Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Radar Técnico > Pastagens

Cenário da pecuária no estado de São Paulo

postado em 21/10/2000

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Marco Antonio Alvares Balsalobre

O Brasil é um país essencialmente pecuário. Além de possuir o maior rebanho de bovinos comercial, a pecuária exerce um papel fundamental no avanço das fronteiras agrícolas, sendo sempre a atividade pioneira nessas regiões.

Entretanto, a pecuária não tem sua importância apenas nas fronteiras agrícolas. O estado de São Paulo, tido como o estado mais rico da Nação, ainda possui cerca de 60% dos seus 19 milhões de hectares agricultáveis como pastagens. É um grande engano quem acha que São Paulo em pouco tempo não terá mais espaço para a pecuária, pois a cana-de-açúcar (segunda cultura agrícola do estado) ocupa uma área aproximadamente 20% do total ocupado pelas pastagens, de forma que a substituição total da pecuária por outra atividade, se concretizada, ainda levará muito tempo para ocorrer.

E qual o motivo da tendência de se substituir a pecuária por outra atividade agrícola? Bem, essa é uma pergunta até certo ponto fácil de ser respondida: é devido à sua baixa rentabilidade. As lotações das pastagens do estado de São Paulo não ultrapassam 0,70 UA/ha, valor bem inferior ao que é exigido por órgãos governamentais, na ordem de 1,25 UA/ha.

Os dados da secretaria da agricultura do estado de São Paulo mostram, com muita clareza, que à medida que há aumento das áreas de pastagens nas diferentes regiões do estado (EDRs), ocorre uma redução drástica da receita por área, sendo que áreas que apresentam em torno de 20% de pastagens, têm receita ao redor de R$1500,00/ha.ano, enquanto que as regiões próximas de 80% de pastagens, possuem receitas inferiores a R$300,00/ha.ano (Figura 1).


Figura

Esses valores poderiam até ser aceitáveis, pois realmente a pecuária sempre foi atividade de baixo lucro. Porém, sendo um negócio seguro, seu risco é baixo e o ativo (animal) tem liquidez imediata. Esses eram argumentos que convenciam o pecuarista em outras épocas, a terra tinha função de reserva de capital e, portanto, não tinha necessidade de ser remunerada. Porém, as terras deixaram de se valorizar e, em alguns casos, não tem mais a função de reserva de capital. Desse modo, passa a ter a necessidade de ser remunerada.

As propriedades que de certa forma passaram por períodos de extrativismo, apresentam a seguinte situação:

- pastagens em degradação
- invasão de daninhas
- fertilidade do solo muito baixa
- baixos teores de matéria orgânica no solo
- baixa lotação
- baixo desfrute
- baixa receita

Esse, cenário leva a um retorno do patrimônio líquido (incluindo terra) menor do que qualquer aplicação financeira (< 6% ao ano), sendo comum encontrar valores próximos de 1%. A terra, nesses casos, representa cerca de 80% do patrimônio líquido, portanto menos de 20% seriam animais.

Para reverter uma propriedade de pecuária nesse estágio, a agricultura pode ser um bom caminho, principalmente a soja, que tem trazido grandes benefícios entrando como rotação de cultura, promovendo a recuperação física e química do solo. No entanto, os inconvenientes disso são: tradição agrícola, estrutura agrícola das fazendas de pecuária e, principalmente, módulo mínimo de trabalho, pois agricultura anual (milho, soja, arroz etc), necessita de grandes áreas para ser rentável. Na maioria das vezes, o que deve ser feito é um trabalho de médio-longo prazo, dentro da atividade de pecuária, com os seguintes objetivos:

- recuperação das pastagens (controle de erosão, daninhas e pragas)
- divisão de pastagens, distribuição de aguadas
- introdução do pastejo rotacionado
- recuperação química do solo, principalmente dos teores de matéria orgânica.
- adubação nitrogenada

Essas medidas promoverão o aumento de lotação e, dessa forma, o aumento da receita e do lucro sobre o patrimônio líquido. Um lucro sobre o patrimônio aceitável, ou seja, pelo menos maior que a poupança, não é difícil de ser obtido, porém não serão conseguidos com lotações menores que 2 UA/ha.

Os próximos artigos conterão informações de aplicações de técnicas que devem ser aplicadas com o objetivo de trazer aumento de lotação animal:

- pastejo rotacionado
- adubação de pastagem
- diferimento de pastagem
- suplementação animal
- irrigação de pastagens

fonte: MilkPoint

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2014 AgriPoint Consultoria Ltda. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade