carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

4 erros frequentes no manejo do compost barn

postado há 2 dias atrás

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Ao pensar na instalação de qualquer sistema produtivo, é fundamental que haja um bom planejamento, e que se conheça as condições básicas para que o sistema opere corretamente. Dessa forma, muitos erros podem ser evitados previamente.

O Compost Barn, sistema que vem ganhando um grande número de adeptos no país, tem como principal objetivo oferecer mais conforto aos animais, permitindo que os mesmos expressem mais livremente comportamentos naturais, como o cio. Se manejado corretamente, o sistema pode melhorar as condições de saúde dos animais, bem como índices reprodutivos e de qualidade do leite. Com isso, obtém-se um incremento na produção de leite e na longevidade das vacas no rebanho. Mas para que esses objetivos sejam alcançados, é essencial realizar um manejo adequado, evitando os 4 erros frequentes citados abaixo:

1- Tentativa de economia de energia

Privar-se de ligar os ventiladores durante o dia devido ao custo, vai causar danos. Ao optar por não deixar os ventiladores ligados durante todo o dia, ligando-os apenas nos períodos mais quentes, deixará a cama mais úmida, aumentando a ocorrência de mastite. Isso acontece pois quando a umidade da cama aumenta, o material adere-se à pele e ao orifício do teto, facilitando a entrada de bactérias pelo canal do teto.

As principais bactérias que têm sido observadas causando mastites em sistemas de compost barn são: os estreptococos ambientais, os coliformes - dentre eles a Klebsiella, entre outras bactérias. Geralmente, as mastites clínicas ocorridas neste cenário são de grau 2 ou 3, que causam o inchaço do úbere, muitas vezes acompanhado de sintomas sistêmicos, podendo, inclusive, levar o animal a óbito.
Portanto, nesse contexto, o ventilador deixa de ser um custo e passa a ser investimento, pois vai manter a cama seca, prevenindo doenças e melhorando o ambiente das vacas (aumentando a produção leiteira).

2- Alimentação das vacas dentro do composto

Quando as vacas se alimentam dentro da cama é muito difícil manter esse espaço seco. Muitas vezes, as vacas acabam deitando próximo ao cocho e tendo contato novamente com a umidade, aumentando a probabilidade de infecções intramamárias.

3- Frequência de reviragem da cama

Alguns produtores, por falta de trator ou algum manejo dentro da fazenda, reviram a cama 1x por dia ou 1x a cada dois dias. Por consequência, o processo de compostagem fica comprometido, e o teor de umidade da cama aumenta – mesmo com uso de ventiladores. Por isso, é aconselhável revirar a cama pelo menos 2x ao dia, garantindo assim um processo de compostagem homogêneo, facilitando a perda de umidade para o ambiente e fazendo com que a cama fique mais seca. Lembrando que, ao revirar a cama, é importante atingir as camadas mais profundas do composto, por exemplo: se a cama tem 50cm de altura, deve-se revirar de 35 a 40cm de profundidade.

4- Falhas na instalação

Por exemplo: pé direito baixo, poucos ventiladores (não abrangendo toda a área de cama), inclinação incorreta dos ventiladores (perdendo a eficiência de ventos), entre outros. Em ambientes que acontecem essas falhas, o rendimento do sistema será prejudicado.

Essa lista de erros que devem ser evitados, foi extraída do conteúdo do curso online “Influência do ambiente na ocorrência da mastite”, que se encontra disponível no EducaPoint. Com planos totalmente acessíveis, a plataforma oferece o que há de melhor e mais atual na pecuária brasileira, e os assinantes têm acesso ilimitado a TODOS os cursos (já são cerca de 90 temas).

Aproveite a Black Friday para adquirir o seu acesso! Assine agora mesmo o plano anual por apenas R$577, clicando aqui: https://www.educapoint.com.br/checkout/. Por esse valor, você terá acesso a TODOS os cursos disponíveis e aos novos que serão adicionados pelo período de 12 meses.

Mais informações:

contato@educapoint.com.br
Telefone: (19) 3432-2199
Whatsapp (19) 99817- 4082
Skype: atendimento@educapoint.com.br

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade