além disso, o aumento do salário mínimo de 14% a partir de janeiro pesou nos custos do pecuarista leiteiro, tendo em vista que na maioria das vezes o pagamento de funcionários é indexado ao salário mínimo.

O aumento de preços do leite ocorreu devido à redução da oferta nos últimos meses devido à estiagem no Sul do País e ao excesso de chuvas em algumas regiões do Sudeste, que prejudicaram essencialmente o transporte de leite. Em janeiro, o Índice de Captação de Leite do Cepea (ICAP-Leite) recuou 2,1% em relação ao mês anterior. A queda foi observada em quase todos os estados da pesquisa, com destaque para Goiás (-5,4%) e Minas Gerais (-3,1%). Na região Sul, houve recuo de 0,6%. O índice geral de janeiro ficou em patamar 1% inferior ao registrado no mesmo período do ano passado.

Para o pagamento de março (referente à produção entregue em fevereiro), a maior parte dos compradores consultados pelo Cepea espera estabilidade ou alta de preços, baseados na expectativa de menor avanço ou mesmo contínua redução da produção de leite, além da tendência de aumento do consumo de lácteos com a volta às aulas. Para 62% dos representantes de laticínios entrevistados pelo Cepea (que respondem por 68% do volume de leite amostrado), deve haver estabilidade de preços. Para 30% dos compradores (que representam 22% do volume da amostra), deve haver aumento e apenas 8% dos agentes (responsáveis por 10% do volume amostrado) sinalizam redução.

No mercado de derivados lácteos, o leite UHT, apurado diariamente no atacado do estado de São Paulo, teve média de R$ 1,72/litro em fevereiro, registrando leve aumento de 1% em relação ao mês anterior (o valor inclui frete e impostos). No caso do queijo muçarela, o preço médio se manteve estável, a R$ 10,23/kg. A pesquisa é feita com o apoio financeiro da OCB/CBCL.

AO PRODUTOR - O maior aumento de preços foi observado no estado do Rio Grande do Sul, de 2,5% (equivalente a 2 centavos por litro), com a média indo para R$ 0,8286/litro. Em Santa Catarina, o ajuste foi de apenas 0,8% (menos de 1 centavo por litro), com a média a R$ 0,8338/litro. No Paraná, os preços também permaneceram praticamente estáveis, com leve recuo de 0,4%, a R$ 0,8355/litro.

Em Minas Gerais, houve aumento de 2% (1,7 centavo por litro), com média de R$ 0,8388/litro. No estado goiano, o preço médio de fevereiro foi de R$ 0,8480/litro, com leve acréscimo de 1% (menos de 1 centavo por litro) em relação à média de janeiro. Em São Paulo, houve leve recuo de 0,6% (0,5 centavo por litro), a R$ 0,8681/litro. Na Bahia, a média foi de R$ 0,7353/litro, com recuo de 0,7% frente a janeiro.



Clique na imagem para ampliá-la.

Clique na imagem para ampliá-la.



A matéria é de Aline Barrozo Ferro e Sergio De Zen, do Cepea/USP.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Vera Aparecida Bernardes Silva

Campinorte - Goiás - Produção de leite
postado em 10/02/2014

Na nossa região, a queda foi muito mais expressiva chegando a cair 0,33 centavos. Acho até que as firmas que compram o leite por aqui se aproveitaram do momento de queda para explorar os produtores.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2014 AgriPoint Consultoria Ltda. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade