ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Quem ganha com esta crise?

POR PAULO DO CARMO MARTINS

PANORAMA DE MERCADO

EM 17/01/2006

8 MIN DE LEITURA

1
0

Ao contrário do que se imagina, nem todos ganham com um período de bonança e nem todos perdem com um período de crise. No caso da crise atual, é inegável que produtores e indústria estão perdendo. Já os consumidores estão ganhando. Isso, os dados revelam.

O IPCA - Índice de Preços ao Consumidor Amplo é um importante indicador de preços do varejo. Construído e divulgado mensalmente pelo IBGE, o IPCA considera uma vasta gama de produtos e serviços, que cobrem os setores de alimentação, habitação, artigos de residência, vestuário, transporte, saúde, despesas pessoais, educação e comunicação. Portanto, considera tudo que efetivamente uma família de renda de até 40 salários mínimos gasta para viver. O peso de cada um dos grupos é resultante de uma outra ampla e profunda pesquisa que o IBGE fez, contratando famílias em regiões metropolitanas do Brasil para anotarem os gastos que faziam. Portanto, reflete como nenhum outro levantamento, o perfil de consumo. É com base nesse levantamento que se estabelece o peso de cada produto no cálculo do custo de vida de cada uma das regiões e, de modo consolidado, do Brasil.

Ademais, o IPCA é o índice que o Governo adota para aferir a chamada Meta de Inflação. Em outras palavras, o Governo estabelece e comunica à sociedade, ao final de cada ano, qual é a inflação que se espera ter no país. À meta de inflação estabelecida convergirão as políticas de juros, de emissão de moedas e de gastos públicos, dentre outras. Ao longo do ano, se o IPCA demonstra que o país está com crescimento de preços que coloque em risco o cumprimento da meta estabelecida previamente, o Governo tomará atitudes para desaquecer a economia. Por exemplo, sobe a taxa de juros. Conhecemos este filme, não?

O gráfico 1 mostra o comportamento de três indicadores, ao longo de 2005: IPCA, Preços do Grupo Alimentos e Bebidas, Preço do Conjunto de Leite e Derivados, ambos componentes do próprio IPCA. Veja que os dados que deram origem ao gráfico estão disponíveis na tabela 1. Portanto, o gráfico e a tabela são formas de se apresentar a mesma realidade, ou seja, as evoluções de preços para se manter uma família (IPCA), de preços de alimentos (alimentação) e de preços de leite fluido e de derivados (Leite e Derivados), todos medidos no nível do varejo, média para o Brasil.

Na tabela e no gráfico, o referencial para se aferir o comportamento dos preços foi o mês de dezembro de 2004. Por isso, todos os três indicadores começam com o índice 100. Veja que, na tabela, existem índices em vermelho, artifício utilizado para chamar a atenção para os meses em que os preços caíram ou ficaram estáveis. No gráfico 1, em azul está registrado o comportamento do IPCA, mês a mês. Em verde, está registrada a evolução de preços do conjunto de alimentos e, em amarelo, os derivados lácteos. A tarja vermelha tem o propósito de facilitar o entendimento do gráfico e está picotando o índice 100 ao longo do gráfico. Toda vez que os preços ficarem acima da tarja vermelha, significa que os preços subiram acima do que eram em dezembro de 2004, que é nossa referência inicial (índice 100, portanto). Toda vez que a linha de preços estiver abaixo da tarja vermelha, o inverso é verdadeiro, ou seja, os preços estão menores que dezembro de 2004.

O que os dados revelam é que o custo de manter as famílias evoluiu continuamente. Dessa forma, excetuando-se o mês de junho, cada vez ficou mais caro comprar uma cesta de bens e serviços. Em outras palavras, o conjunto de bens e serviços relacionados à alimentação, habitação, artigos de residência, vestuário, transporte, saúde, despesas pessoais, educação e comunicação teve preços acrescidos em onze dos doze meses de 2005. Mais que isso, esse conjunto de bens e serviços, em dezembro de 2005, para ser adquirido, custou 5,1% a mais que em dezembro de 2004. Se o consumidor não teve nenhum reajuste em sua renda ao longo de 2005, significa dizer que ele perdeu poder aquisitivo ou ficou mais pobre nesta proporção (5,1%).

Já o grupo Alimentação, que congrega o custo de alimentos como pães e biscoitos, legumes, verduras, carnes, bebidas, refeições fora de casa e outros, teve um comportamento de elevação contínua até maio, quando iniciou queda de preços, que foi até setembro. A partir daí, os preços voltaram a crescer, para fechar o ano com preços somente 1,7% maiores que o início do ano.

Mas comportamento surpreendente apresentou o grupo Leite e Derivados. Os preços cresceram do início do ano até maio e junho, quando iniciaram queda vertiginosa até dezembro. Entre abril e julho a variação mensal de preços foi acima do verificado para o custo de vida, medido pelo INPC, e maior que a variação de preços do grupo Alimentação, entre março e setembro. Em dezembro de 2005, o preço do grupo Leite e Derivados foi menor que em dezembro de 2004, em 2,7%.

Os dados apresentados, que são oficiais, demonstram que, entre abril e julho, os derivados lácteos contribuíram positivamente para elevar o custo de vida das famílias, ou seja, puxaram o custo de vida para cima. Já a partir de agosto, a contribuição foi no sentido de segurar a elevação do custo de vida, ou seja, Leite e Derivados puxaram o custo de vida para baixo (linha amarela comparada com linha azul).

Um fato que chama a atenção é a comparação entre dezembro de 2004 e dezembro de 2005. O custo de vida cresceu 5,1% nesse período, enquanto que o custo da alimentação cresceu 2,0%. Mas, o surpreendente é que os derivados lácteos ficaram mais baratos em -2,7% para os consumidores!

Em resumo, se o consumidor gastava R$ 1.000,00 para manter sua família em dezembro de 2004, ele passou a gastar R$1.051,00 em dezembro de 2005, para consumir os mesmos bens e serviços e nas mesmas quantidades. Se o consumidor gastava R$ 1.000,00 somente com alimentação, um ano depois passou a gastar R$ 1.020,00 para consumir os mesmos bens e nas mesmas quantidades. Contudo, se os gastos com leite e derivados foi de R$ 1.000,00 em dezembro de 2004, em dezembro de 2005 esse consumidor gastou R$ 970,00 para consumir os mesmos bens e nas mesmas quantidades.

Gráfico 1. Comportamento do IPCA, do preço do Grupo Alimentação e do Grupo Leite e Derivados entre dezembro de 2004 e dezembro de 2005, em números-índices. Brasil.
 


Tabela 1. Comportamento do IPCA, do preço do Grupo Alimentação e do Grupo Leite e Derivados entre dezembro de 2004 e dezembro de 2005, em números-índices. Brasil.

 


O gráfico 2 e a tabela 2 reproduzem o comportamento dos preços recebidos pelo produtor de leite (linha preta) e os preços pagos pelo consumidor, para leite e derivados (linha amarela). A linha amarela já é conhecida. Corresponde à mesma linha amarela do gráfico 1 e tem como fonte de dados o IBGE. Já a linha preta tem como referência o Cepea/USP, e é uma média mensal para o Brasil. Ambas as curvas foram construídas tendo por base o mês de dezembro de 2004, ou seja, nesse mês o número-índice é 100. Já a reta vermelha tem o propósito tão somente de permitir visualizar quando os preços tornam-se menores do que eram em dezembro de 2004, o mesmo procedimento adotado no gráfico 1.

Portanto, fica claro que o preço recebido pelos produtores variou mais que o preço pago pelos consumidores no primeiro semestre. De Janeiro a junho de 2005, a variação dos preços recebidos pelos produtores foi de 11,9%, contra uma variação para os consumidores de 6,0%. De junho a dezembro de 2005 a situação se inverte, pois os preços despencaram. Enquanto os preços de leite e derivados no varejo caíram -8,2%, os preços recebidos pelos produtores caíram -28,0%. Numa comparação entre dezembro de 2004 e dezembro de 2005, percebe-se que o produtor recebeu no final deste ano cerca de 80% do que havia recebido em dezembro de 2004.

Gráfico 2. Comportamento de preços recebidos produtores de leite e preços pagos por consumidores de Derivados Lácteos, expressos em números-índices. Brasil. Dezembro de 2004 a Dezembro de 2005.

 


Tabela 2. Comportamento de preços recebidos produtores de leite e preços pagos por consumidores de Derivados Lácteos, expressos em números-índices. Brasil. Dezembro de 2004 a Dezembro de 2005.

 


Por fim, torna-se importante analisar o preço do leite ao produtor frente ao crescimento do custo de vida, mês a mês. Afinal, o preço recebido é receita para o produtor e, quando este cresce mais que o custo de vida significa que o produtor passou a ter mais renda para gastos com sua família ou para investir na sua propriedade.

O Gráfico 3 retrata esta análise. Dos doze meses do ano passado, somente entre março e julho o poder de compra do produtor se elevou, se tivermos por base o custo de vida medido pelo IPCA. Em janeiro e fevereiro e a partir de agosto, o produtor perdeu poder de compra. Além disso, os 29,46% que o produtor acumulou de poder de compra entre março e julho foram aquém dos 81,42% acumulados que ele perdeu nos demais meses.

Portanto, conclui-se que o produtor de leite perdeu com esta crise. Isso não é novidade. A indústria também, embora os dados permitam afirmar apenas para o caso dos produtores. Mas, é notória a dificuldade que os homens de laticínios vêm enfrentando. Por outro lado, nada se pode afirmar sobre o varejo, se perderam ou ganharam com a crise, pois não temos dados públicos sobre o mercado lácteo no atacado. Contudo, é inegável o ganho de renda ou poder aquisitivo do consumidor brasileiro com a evolução dos preços dos derivados lácteos. No artigo da próxima quinzena iremos analisar o comportamento de preços de alguns produtos lácteos, como leite UHT, leite em pó, leite condensado, manteiga, queijos, doce de leite e outros. Até lá!

Gráfico 3. Poder de compra mensal do produtor de leite, tendo por base o índice de preço recebido e o IPCA. Brasil. Janeiro a Dezembro de 2005.

 

 

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOSE RONALDO BORGES

CUIABÁ - MATO GROSSO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 17/01/2006

Caro Doutor Paulo,



De uma forma até humorística, diria que no final das contas, quem perdeu mesmo foi a vaca, que viu sua dieta diminuir consideravelmente e teve que se contentar com um capinzinho somente. Mas o consumidor também perde, pois está consumindo um produto de pior qualidade.



Parabéns pelo artigo!
MilkPoint AgriPoint