ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Pressão à vista

POR MAURÍCIO PALMA NOGUEIRA

PANORAMA DE MERCADO

EM 09/05/2003

3 MIN DE LEITURA

2
0

Os preços do leite têm subido, e tudo indica que as cotações tendem a se manter firmes e em alta ao longo da seca.

Sim, choveu até maio, o que pode dar melhores condições às pastagens. No entanto, esperar que durante a seca haja resposta em produção de leite a pasto é demais. Sem fornecimento de alimentos volumosos e concentrados, a produção de leite não aumentará no período seco. Pode até ser melhor que a do ano anterior, mas não há milagre. A oscilação da produção continua de acordo com a característica fisiológica das pastagens, ou seja, estacionalidade de produção: superior no verão agrostológico (período de outubro a março) e inferior no inverno agrostológico (período de abril a setembro), grosso modo.

A maior parte das empresas que se utilizam de suplementação volumosa na seca provavelmente mantiveram o plano de conservação de forragem, mesmo com o aumento nos preços dos insumos. Num ano com maior índice de chuva, essas empresas tendem a não passar apertadas e podem responder em produção, alimentando um maior número de vacas.

O porém fica por conta dos preços dos concentrados. Na primeira semana de maio, vários agentes do mercado de concentrados apostavam em quedas de até 20% nos preços dos alimentos ao longo do mês. Além de ser uma informação imprecisa, a queda nos preços dentro destes níveis ainda mantém a relação de troca atual em piores condições que a de um ano atrás. Lembre-se que hoje o produtor precisa de 30% a mais de leite para comprar a mesma quantidade de alimentos. A relação de troca é a moeda mais conhecida do produtor.

Colocando todos os fatores na balança, parece não haver condições de aumento significativo na oferta de leite. Aliás, pelo período que se inicia, um aumento na produção seria algo inédito. Mesmo que aumente o número de vacas parindo, de onde viriam alimentos para todas elas? A venda de leite tem que compensar a compra de alimentos.

A análise pragmática destas condições pode favorecer como contrapeso ante a possibilidade de que ocorram algumas pressões nos preços ao longo de maio e início de junho. Por mais incoerente que possa parecer, muitos entrevistados acreditam em estoques elevados de leite por parte das indústrias.

Frente a esta informação, é recomendável que o produtor se prepare para uma pressão nos preços do leite em pleno início de entressafra, algo ainda improvável, mas existem indícios que esta pressão possa ocorrer.

Portanto, há informações de que houve formação de estoques, aumento de vacas paridas e que provavelmente ainda ocorra uma pequena retração no consumo de longa vida pelo fato de aumentos significativos nos preços em curto espaço de tempo.

Em um mês, os preços no varejo aumentaram 12%. Este aumento brusco assusta o consumidor, o que deixa espaço para pressões.

Observe, na figura 1, a evolução dos preços do leite longa vida no atacado e no varejo ao longo de um ano no fechamento de abril de 2003.

As margens no varejo, sobre os preços do longa vida no atacado, foram para 16,3%, a terceira maior no período de um ano. A média de abril de 2002 a abril de 2003 é de 11%. Ou seja, os preços do varejo estão altos em relação aos preços das indústrias e dos produtores de leite.
 

 


Nos últimos anos, toda vez que ocorreu este aumento nos preços do varejo, o fato precedeu uma pressão no preço do leite, partindo do longa vida até o produtor. Vale lembrar, no entanto, que em 2002 estas pressões não surtiram efeito, haja visto as condições de escassez de oferta. A situação de hoje é praticamente a mesma, porém, informação vale ouro.

Numa época em que produtores e indústrias precisam ampliar preços para repassar custos de produção, o varejo é o que mais aumenta.

O preço de hoje ainda é ruim para o produtor, ruim para a indústria e subiu de uma vez para o consumidor. É um verdadeiro impasse, quem ri é o varejo.

 

MAURÍCIO PALMA NOGUEIRA

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ROMILDO ANTONIO ANDRADE JUNIOR

OUTRO - ESPÍRITO SANTO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 28/05/2003

A possibilidade da falta de leite na entressafra, forçou uma alta significativa no preço ao produtor (março/abril), instabilidade em maio, e especulação de queda de R$ 0,01 em junho. O consumo de derivados de leite não está bom e, só agora o leite Longa Vida reagiu, tendendo as empresas a produzirem mais longa vida em junho. Sem contar que o dólar está num patamar baixo. Será que o produtor não sofrerá o mesmo problema do ano 2000?

<b>Resposta:</b> Prezado senhor Romildo:

A sua observação é correta, os fatos lembram o ano de 2000. Não se descarta a hipótese de ocorrer algo similar, porém neste ano as condições de mercado dificultam a pressão especulativa que houve no passado.

Particularmente, eu não acredito em queda abrupta nos preços do leite, mas... Lembre-se que estamos lidando com mercado e qualquer variável pode mudar o cenário. Confirmando as estimativas da CNA, de aumento de produção, ainda estaríamos produzindo aquém da demanda interna de leite. No mercado internacional, o leite brasileiro ainda é o mais barato.

Para junho e julho, tudo aponta para pressão de leve queda ou estabilidade nos preços do leite. Porém, lembre-se que em 2002 tentaram derrubar os preços 3 vezes, não obtendo sucesso em nenhuma delas. A lei da oferta e da demanda está do lado do produtor. Usando e acompanhando corretamente as informações, os preços tendem a não recuar.

Atenciosamente,

Maurício Palma Nogueira
engenheiro agrônomo
FAQUINI

CURITIBA - PARANÁ - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 13/05/2003

Parabéns ao autor pelo excelente artigo, é a realidade nua e crua, que muita gente não quer ver!!!
MilkPoint AgriPoint