ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Uma mudança no mercado de leite !

POR MAURÍCIO PALMA NOGUEIRA

PANORAMA DE MERCADO

EM 22/09/2004

3 MIN DE LEITURA

2
0

Há tempos se diz que a classificação entre leite tipo "B" e leite tipo "C" estaria em extinção. De fato, diante das atuais exigências de mercado e, com mais fazendas investindo para atender os requisitos de qualidade, essa classificação já não atenderia a realidade presente.

As exigências mudaram e o mesmo deveria ocorrer com a forma de comercialização.

Pois bem, enquanto a legislação não muda, o mercado se encarrega de apressar as mudanças. Observe a diferença, na figura 1, entre os preços do leite tipo "B" e leite tipo "C" no Estado de São Paulo. Os preços mensais estão em valores reais, considerando a inflação pelo índice IGP-DI.

Evolução dos preços do leite B e C nos últimos 10 anos - R$ deflacionados pelo IGP-DI/litro


A diferença de preços, que há 10 anos era em torno de 25% a 30% entre o leite "B" e o leite "C", hoje está por volta de 8% a 9%. Veja a diferença média em São Paulo, nos últimos 10 anos, na tabela 1.

Tabela 1: Diferença média anual entre os preços pagos pelo leite tipo B e leite tipo C, ao produtor, no Estado de São Paulo

 


A tendência é nítida. E mesmo as diferenças atuais estão mais relacionadas a bonificações por volume de entrega do que à tipificação do leite. Vale lembrar que as fazendas com melhores condições técnicas, e que enfrentaram os duros anos da década de 90, eram as produziam leite tipo "B".

Independente da instrução normativa 51, que estabelece padrões de qualidade para o leite produzido no país, o futuro exigirá maior atenção à qualidade do leite.

Para garantir qualidade, é essencialmente necessário que se trabalhe com conceitos de cadeia agroindustrial.

Neste contexto, a qualidade é garantida em todas as fases: insumos, produção, refrigeração, transporte, industrialização e distribuição. Espera-se, portanto, mudanças nas relações, especialmente comerciais, entre os envolvidos na cadeia agroindustrial do leite.

É por este motivo, e por esta tendência irreversível, que o pagamento por qualidade - sólidos totais, gordura e proteína - deve se estabelecer.
Atualmente se nota a diferença, a preferência da indústria por produtores que permitem reduzir o custo de produção na industrialização. Em São Paulo, por exemplo, os maiores preços pagos pelo leite tipo "C" são cerca de R$0,04/litro superiores aos preços médios do leite tipo "B". A diferença entre as maiores bonificações é de R$0,03/litro entre leite "B" e "C". Essa diferença, reitera-se, está relacionada à possibilidade de redução de custos para a indústria.

Atualmente, considerando a média, o que mais se paga na escala de preços é o volume de produção e a possibilidade de reduzir custos por unidade transportada. Pagar por qualidade é uma tendência, por que leite de melhor qualidade reduz custos de produção na indústria, além de viabilizar um "mix" melhor de produtos que são ofertados no mercado. Todos ganham.

No entanto, as mudanças sempre trazem desconforto, especialmente quando envolvem preços, receitas e formas de administrar o próprio negócio. O mercado, e as novas exigências, tendem a provocar um amadurecimento da cadeia agroindustrial. E é a velocidade com que o setor encara estas mudanças que será o diferencial competitivo do agronegócio do leite brasileiro no cenário internacional.

A boa notícia é que já existem sinais desse amadurecimento. O próprio Congresso Brasileiro de Qualidade do Leite, organizado pela iniciativa privada, é uma amostra do amadurecimento.

Em recente palestra no fórum "Agronegócio lácteo: radiografia e perspectivas", organizado pela Láctea Brasil, o professor Marcos Jank, presidente do Instituto de Estudos do Comércio e Negociações Internacionais (ICONE), elogiou a agenda de atividades elaboradas pelo setor na conclusão do Congresso Brasileiro de Qualidade do Leite. Segundo ele, o setor está deixando de teclar em algumas reivindicações antigas e protecionistas para se mobilizar em prol da construção de um mercado e da solução de problemas que reduzem a competitividade do agronegócio nacional.

É um bom começo, pois o caminho parece estar certo.

MAURÍCIO PALMA NOGUEIRA

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

RONALDO AUGUSTO DA SILVA

BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 24/09/2004

Maurício,

Se entendi, então os preços do leite tendem a se nivelar. Antecipando esse evento, é melhor produzir leite tipo C. É isso? Sou produtor em MG, de 80 mil litros/mês. Nosso leite é praticamente tipo A, todo mecanizado, vacas sem doença, tanque de resfriamento e ordenha de ótimo desempenho. Não recebemos adicional que remunere o investimento. Concordo com o produtor Walter que comenta sua matéria: estão vendendo soro como se leite fosse. Aqui em Brasília temos uma lei, cujo projeto é do ilustre Dep. Peniel Pacheco, meu amigo, que obriga o super a separar as gôndolas de leite das de bebida láctea. Veja o site dele: www.penielpacheco.com.br.

Na verdade existe a omissão do governo com o setor. Essa omissão é histórica. Por um lado o governo, não é só o atual, fala e diz pros quatro cantos que apoia o produtor rural etc etc mas não fiscaliza e deixa as grandes corporações explorarem os produtores. Cordial abraço. Ronaldo Augusto
WALTER JOSÉ TRINDADE

OUTRO - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 23/09/2004

Caro Mauricio.

Eu sou produtor de leite desde 1.998, minha produção é em média 60.000 litros mês, atualmente com 96 vacas em lactação.

Concordo com sua teoria do fim da classificação do leite por tipo, mas com uma visão diferente da sua. Com a mudança da embalagem (caixa), as fronteiras da produção e os centro de consumo deixaram de existir, o cosnumidor final preocupa somente com o menor preço, os grandes mercados constantemente estão fazendo promoções e o leite é o melhor produto para isso. Ocorre que laticínios sem compromisso com a marca, vendem leite de péssima qualidade, adicionando soro num volume vergonhoso. O que nós precisamos é uma fiscalização responsável na qualidade do leite na ponta de consumo, para acabar com os abusos de bebidas lácteas, leite com antibióticos etc. etc. sendo vendido como leite de primeira qualidade.


Walter Jose Trindade
Votuporanga(SP)


<b>Resposta:</b>

Prezado Walter,

Concordo com a sua posição. Eu não entrei em diversos detalhes para não me aprofundar demais no assunto.

É fato que o mercado atual, e forma de atuação das indústrias, privilegiam o leite de baixa qualidade. Reverter este cenário é um desafio para o setor produtivo: interessa à indústria e aos produtores.

Fiscalização é uma das formas de combater. A outra é marketing, conscientização e qualidade na produção. Todos os problemas que você enumerou são reais e acabam depondo contra o leite como produto.

É isso aí! Obrigado pela participação.

Atenciosamente,

Maurício Palma Nogueira

MilkPoint AgriPoint