ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Resultados: Dá para animar?

POR MAURÍCIO PALMA NOGUEIRA

PANORAMA DE MERCADO

EM 13/12/2004

2 MIN DE LEITURA

1
0

Comparando os preços em reais deflacionados pelo IGP-DI, neste final de 2004 os preços estão 2,5% menores comparados aos de 2003.

Os resultados em 2004 são semelhantes aos obtidos em 2003.

Acompanhamento de custos de produção, realizado pela Scot Consultoria, confirma que os custos reduziram-se, em valores reais, nas mesmas proporções que os preços, permitindo resultados foram semelhantes.

Observe, na tabela 1, a composição de custos e resultados de uma fazenda de 4,8 mil litros de leite por dia com eficiência de 16 mil litros por hectare por ano.

Tabela 1: Composição dos custos de produção do leite para uma empresa de 4,8 mil litros de leite por dia e 16 mil litros de leite por hectare/ano - 2004
 


Vale lembrar que produtores com maiores volumes de produção trabalham com preços melhores em relação ao valor médio.

Com resultados semelhantes aos de 2003, até melhores em muitos casos, e 2005 com melhores perspectivas para o mercado, os produtores poderiam estar comemorando não fossem os preços dos fertilizantes.

Em recente artigo, neste mesmo espaço, - Os meses de chuva e o preparo para 2005 observamos que os preços dos fertilizantes aumentaram 20% em 2004, comparados a 2003. O impacto deste aumento ocorre no último trimestre do ano, época em que geralmente são comprados os fertilizantes.

Não restam dúvidas que haverá impacto no custo de produção de volumosos em o 2005, uma má notícia para o produtor de leite.

No entanto, a tendência de baixa para o farelo de soja deve contrapor estas perdas, como ocorreu em 2004.

Mas é no mercado do leite que as expectativas são melhores. Até o presente momento, não houve reduções bruscas nos preços e a tendência é que assim continue se comportando.

Acredita-se que os preços pagos aos produtores devam recuar em média R$0,01/litro. Há quem aposte em estabilidade para dezembro. Tudo dependerá do mercado varejista. Vale lembrar que novembro fechou com os preços do longa vida estáveis no atacado e em baixa no varejo. Se essa pressão do varejo se reverter no atacado, o produtor sofrerá o impacto final, como sempre ocorre.

No entanto, será preciso avaliar o mercado nas próximas duas semanas para que seja possível desenhar um cenário mais confiável.

Com relação à rentabilidade, a empresa cujos custos estão apresentados na tabela 1, obteve 4,3%.

Para 2005, em termos de custos de produção, espera-se um recuo nos custos de oportunidade nas regiões de produção de grãos. A redução dos resultados esperados para a soja deverá refletir em queda no valor dos arrendamentos e no valor da terra nestas regiões específicas.

Para quem produz em regiões canavieiras, o mercado de terra e de arrendamento continuará aquecido. Aliás, a tendência é de procura por terra para plantar cana. As perspectivas para a produção de álcool são boas tanto no mercado interno como no externo.

MAURÍCIO PALMA NOGUEIRA

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MARCELLO DE MOURA CAMPOS FILHO

CAMPINAS - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 14/12/2004

Caro Maurício


Peço que caracterize os custos classificados respectivamente em Custo fixo, Custo variável, custo operacional, custo econômico.

Abraço


Marcello de Moura Campos Filho

<b>Resposta do autor:</b>

Caro Marcello,

Adotamos como critério, em nossas análises, o seguinte conceito:

Custos fixos: Todas as depreciações apenas, incluindo depreciações de vacas e pastagens.

Custos Variáveis: Incluem todos os desembolsos ao longo do ano, o custeio. Estão separados em indiretos e diretos. Mesmo a mão de obra e a administração, que a maior parte dos economistas classifica como custos fixos, preferimos o critério de conceituar como custos variáveis indiretos.

Custo operacional: É a soma dos custos fixos e dos custos variáveis, diretos e indiretos. Em outras palavras é o custo em que a produção possa ser mantida sem sucateamento dos bens de capital.

Custo econômico: É a soma do custo operacional com o custo do capital empregado na atividade. Nos último anos, temos considerado o custo do capital em 6%, ao ano, pelo fato de que as remunerações com arrendamentos de terra para terceiros estejam girando em torno destes valores sobre o valor da terra. Há quem não adote o custo de capital, há quem considere 3% e há quem considere valores reais de mercado, acima dos 12%. Depende do critério, esse ponto é bem polêmico.

Ao adotar tais critérios, a equipe da Scot Consultoria compilou diversas metodologias adotadas por vários pesquisadores. Em atuação com produtores, os mais interessados nessas informações, observou-se que estes métodos eram os mais eficazes em garantir a compreensão do conceito de custos. Sendo assim, passamos a padronizar em nossas análises.

Quando atuamos com alguma empresa, utilizamos a composição metodológica que melhor atenda o cliente, não forçando-o a adotar a nossa. Na verdade, o interessante é que o acompanhamento de custos permita ao empresário informações fiéis e possibilidade de decisões eficazes e rápidas.

MilkPoint AgriPoint