FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Sobre a assistência técnica pública

POR PAULO DO CARMO MARTINS

PANORAMA DE MERCADO

EM 31/10/2003

4 MIN DE LEITURA

2
0

No artigo da quinzena anterior descrevi um programa de assistência técnica para o leite, implantado há oito anos e com resultados muito favoráveis. Refiro-me ao Proleite. Este é apenas uma das algumas experiências brasileiras disponíveis. Aproveitando que o Governo Federal colocou o assunto na ordem do dia, volto novamente à carga, com algumas reflexões.

É bom que se diga que tais reflexões dizem respeito à minha experiência pessoal, como pesquisador e como gestor público que, na condição de Secretário Municipal, contratava os serviços públicos de Assistência Técnica. É, portanto, uma visão restrita e parcial.

Na gestão pública, compartilho da opinião que o grande feito das últimas duas décadas em termos de desenho institucional se deu na saúde pública. Durante os anos oitenta, os profissionais desse setor foram competentes e se prepararam para o que a Constituição de 1988 legitimou. Refiro-me à universalização dos serviços de saúde. Grande feito, para uma sociedade pobre como a nossa, que tem a metade da renda per capita do Chile, por exemplo.

Esses profissionais se juntaram com lideranças populares, buscaram apoio político e criaram inicialmente o SUDS - o Sistema Unificado e Descentralizado de Saúde. Isso significou definir tarefas para as três esferas de poder: federal, estadual e municipal. Até então, você se lembra, para o cidadão (e cidadão era somente quem tinha carteira de trabalho assinada...), saúde era competência de Governo Federal.

O processo de descentralização ocorreu em etapas: primeiro, gestão semi-plena, ou seja, gestão compartilhada entre diferentes esferas de poder, em municípios selecionados, que demonstravam vontade política de participar da experiência e tinham corpo técnico compatível.

Nos dias atuais, nesses municípios a gestão é plena, ou seja, o atendimento ao cidadão que demanda serviços de saúde é responsabilidade do Secretário Municipal de Saúde.

Existem dois pontos importantes desta experiência bem sucedida. Um é a formação dos Conselhos Municipais de Saúde, que é uma espécie de câmara setorial. Ali estão presentes os representantes dos hospitais privados, dos profissionais de saúde e dos usuários. Quem preside o Conselho é o Secretário Municipal, que deve mais satisfação aos seus membros que ao Prefeito que o nomeou.

O outro ponto é que os secretários municipais são tão articulados entre si que o presidente de sua entidade nacional fala diretamente com o ministro da Saúde. O resultado você viu recentemente. Quando a equipe econômica falou em reduzir verbas para o setor, a bancada da saúde no Congresso, que é supra-partidária, vestiu-se de branco e tomou de assalto a mesa diretora. Virou principal manchete de todos os jornais e o Governo recuou.

Você deve estar discordando, pois entende que os serviços de saúde pública no Brasil são ruins. Bom, primeiro você há de concordar comigo, que somente é manchete o que não funciona. E temos o hábito de generalizar. Veja um exemplo recente em outra área. Quando o IBGE declarou que o desemprego na cidade de São Paulo em outubro chegou a 20%, muitos de nós generalizamos e imediatamente imaginamos que um em cada cinco trabalhadores está desempregado em nosso município, o que tem pouquíssimas chances de ser verdade. Além do problema nacional, São Paulo vive crise própria. Se a economia voltar a crescer, ainda assim teremos problemas por lá. Segundo, saúde é o tipo de serviço cuja necessidade não se esgota. Quanto maior a melhoria, maiores e mais intensas serão as demandas.

Mas você também pode estar questionando: o que esse assunto tem a ver com o título do artigo?

O Governo Federal colocou como uma de suas prioridades o apoio à agricultura familiar. Nesse contexto, pouco adianta aumentar recursos via PRONAF, ou intensificar apoio aos assentamentos. Há uma variável fundamental para o salto quântico, ou seja, o aumento de produtividade e a conseqüente melhoria da condição de vida. Sem o aprender a fazer, como fazer? Nesse ponto é que entra a assistência técnica pública.

Creio que o primeiro ponto a ser estabelecido é que o Governo Federal deve se restringir a formular e coordenar a execução de macropolíticas de ação. Nada de cair em tentação de "por a mão na massa", como alguns defendem. Por outro lado, quando o Sistema Embrater foi estimulado a disseminar tecnologia no passado, agiu com competência. Ganhava 2% por projeto financiado. Cabe então ao Governo criar estímulos e acertar metas com os estados e municípios. Experiência nesse sentido de outras áreas podem ser aproveitadas, tanto na saúde (AIH´s) quanto na educação (Fundef, Merenda Escolar, Bolsa-Escola). Repasse público federal somente com o cumprimento de metas pactuadas!

Um segundo ponto diz respeito à necessidade de se encontrar mecanismos pecuniários e de salário indireto como premiação para aqueles técnicos que obtenham melhor rendimento junto aos produtores. Tratamento idêntico desestimula quem é dedicado, criativo e se integra com os produtores.

Um terceiro ponto está relacionado ao município ou micro-região. É fundamental que se estabeleçam prioridades em cada espaço geo-administrativo e os parcos recursos de pessoal e financeiros sejam concentrados nas prioridades (produtos) estabelecidos. Isso é relevante, pois somente desta forma é possível manter equipe de técnicos atualizada em termos tecnológicos. Também somente assim é possível aferir o cumprimento de metas qualitativas e quantitativas.

Um quarto e derradeiro item vincula-se à atenção a ser dada em termos de treinamento em gestão para os produtores familiares. Afinal, a produção é meio e não um fim em si. É meio para se conseguir melhorias efetivas de vida para a família. Ensinar a produzir é relevante. Mas como gerir sua propriedade é essencial. Produzir leite não é um fim que se esgota em si. É meio de assegurar melhores condições de vida para quem se dedica a atividade. Ou deveria.

 

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

LUIS FERNANDO LARANJA

SÃO PAULO - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 07/11/2003

Prezado Paulo,

Parabéns mais uma vez pela excelência dos teus artigos, pela abordagem crítica e pela boa escolha dos temas para discussão.

grande abraço!

Luis Fernando Laranja.
RONALDO AUGUSTO DA SILVA

BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 04/11/2003

Permita-me o ilustre professor pegar o seu gancho "Afinal, a produção é meio e não um fim em si. ... Produzir leite não é um fim que se esgota em si". Portanto, caracteriza um negócio. A nova ordem econômica mundial impõe o efeito escala. As ameaças de toda ordem à saúde pública impõem o uso de métodos modernos de gestão, manejo, ordenha, granelização, processos sofisticados de tratamento do leite etc, que determinam essas escalas mínimas, estabelecidas pelas funções isoquantas e isocustos. E, nesse contexto, o Governo Federal fortalece o pronaf, a pecuária familiar, cuja consciência dos agentes sequer tangencia essas ameaças dos tempos modernos. O ilustre professor porventura entende como eu, que esse propalado programa está na contramão da história?

Resposta:<b>Prezado Sr. Ronaldo,</b>

Obrigado por ter se manifestado sobre o artigo. Quanto aos seus relevantes comentários, é importante considerar a existência de dois públicos distintos na atividade leiteira. Um se caracteriza pela visão comercial. Pode se dar em pequenas ou grandes propriedades, com produção sendo obtida majoritariamente por mao-de-obra contratada ou familiar. A esses cabe toda a discussão que fazemos sobre economia do leite. O outro grupo diz respeito a pessoas que formam, socialmente, um grupo de risco. São produtores que estão no limite de sua condição de subsistência, a caminho da exclusão. Ambos merecem políticas de apoio, mas com desenhos diferentes. Os do primeiro grupo reagem a estímulos de mercado. Os do segundo, precisam de políticas que incrementem a sua renda familiar, mesmo que de modo artificial. São as chamadas políticas compensatórias, de distribuição de renda. No mundo todo, em diferentes proporções, isso acontece.

Manter, portanto, o Pronaf é algo relevante, ao meu ver. E mais barato que apoios que se dão a setores urbanos, bastante duvidosos. Um exemplo: reduzir impostos para carro em agosto, o que gerou de emprego? Os preços dos carros foram reduzidos?
MilkPoint AgriPoint