Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Invasoras em pastagens - aprenda como lidar com estas vilãs da produtividade

postado em 14/10/2016

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

As plantas invasoras de pastagens são também conhecidas como ruderais, silvestres, mato, incó, erva daninha, infestante, nativa, nociva, secundária, erva má, inço e juquira... seja qual for o nome, elas costumam ser uma das grandes vilãs da produtividade do sistema e, portanto, é preciso entender sua fisiologia e principais métodos de controle.

A facilidade que estas plantas têm de se adaptar às mais diferentes condições (solo, clima, etc.) facilita sua competição com as gramíneas. Esta competição ocorre por espaço, luz, água e nutrientes do solo, o que provoca uma diminuição da produção de massa verde nas pastagens e, consequentemente, reduz a capacidade de suporte do pasto invadido, podendo provocar, ainda, desde um atraso no estabelecimento das gramíneas forrageiras até a redução do perfilhamento.

Existem dois tipos básicos de plantas daninhas em pastagens. O primeiro ocorre em pastagens bem formadas, com forrageiras de alta competitividade por espaço e bem manejadas, situação em que as oportunidades são reduzidas para a infestação. Neste caso, as invasoras com melhores chances de estabelecimento são as arbustivas e árvores de pequeno porte, ou seja, plantas de ciclo longo (crescimento lento), que demandam controle pouco frequente e menos rigoroso.

O segundo tipo ocorre em pastagens malformadas e ou extenuadas pelo manejo inapropriado (superlotação de animais). Nesta situação, predominam invasoras de ciclo curto, ou seja, rápido crescimento, que por este motivo demandam controle frequente e rigoroso.

A infestação das pastagens por plantas daninhas ocorre, principalmente, por erros de manejo, tais como:
· Excesso da pressão de pastejo;
· Roçada inadequada, pelo número ou época das operações;
· Não reposição de nutrientes no solo;
· Plantio de gramíneas não adaptadas às condições em que foram expostas;
· Erros na formação da pastagem;
· Excesso ou deficiência de água e
· Sementes que vêm no trato digestivo de animais oriundos de outras áreas, onde há infestação de plantas daninhas.

Além de comprometer a produtividade das pastagens, as invasoras podem trazer inúmeros prejuízos, como: competição com a pastagem, reduzindo a capacidade de suporte do pasto; toxicidade aos animais; hospedagem de parasitas, como carrapatos e moscas do berne; danos físicos aos animais (ex: espinhos); alelopatia; parasitismo; hospedagem de inimigos naturais das pastagens e diminuição na qualidade de forrageiras armazenadas.

Alguns autores apontam perdas em lotação da ordem de 20 a 57%, causada por infestação de plantas daninhas. As plantas invasoras também podem causar obstáculos ao manejo adequado dos animais e à manutenção de cercas.

Animais em pastos com alto nível de infestação (barreira visual) tornam-se mais arredios ao manejo dos vaqueiros. Em pastos sujos, o manejo de vaca com bezerro ao pé é dificultado, inclusive podendo promover maior taxa de mortalidade dos bezerros recém-nascidos, além de dificultar a detecção de cio em sistemas com inseminação artificial.

Desta forma, é fundamental entender como prevenir e controlar o aparecimento de invasoras nas pastagens!

Este assunto será objetivo de um dos módulos do treinamento on-line: “Intensificando o uso das pastagens: da formação ao manejo”, com o engenheiro agrônomo Manfred Folz. O curso começará no dia 17/10 e trará as principais medidas de manejo que devem ser tomadas para obter pastagens altamente produtivas.

Para garantir sua vaga clique no link: Intensificando o uso das pastagens.

Ou entre em contato:
cursos@agripoint.com.br
(19)3432-2199
Whatsapp (19) 99817- 4082.

Referências:

Folz, M. “Intensificando o uso das pastagens: da formação ao manejo”. Texto extraído do material do curso on-line, módulo 4.

 

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade