Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Manejando o conforto de vacas em free-stall - parte 2

Por COWTECH - CONSULTORIA E PLANEJAMENTO
postado em 12/04/2001

24 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

No artigo anterior, comentamos algumas dicas para monitoramento do comportamento de vacas em free-stall. No presente artigo, abordaremos o mesmo tema, com enfoque nas mudanças comportamentais mais comuns conseqüentes de possíveis erros de manejo e instalações. Para tal iremos sugerir algumas opções, como a planta ideal de uma cama.

Quando tratamos de instalações, mais precisamente free-stall, detalhes fazem a diferença e muitos deles passam despercebidos no dia a dia do produtor:

1) Vacas em pé na cama

Pare e observe uma vaca se aproximando de uma cama. Ao aborda-la (cama), a mesma não deve gastar mais do que 5 minutos para deitar. Em muitos casos, as vacas se aproximam e permanecem com os anteriores dentro da cama e os posteriores para fora, no corredor. Tal situação pode ser um indicador de problemas como:

* comprimento inadequado da cama

* posicionamento errado da barra para o pescoço (neck rail), ou seja, aquela que faz o animal se afastar no momento em que se levanta (defecando ou urinando fora da cama). Ela pode estar muito afastada do eixo principal da contenção ou muito próxima

* posicionamento inadequado do para-peito (brisket board). Também podendo estar muito afastado ou próximo do eixo principal.

Figura 1 - Vacas em pé na cama

Figura 1


A permanência do animal dentro da contenção com as 4 patas, ameaçando deitar, dentro dos 5 minutos pode ser um indicador de falta de areia (ou efeito amortecedor, no caso de outro tipo de material, como camas sintéticas) ou ainda inadequado espaço entre a cama em o que o animal está e a cama à sua frente (lunge space).

2) Presença de esterco nas camas

Quando vacas deitam muito para frente, o natural é que a mesma venha a defecar e/ou urinar dentro da cama. Caso isso esteja ocorrendo com freqüência, devemos observar o tamanho das vacas. Se isso estiver ocorrendo apenas com os animais menores, não há necessidade de alteração no projeto. De acordo com Dan MacFarland, Professor da Penn State University, em rebanhos, principalmente aqueles que estão em crescimento, comumente encontramos uma grande variedade de tamanhos de animais. Neste caso, devemos projetar o free-stall em função dos maiores animais.

É possível que venhamos a encontrar também animais de grande porte, deitados "bem para frente", sujando as camas da mesma forma que vacas menores. Caso isto esteja acontecendo, devemos atentar para dois detalhes: o posicionamento da barra para o pescoço (neck rail) e o para-peito (brisket board). Talvez um ou outro, ao até mesmo ambos não estejam posicionados corretamente, ou seja, ou muito para frente ou muito para trás. Não existem regras para definição da distância do neck rail ou do brisket board. O produtor deve realizar pequenas mudanças (alguns centímetros), gradualmente, e observar o comportamento dos animais, definindo a melhor posição.

3) Degrau

O degrau que limita a cama com o corredor é um importante detalhe, pois a sua altura inadequada promove desconforto ao animal, principalmente no momento em que a vaca resolve levantar-se. O momento de sua saída é lento e cauteloso. Degraus com mais de 30 cm causam insegurança ao animal que, naturalmente, como defesa, passa a evitar a cama.

4) Vacas deitadas em posições anormais

Devemos sempre atentar para a posição em que os animais encontram-se deitados. No último artigo desta coluna, publicamos fotos representando as posições de conforto mais comuns de vacas deitadas em free-stalls. Logo qualquer outra posição que venha a fugir do padrão indica que algo está errado. Em free-stalls mal projetados ou com ineficiente reposição de areia, é comum encontrarmos vacas deitadas "ao contrário", ou seja, com a cabeça voltada para o corredor. Mais uma vez, tal problema pode estar associado com a posição do neck rail. É comum também isso ocorrer devido à largura inadequada das contenções ou baixo nível da areia, permitindo a rotação da vaca dentro da cama.

5) Ferimentos em animais

Muitos produtores encontram, diversas vezes animais feridos próximo ao boleto, canelas, dorso, costado, cauda e pescoço. Obviamente existe algo de errado nas contenções de modo a machucar animais. As causas mais comuns são: lascas de metal, parafusos, neck rail partido ou mal posicionado, etc. A recomendação é que o produtor realize vistorias e constante manutenção de suas contenções, a fim de evitar que alguma vaca venha se machucar. Tal detalhe é mais importante do que costuma parecer. Vale lembrar que um animal que venha se ferir ao se deitar ou levantar, por exemplo, pode adquirir trauma, preferindo o concreto do corredor em detrimento às camas.

6) Distribuição dos animais nas camas

Devemos atentar à distribuição dos animais nas camas. Caso haja um acúmulo de animais nas camas do lado do corredor de alimentação existem, possivelmente, erros no dimensionamento da passagem entre corredores (corredores laterais). A recomendação é que as vacas não devem percorrer mais que 15 metros para encontrar um bebedouro ou uma passagem entre corredores. Caso os animais estejam se agrupando ou evitando alguma região da instalação, certamente está ocorrendo algum problema de ventilação.

7) Vacas deitando diagonalmente

O fato de vacas deitarem na posição diagonal somente deve ser encarado como um problema se estiver havendo deposição de esterco sobre as camas ou inibindo que uma companheira deite-se na cama ao lado. Caso haja um índice superior a 15%-20% de animais deitados dessa forma, certamente o produtor deve realizar correções na manutenção (manejo de reposição de areia, por exemplo) ou no projeto da instalação. Geralmente, mudanças no manejo costumam resolver este tipo de problema. A seguir alguns erros comuns na construção de camas que promovem o descanso diagonal de vacas:

* neck rail posicionado muito distante do eixo principal das camas (com o objetivo de "forçar" as vacas a defecarem fora da cama)

* brisket board (para-peito) posicionado também muito para trás, ou seja, reduzindo o tamanho da cama

* presença de camas com mais de 4% de declividade

A seguir, uma planta (croqui) instrutiva, sugerindo as dimensões ideal de uma cama confortável para vacas:

Figura 2


As medidas acima estão em polegadas, para conversão em centímetros basta multiplicar os valores por 2,54.

Comentário do autor: assim como o primeiro artigo sobre conforto para animais em free-stall descrevemos mais uma série de detalhes que podem gerar mudanças significativas no quesito: comportamento animal. Destacamos que a vaca é um animal herbívoro, que em sua origem sempre teve o pastejo, em ambiente aberto, como hábito alimentar. Em outras palavras, a associação: confinamento X produtividade não se restringe somente ao fato do fornecimento de alimento em ambiente fechado. É necessário o cumprimento de todos os detalhes acima descritos, até mesmo como uma forma de respeito à própria vaca. O presente artigo tem como objetivo esperado, alertar, reforçar e esclarecer conceitos para aqueles que possuem, estão construindo ou almejam futuramente trabalhar com este tipo de sistema de produção de bovinos leiteiros.

fonte: Dairy Herd Management, junho 2000.

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Comentários

Marina de Fátima Ribeiro

São Lourenço - Minas Gerais - Produção de leite
postado em 04/02/2009

Bom dia.

Sou técnica em pecuária e trabalho numa fazenda de gado de leite. Estamos com um problema em relação a cama das vacas, temos uma instalação com 14 baias e mais o free stall. No free stall usamos apenas areia, e nas baias usamos areia com pó de serra, só que está dificil de comprar o pó de serra, assim também como gasta muito, gostaria de saber qual a melhor forma de eu manejar essas baias, com pó mesmo ou só com areia, ou se tem outra maneira ou produto que eu possa substituir o pó de serra e que, claro, me mantém as bais confortáveis.

Abraços
espero um retorno.

Marina

COWTECH - CONSULTORIA E PLANEJAMENTO

São Manuel - São Paulo - Consultoria/extensão rural
postado em 19/02/2009

Prezada Marina,

Não recomendamos como material de cama nenhum substrato orgânico como pó de serra. Materiais orgânicos em contato com umidade proveniente de lavagens, urina + fezes é uma verdadeira fonte de contaminação. Neste caso suas camas se tornarão locais com alta concentração de bactérias prejudiciais à saúde da glândula mamária.

Sob o aspecto de conforto, sem sombra de dúvidas, a cama de areia é a melhor opção. Trata-se de um material inerte, dificultando a colonização e crescimento/acúmulo de bactérias sobre as camas (desde que mantidas sempre limpas, com reposição constante!). Além disso, de acordo com resultados experimentais norte-americanos, vacas têm preferência pelas camas de areia pois é mais "gelada" e ao mesmo tempo permite que as mesmas "montem" suas camas, cavocando com os membros anteriores a cama antes de se deitar. Se por um lado a cama de areia é vantajosa (maior conforto, maior índice de vacas deitadas), por outro ela é restritiva em termos financeiros no caso de propriedades com dificuldade de reposição/compra de areia. De acordo com estudos vacas em free-stall, ao "moldarem" suas camas, removem em média 16 a 20 kg de areia/dia. Logo, você deve contabilizar o seu custo de reposição.

Uma alternativa que vem sendo muito utilizada é o uso de colchões de borracha (raspa de pneus) forrada por manta/lona especial (importada). Neste caso, não há necessidade de reposição e a manutenção desta instalação ocorre a cada 3, 4 anos (quando a lona deve ser trocada e alguns colchões desgastados devem ser trocados). A implantação deste sistema é mais cara, no entanto pode ser mais barata do que a areia em alguns casos (é necessário contabilizar o custo da reposição da areia + mão de obra para repô-la, sempre). A cama de borracha oferece a vantagem de oferecer 1 esterco limpo, livre de qualquer impureza (o que não ocorre no caso de camas de areia) e possibilidade de redução significativa de casos de mastite. No entanto, como desvantagem, é uma cama mais dura e não tão fresca, o que afeta a quantidade de animais deitados, principalmente em dias quentes. Este problema é facilmente solucionado com direcionamento de fluxo de ar através da instalação de ventiladores.

Em cada propriedade sempre há 1 solução mais adequada. Não podemos generalizar. Recomendo que visite, antes de decidir, algumas propriedades e verifique os beneficios e desafios de cada estrutura. Havendo necessidade, você pode me contactar por intermédio da equipe MilkPoint.

Atenciosamente,

João Paulo

jose enock castroviejo vilela

Goiânia - Goiás - Produção de leite (de vaca)
postado em 01/11/2009

tenho um galpão para tratar 150 vacas com 60 metros utilizando os 2 lados, estou pretendendo construir camas para completar o free stall, porem o galpão tem uma inclinação de 10 a 15%, pergunto, as camas podem ser construida com esta inclinação? as vacas deitadas nesta inclinação ficam confortaveis?, aguardo sua manifestção.

Att.

J. Enock

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2014 AgriPoint Consultoria Ltda. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade